Wednesday, December 28, 2011

Feliz Natal

Disse um amigo: "Escreve uma mensagem de Natal". Acontece que a inspiração não me ajudava. Fora que sempre é possível encontrar por aí alguma coisa muito boa. Cheguei a pensar em indicar o site do Pe. Paulo Ricardo. Ou a homilia do Papa na Missa do Galo. Acabei não fazendo nada. Nem conseguia pensar em nada. Mas de repente me veio a seguinte notícia:

Ataques no domingo de Natal na Nigéria deixam mais de 30 mortos


Horrível. Cruel. Monstruoso. Que dizer de uma coisa dessas? Logo no Natal! Mas aí me veio à cabeça uma coisa que um padre me disse uma vez: "Apenas o fato de você ir à igreja aos domingos já é um testemunho de fé". Quantas vezes a gente não se pergunta como tem gente que só vai por ir à missa? Quantas vezes a gente não vai só por ir? Ai, dúvidas... Só que ao se dar conta de que apenas o fato de ir à missa provoca muito ódio, você percebe que essas questões deixam de fazer sentido. Só o fato de você estar na igreja é motivo de quererem matar você. Não interessa se fulano vai assistir à missa de corpo presente ou não. Estar na igreja é então algo maior do que parece.

Aquelas pessoas são mártires. Derramaram o sangue com consciência? Não sei. Talvez elas soubessem que aquilo poderia acontecer qualquer dia. Talvez elas não tivessem a menor idéia. Você e eu podemos levantar muitas duvidas. Agora, o fato é que alguém não teve nenhuma sobre a necessidade de elas morrerem. Apenas a fé que as levou a ir à missa foi suficiente para que fossem mortas. E se você morre por causa da sua fé, acho que você é mártir. Sabendo disso ou não. Veja o caso de Herodes e os jovens mártires. Ao saber que o nascimento do Salvador estava próximo, ele mandou matar muitas, muitas crianças. Elas também não sabiam que morriam por causa de Cristo! Morreram. E agora são mártires. Tanto elas como os mais de 30 mortos no ataque na Nigéria, amém.

Pedagogia estranha, muito estranha. Você pode não dar o menor valor a nada disso. Nenhum mesmo. Acontece que alguém com muito ódio fez questão de lembrar como isso tem valor sim, senhor. Tanto que cobraram um preço elevado, o de sangue. Aquele mesmo que Jesus Cristo ofereceu de si mesmo para todos nós.

Qual a razão desse ódio tão grande? Só pode ser uma resposta (inútil) a algo muito grande. Há mais de 2000 anos, Deus habitou entre nós. Entenda bem isso. Tudo, tudo de mais maligno nesse mundo tem sido feito para destruir aquele acontecimento. Não se engane. Há mentiras, perseguições, matanças. Acontece que não há horror que não seja pequeno diante do Mistério da Encarnação. Explodam igrejas, metralhem fiéis, zombem do que cremos, fraquejemos todos diante de Deus... Nada disso importa. Nada. Porque há mais de 2000 anos, o fato é que Nosso Deus habitou entre nós! E isso, bem, isso ninguém pode mudar. Ocorra o que ocorrer

@@@

Deus podia ter respondido à violência do mundo com outra violência. Só que isso não teria mais fim, nem para o próprio Deus. Como resolver o problema? A única forma de terminar com a violência foi através da mais pura inocência. Veio então ao mundo o Menino-Deus, encarnado no ventre da Virgem, pelo poder do Espírito Santo. Abraçar essa criança é sinônimo de salvação.

 @@@

Desejo a todos um feliz Natal!





Saturday, December 24, 2011

Cantarei amores

Eu vou cantar o que é o amor.

É você querer rir de uma piada que o amado faz, só que na hora em que você está bebendo coca-cola. Um fato que à lembrança luto e horror me esquivam.

É você marcar de encontrar o amado num lugar que em condições normais de temperatura e pressão você jamais iria, mas tudo é tão lindo durante o amor, né? Você diz que vai só para fazer um agrado, vai, e se perde. Aí quando se lembra que existe um trocinho chamado celular, descobre que ele créééééu. E quando você se acha (depois de horas), vê que o amado já foi, mas restaram os que descobriram há pouco que têm um bilu-bilu, loucos para um test-drive. 

É você mandar um e-mail cheio de manhas e descobrir que sem querer mandou para um homônimo babão do seu trabalho. (Oh, desce cá uma lágrima dos olhos...)

