Friday, November 04, 2011

Neemias

Certa vez, um judeu chamado Neemias resolveu ajudar a reconstruir Israel. Ele vivia na corte do rei Artaxexes, mas se compadeceu das pessoas que viviam em Jerusalém. Tudo e todos estavam mais ferrados que o sistema público de saúde do Brasil. O rei foi bem camarada com o Neemias e o deixou partir. (Vale notar que os judeus nunca se revoltaram contra os persas.) Acontece que nenhuma história está completa sem antagonista. Três eram os principais. Um era o Sanabalat horonita, outro o Tobias, servo amonita, e o Gossen árabe. Mesmo tendo tentado de tudo, os três vagabundos acabaram derrotados pelo Neemias.

O que me espanta nessa história é o paralelo com a atualidade. Como há algum tempo, os judeus também tinham sido dispersos. Como agora, eles também tentaram retornar ao país de origem. Como agora, eles também foram atacados. Como agora, árabes eram um dos inimigos deles.

Dados os paralelismos com uma história tão antiga, é de se imaginar que um dia vai haver paz no Oriente Médio?

Thursday, November 03, 2011

Gerald Thomas

Dois momentos em entrevista para a Isto É:

Estava desencantado com o Brasil?


A polêmica da bunda em Tristão e Isolda, em 2003, me abalou muito. Gastei um dinheiro absurdo com advogados, idas e vindas de Londres para aparecer 15 minutos diante de um juiz. Esse absurdo custou R$ 340 mil aos cofres públicos. E tudo porque mostrei a bunda num teatro da cidade onde o cartão-postal é a bunda. Um ano depois fui inocentado por causa do “ato obsceno”.



O impulso não valeu a pena?

Estava pressionado. Tive que fazer o espetáculo cheio de restrições porque nada era admitido no palco do Teatro Municipal da Rosinha. Sou muito calmo, mas as três primeiras filas não só vaiavam como gritavam coisas em espanhol, português e alemão do tipo “seu judeuzinho, volta para o campo de concentração!”. Parecia coisa ensaiada. Foi um ano de dores de cabeça, mas não me arrependo de nada. Faria tudo de novo.

@@@

Nem ao filme Olga você assistiu?


Nossa... Esse, eu vi os primeiros 15 minutos e saí correndo para não desmaiar no cinema. Deus me livre! Nem pela Camila faço isso. Como podem dizer que aquilo é um filme? Jurava que era uma novela. Esse Jayme Monjardim deveria ter nascido judeu e ter morrido em um campo de concentração pelas mãos do Hitler. Mas ele já deve ter pago muitos dos pecados na infância. Deve ter sido muito maltratado pela mãe, a Maysa bebia demais. O problema é que agora ele desconta no público fazendo esses trabalhos horríveis. Quero distância desse cara.