Tuesday, February 26, 2013

Paganismo soft

Como é difícil não ser pagã no Rio nessa época do ano. Como não adorar o sol? O mar? Nossa mãe, que dias mais lindos!

E veja, sou do tipo que adora olhar o céu à noite. Às vezes até penso no Ptolomeu. Quantas vezes ele não deve ter observado o céu e pensado: "Nossa, é tudo maravilhoso demais." Aliás, imagino que ele devia dormir tarde pra chuchu. Pelo menos a julgar o tanto que escreveu sobre as estrelas e planetas que passou a vida observando. Será que escrevia algumas observações ao longo da noite para organizá-las durante o dia? Será que tinha alguma companhia à noite? Será que a mulher dele (se é que foi casado) reclamava muito desses hábitos noturnos? Ao menos não estava ciscando com alguma gaiata egípcia (suponho).

Domingo passado mesmo eu estava na praia e comecei a imaginar um passeio do Aristóteles e do Platão por ali (ou num equivalente ático qualquer). Há tantas ilhas no Mar Egeu... Imaginei uma conversa em que debatiam sobre a beleza, numa atmosfera agradável tal como na descrita no Fedro. O chato é pensar que a musa das águas é Iemanjá. Que é coisa de macumba. Mas a Grécia era um macumbódromo. Talvez não seja tão estranho assim pensar nessas coisas de musas das águas.

Então admito que sou pagã. Mas só um pouquinho.

2 comments:

Talita L. said...

Mas só um pouquinho.

Hahahaha. Também vivo pensando sobre isso, Tanja. E, aliás, sempre passei aqui, mas nunca tive coragem de comentar nada, mas essa minha volta ao blogger, além de tirar um pouco a minha timidez, faz com que eu leia essas coisas despretensiosas que eu tanto gosto com mais frequência. Parabéns!

Tanja Krämer said...

Menina! Você merecia até um puxão nessa orelha por nunca comentar nada! :-P Agora que eu soube que você também tem um blog (e que bom que deixou esse negócio de timidez pra lá!), vou visitá-lo sempre. Beijinhos!