É você usar um perfume para ver se chama a atenção dele, mas aí escuta do cara: "Nossa, você está sentido esse cheiro? Parece até o da minha avó".

É achar um cara interessante demais, até o dia em que ele diz seguir um avatar cósmico que vai nos salvar do Kali-Yuga ou que já saiu com travesti (isso quando não diz as duas coisas juntas)

 
Ah, mas é bom amar.

Friday, December 23, 2011

Segunda realidade

Estou lá vendo o Conta Corrente quando um zé ruela do cinema diz: "Nunca foi tão bom morar no Rio." Isso depois de ele ter dito, com a sem-vergonhice típica que o Olavo definiu como "inocência perversa", que os produtores de cinema estavam ganhando bastantes patrocínios dos governantes. Rio de Janeiro, onde bueiros explodem, pessoas são incineradas, há intervenções militares para conter grupos paramilitares etc etc etc. Mas também no Conta Corrente, outro dia, um economista afirmou que o Brasil era um dos países mais seguros e atrativos para se investir, "afinal estamos bem protegidos da crise mundial". O camarada disse isso logo após uma nota informando que nosso país cresceu menos que a zona do euro! Que audácia!

Outro dia, sou informada que o Congresso permitiu que a WWF fosse consultada sobre o projeto do Código Florestal. Na hora, pensei: "Ué? Quer dizer que chegamos ao ponto de consultar ONG estrangeira desse jeito tão descarado para criar leis?" Alguém poderia usar uma desculpam chinfrim: "Ah, mas é WWF BRASILLL." Então tá. Mas isso é que nem partido comunista... O mais básico é que ninguém comentou patati-patatá nenhum sobre isso.

Saiu o número de homicídios no Brasil, que se não me engano chegava a 49 mil por ano. Não sei se você sabe, mas a Alemanha Nazista sofreu quase 50 mil baixas na campanha polonesa em 39. É a mesma quantidade de baixas que os EUA sofreram em toda a Guerra do Vietnã. No Paraguai, o Brasil parece ter sofrido entre 80 mil e 100 mil baixas. Era mais seguro caçar Solano Lopez nos charcos paraguaios ou se enfiar nos arrozais do Vietnã que morar hoje no Brasil. E as pessoas estão mais preocupadas com a mulher que sentou o cacete num cãozinho! Claro que bater sem dó num bichinho é crueldade. Mas que dizer de pessoas que ficam putas ao verem um bicho sendo morto mas só dizem "é, pois é, que chatinho" diante do assassinato anual de 50 mil pessoas?

Nos últimos tempos, Protógenes Queiróz, cujo nome mais parece mistura de personagem de diálogo platônico com outro de romance português, cismou de querer abrir uma "CPI da privataria tucana" (inspirado pelo livro A privataria tucana). Diante de milhares de acusações de corrupção do governo dessa presidente esquisita, qual a razão de os caras resolverem investigar indícios de irregularidades de um troço que houve num governo de 13 anos atrás? Com licença, mas é como um sujeito tentando agarrar o seu filhinho e você buscando um guarda para prender fulaninho que faz xixi diante do grande teatro do mundo. Vamos lembrar que o Seu Delegado é do PCdoB, cuja moralidade pode ser averiguada pela filhadaputice desenxabida ao chorar a morte do bizarro e maligno Kim Jong-Il. Gêmeas sexagenárias prostitutas da Holanda são muito mais honradas que esse saco de cocozão que é o PCdoB!

Falta de medida da economia e de onde mora, interferência estrangeira em leis domésticas, matanças horripilantes, desvio cretino do foco do noticiário. Alguns exemplos de que tipo de lugar a gente vive.

Wednesday, December 21, 2011

Orgulhos climáticos

Vi a entrevista com o Prof. Ricardo Augusto Felício no JR News outro dia. Abaixo está só o que disponibilizaram no Portal R7:



Não entendo coisinha nenhuma do assunto. Só que tenho algum bom senso. E aí está o meu problema. Soa muito bizarro para mim *supor* que o ser humano é responsável pela alteração das condições ambientais do planeta. Bizarro e sem precedentes. Veja os antigos egípcios. Quando eles falavam que faraó era deus, eram até mais humildes. Nunca ouvi dizer que faraó podia alterar as condições de vida do planeta! Bom, quando você ouve falar que um dia acreditaram que faraó era deus, tenho certeza que você até dá um sorriso. Agora, quando dizem que se você ligar a lâmpada da sala ou andar de carro o ecossistema global vai ser transformado, nem duvido que talvez você ache a idéia muito científica (=coisa que pessoas bacanas adoram). Menos, amor.

Sunday, December 18, 2011

Escatologia

O que é pior, tacar fogo na bandeira de um país ou mijar em quem faz isso? Manifestantes clamando pelo genocídio do Ocidente ou arremessar cocô neles? Pensando nisso, imaginei que há algo muito melhor que jogar bombas em capitais ou dar tiro nos outros. Guerra melhor é a escatológica.

Vamos pensar na Palestina. Toda hora eles tacam fogo em bandeiras, gritam palavras de ódio e tal. De repente eles jogam até mísseis. A primeira reação normal é devolver com mísseis, mas neguinho reclama da violência. Que fazer? A resposta é cocô. Você manda três bombardeiros para arremessarem uns 1200kg de cocô no povo. Ou então você manda tropas especiais mijarem nos monumentos mais queridos do inimigo (e ainda posta depois no Youtube). Se os caras pensarem em declarar guerra porque você postou um vídeo do túmulo do Yasser Arafat sendo mijado, você pode alegar que a resposta militar é desproporcional e que quem vai arcar com o ônus da guerra são eles. (Se bem que isso pode servir de uma bela desculpa para você distribuir cacetadas.) Isso pode se aplicar a vários países, como o Irã. No lugar de bombardear usinas nucleares iranianas, por que não cagar na cabeça da população de Teerã? Não haverá mortos ou feridos.

A mesma coisa em relação a confrontos com estudantes. Imagina só como não seria durante a invasão da reitoria da USP. Poderia ter sido muito melhor se no lugar das porretadas dessem um banho de xixi nos vagabundos. A mesma coisa com os manifestantes dos vários Occupy. Se tropas especiais arremessassem cocô naquele povo, não haveria mais manifestação nenhuma.

Friday, November 04, 2011

Neemias

Certa vez, um judeu chamado Neemias resolveu ajudar a reconstruir Israel. Ele vivia na corte do rei Artaxexes, mas se compadeceu das pessoas que viviam em Jerusalém. Tudo e todos estavam mais ferrados que o sistema público de saúde do Brasil. O rei foi bem camarada com o Neemias e o deixou partir. (Vale notar que os judeus nunca se revoltaram contra os persas.) Acontece que nenhuma história está completa sem antagonista. Três eram os principais. Um era o Sanabalat horonita, outro o Tobias, servo amonita, e o Gossen árabe. Mesmo tendo tentado de tudo, os três vagabundos acabaram derrotados pelo Neemias.

O que me espanta nessa história é o paralelo com a atualidade. Como há algum tempo, os judeus também tinham sido dispersos. Como agora, eles também tentaram retornar ao país de origem. Como agora, eles também foram atacados. Como agora, árabes eram um dos inimigos deles.

Dados os paralelismos com uma história tão antiga, é de se imaginar que um dia vai haver paz no Oriente Médio?

Thursday, November 03, 2011

Gerald Thomas

Dois momentos em entrevista para a Isto É:

Estava desencantado com o Brasil?


A polêmica da bunda em Tristão e Isolda, em 2003, me abalou muito. Gastei um dinheiro absurdo com advogados, idas e vindas de Londres para aparecer 15 minutos diante de um juiz. Esse absurdo custou R$ 340 mil aos cofres públicos. E tudo porque mostrei a bunda num teatro da cidade onde o cartão-postal é a bunda. Um ano depois fui inocentado por causa do “ato obsceno”.



O impulso não valeu a pena?

Estava pressionado. Tive que fazer o espetáculo cheio de restrições porque nada era admitido no palco do Teatro Municipal da Rosinha. Sou muito calmo, mas as três primeiras filas não só vaiavam como gritavam coisas em espanhol, português e alemão do tipo “seu judeuzinho, volta para o campo de concentração!”. Parecia coisa ensaiada. Foi um ano de dores de cabeça, mas não me arrependo de nada. Faria tudo de novo.

@@@

Nem ao filme Olga você assistiu?


Nossa... Esse, eu vi os primeiros 15 minutos e saí correndo para não desmaiar no cinema. Deus me livre! Nem pela Camila faço isso. Como podem dizer que aquilo é um filme? Jurava que era uma novela. Esse Jayme Monjardim deveria ter nascido judeu e ter morrido em um campo de concentração pelas mãos do Hitler. Mas ele já deve ter pago muitos dos pecados na infância. Deve ter sido muito maltratado pela mãe, a Maysa bebia demais. O problema é que agora ele desconta no público fazendo esses trabalhos horríveis. Quero distância desse cara.

Wednesday, October 26, 2011

Solapando ídolos

É como digo: largue a religião e seja farofeiro.

Vou me explicar. Num áudio de não-sei-quando, o Padre Paulo Ricardo citou uma passagem da Bíblia sobre Deus dispersar os orgulhosos. Dispersar, porque o orgulho nos prende a ídolos, que nos levam a ignorar o fundamental: Deus. Se você crê nisto, boa parte dos seus problemas vira água. O problema é crer. Agora, não pense que nós católicos somos super-ultra-mega fiéis. O chicote começa a estalar no nosso lombo. A questão é que entre nós existe pelo menos alguma noção de que sem Deus a gente se dispersa todo. E se num primeiro movimento você afirmar todo feliz a cláusula pétrea da auto-suficiência, em seguida você vai se sentir dividido, subdividido, que nem no poema Boi Morto. (Por sinal, uma coisa. É impressão minha ou esse poema é muito solene?) Você vai se decompor, perdido, destroçado. A vida primeiro começa que nem pedra, depois vira paçoca. Logo, farofeiro.

Agradeço à TV Xuxa por essas reflexões. Sim, sim. Enquanto eu via o programa (não preciso me justificar; quem paga minhas contas sou eu), apareceram uns caras, er, dançando. Mas era um povinho que estava mais para lombriga levando choque no forévis. Era tanta lindeza que me lembrei do trecho de um funk ora em desuso: "surfista zona norte esbanjando anemia". Apesar de tudo, era uma competição de dança. E quem estava lá como jurado? Silvio Essinger. Que escreveu Punk: Anarquia Planetária e a Cena Brasileira. Certa vez, até cheguei a citá-lo como um dos meus escritos de formação humanística. Se bem me lembro, o Silvio parecia gostar do assunto. Anos depois, escreveu um sobre funk. Não li, mas admito que até tenho certa curiosidade. Agora, o cidadão me aparece como jurado de uma tal de "Batalha do Passinho". Daí pensei na trajetória do cara. Primeiro namora com a subversão. Termina como jurado da "Batalha do Passinho", na quadra do Salgueiro ou qualquer porcaria do tipo. Até que de repente o Silvio nunca nem curtiu punk. Certo, mas o problema não é o sujeito ser ou não vendido. Que seja. O negócio é que esse caso tosco é aplicável a outras situações. Veja o casamento. M** se acha muito boa para casar. "Não preciso, tenho nojo." Resolve ser uma pessoa legal. "Vou é curtir, e créu." O problema é a carência de M**. Ela só aumenta. No lugar de concentrar as suas atenções num só cara, ela se dispersa entre muitos, muitos. A curtição se torna uma série de experiências que só servem para levá-la à cama do primeiro drogado que lhe der atenção. Querendo o quê, de fato? M** não sabe mais. Só sabe que se sente triste, amedrontada e vazia, apesar da pose.


Em verdade, vou revelar um dado bem pessoal. Embora não tenha sido o motivo de eu virar essa católica tatibitate que escreve nesse blog, uma das coisas que notei é que a religião me ofereceu uma liberdade que eu nem imaginava. Antes eu pensava: "Religião é prisão." Depois verifiquei que é o contrário. Prisão é você se acorrentar a uma vida atomística. É aqui que está a tal dispersão. Aos poucos, sua alma é decomposta. Você chega até a esquecer quem é você mesmo. Uma das coisas bacanas da religião é ela fornecer um centro. Depois de um tempo, você começa a sentir algo objetivo que nos protege de uma dispersão excessiva. Por sua vez, esse referencial absoluto nos dá uma liberdade enorme de movimento. Existe mesmo uma conquista vital de "espaço". Se antes você vivia se debatendo, agora os seus passos têm sempre alguma direção. Mesmo quando você erra, você tem noção de que tomou alguma direção. Sem o referencial absoluto, tudo não passa de desperdício de energia ou morte camuflada. 

Voltando para a situação exposta na TV Xuxa. Não é possível que uma coisa tão libertadora e linda faça com que você se torne jurado da "Batalha do Passinho". Nem que você termine na cama de um viciado que jura não ter HIV porque no exame está carimbado um "nada consta". Ser impávido assim é qual bosta de cavalo saudável recém expelida, dura por fora e mole por dentro. Se a autonomia individual torna a gente qual bosta de cavalo, é bem melhor ser escravo...

Bela

Uma das músicas mais bonitas do mundo. Nem importa a nossa opinião. É linda. Ponto. Schumann, In der Fremde.

Wednesday, June 01, 2011

Dia mundial sem tabaco

Ontem foi Dia Mundial sem Noção. Desculpe. Foi Dia Mundial sem Tabaco. Mas não arredo o pé. Que loucura é essa? Tem que ser muito desgraçado para promover um dia mundial de sei lá o quê. Quanta pretensão! O pior é ver um monte de gente babando por esse tipo de iniciativa. Mandam desligar as luzes? Lá vai o bom moço desligar! Mandam parar de fumar? Lá vai o mala deixar o cigarro!

Acho que todo mundo que entra aqui no meu blog sabe que fumo. Gasto por volta de R$4 com meu cigarro. Se não fosse o governo e seus impostos bizarros, eu gastaria cerca de R$3. (Dizem que em Portugal a incidência de impostos é de 76,5%. Chega a ser um crime.) Em alguns posts antigos, você pode saber minha opinião sobre o assunto. A coisa toda é simples. É uma intromissão indevida em nossas vidas e as propagandas antifumo são absurdas. Coisa de gente perturbada. Até os estudos parecem molecagem. Para ilustrar o que digo, vou citar o que está na Wikipedia sobre doenças relacionadas ao fumo:

  • várias formas de câncer, particularmente câncer de pulmão , câncer dos rins, da laringe, Cabeça, pescoço, mamas, bexiga, esôfago, pâncreas e estômago. Há evidências de risco aumentado de leucemia, câncer de pele, fígado, colo uterino, intestinos, Vesícula biliar, adrenal, além de correlação com tumores infantis.
  • Doenças cardiovasculares;
  • acidentes vasculares cerebrais;
  • doença vascular periférica;
  • distúrbios respiratórios, como bronquite, doença pulmonar obstrutiva crônica e enfisema;
  • tromboangeite obliterante;
  • Impotência sexual;
  • catarata;
  • redução da memória e dificuldade de aprendizado em tabagistas adolescentes
Uma única e mesma coisa é responsável por problemas de visão, envelhecimento precoce, emburrecimento, leucemia, câncer em tudo quanto é canto... E ainda deixa povo broxa! Tudo de ruim no universo é culpa do cigarro. Uma maldição. Daqui a pouco vão dizer que também causa possessão demoníaca.

    Friday, May 27, 2011

    Falar em línguas

    Vocês podem ver nesse vídeo o cara cantando em línguas em vários momentos.



    Abaixo, também é claro que estão cantando em línguas.



    Villa-Lobos também tinha o dom de línguas:

    Saturday, May 07, 2011

    Julgamento no STF sobre a união estável homoafetiva

    Para quem não viu.

    Monday, May 02, 2011

    A morte do Osama

    Gripada na segunda. Eu estava à parte do mundo. Então venho para Internet. Vejo neguinho (nenhuma alusão sacana ao Obama) dizendo que mataram o Osama. Deram-no pro peixe comer, já que nenhum país cedeu uma só cova para enterrá-lo. Parece história/tragédia grega!

    O cara morava numa mansão próxima a algum centro de oficiais do exército paquistanês.

    Está circulando uma foto do (suposto) Osama trucidado. Até agora ninguém se prestou a revelar mais coisa.

    Milhares de pessoas têm gritado hosanas nos EUA. Governos ao redor do mundo parecem ter gostado também.

    Vamos contar tudinho de outro modo. Um presidente que até hoje não provou sequer onde nasceu, que mandou atacar um país sem autorização do Congresso, diz que matou um terrorista sem dar nenhuma prova convincente à opinião pública. (De repente, ele até já sabia where's Osama há tempos.) Mas, ok. Obama é o messias, certo? Precisamos crer nele. Enquanto isso, governos ao redor do mundo já se convenceram de que é tudo verdade. Arábia Saudita, por exemplo. Se agora o peixe está comendo o Osama, é que ela não quis nada com o cadáver dele. Não vamos nos esquecer que o Osama era daqueles lados. Se ela foi informada, qual o critério de veracidade? Podem ter acreditado só na palavra do presidente, ter tido acesso a provas irrefutáveis ou são loucos (o que tem relação com a primeira hipótese). Usando os ensinamentos do Olavo, há um espectro que vai do mitopoético ao apodítico. Em qual caso está a afirmação do governo? Já o Paquistão é como o Lula na época do Mensalão. Se sabia de algo, se mancomunou com bandidos. Se não sabia, é um lesado irresponsável.

    Não duvido nada que façam uma operação de resgate no oceano só para recuperar o defunto.

    Tudo isso é tão bizarro que com certeza deve ser verdade.

    Adendo: Daqui a pouco vão falar que a Dilma previu a morte do Osama, ficou triste, somatizou e agora está com pneumonia.

    Update: Toda a operação é descrita nessa matéria do Telegraph.
    Up-update: Parece que a decisão de jogar o Osama pro peixe comer foi unilateral. Tudo saiu da cabeça dos americanos.
    Up-up-updade: Muita coisa positiva com a morte do Osama. As ações subiram; o petróleo baixou; os governos estão satisfeitos; o povo americano está feliz; os impotentes têm ereção; as frígidas, orgamos múltiplos. Um sacrifício sempre nos deixa felizes.
    Up-up-up-update: Reinaldo Azevedo: "O curioso é que a política que faz Barack Obama um herói custou muito caro à reputação de Israel, cujos governantes tiveram de fazer uma verdadeira peregrinação mundo afora para expor os seus motivos. Não faz tempo, e vocês se lembram muito bem, a Colômbia enfrentou um verdadeiro pelotão de fuzilamento moral porque matou o terrorista pançudo Raúl Reyes e seus asseclas, acoitados em território equatoriano. Celso Amorim, o Megalonanico, liderou os esforços para condenar o governo colombiano na OEA; Marco Aurélio Garcia esbravejava contra a invasão do Equador, que abrigava a canalha. A Colômbia só não foi condenada porque os EUA impediram."
    Up-up-up-up-update: Telegraph: "Osama bin Laden did not use one of his four wives as a human shield in his dying moments, contrary to earlier reports, as White House officials began to "clarify" early accounts of Monday's commando raids by US special forces." Quer saber? Levando-se em consideração que nego discutiu o paradeiro do Hitler por anos, o assunto "bin Laden" vai tomar o mesmo rumo. Talvez daqui a 30 anos a gente saiba o que ocorreu mesmo
    Up-up-up-up-up-update(9h23): Alan Garcia, presidente do Peru: "Seu primeiro milagre [do Beato Papa João Paulo II] foi ter levado a encarnação do mal, a encarnação demoníaca do crime e do ódio", falando da morte do Osama. "Encarnação demoníaca do crime e do ódio". Nunca essas extrapolações teológicas vão além da retórica.

    Sunday, May 01, 2011

    Sakura




    Friday, April 29, 2011

    “Por que foi necessária a morte de Cristo?”

    É uma pergunta que o Pe. Paulo Ricardo tratou no ótimo site dele.

    Sunday, April 24, 2011

    Et resurrexit



    Ok, calma. Ainda estamos na Ressurreição. A Ascensão está para vir. Mas quer saber? Não perca tempo. Creia. Creia logo.

    Bem, bem. Vamos ouvir também o Giovanni Vianini entoando belos cânticos como um anjo.





    Saturday, April 23, 2011

    Sunday, April 17, 2011

    Vitalidade

    Nietzsche uma vez disse que a música do Brahms era "a melancolia da impotência". É o que acho da MPB, Bossa Nova e tal. Tirando lá algumas exceções, é tudo aguado. A própria expressão vocal parece coisa de quem sofre de anemia crônica da alma. Quase uma introspecção covarde diante da vida! Penso mesmo que é uma música que chega a fazer mal. Por isso, delenda MPB.

    Compare Garota de Ipanema com Empio dirò tu sei. Me diz se a J. Larmore não é bem mais macha que o J. Gilberto e o C. Veloso juntos. (Um castrado devia ser mais viril.)






    Compare também o arranjo da popular Cidade Maravilhosa com a popular música ucraniana executada pelo Coro do Mosteiro de Sretensky.





    O coro russo já se apresentou uma vez no Rio, lá na Antiga Sé. Tive a oportunidade de ouvi-lo. Inesquecível! Era muito impressionante como a voz dos solistas dominava toda a Antiga Sé! O coro saiu ovacionado. A última música cantada foi essa:

    Friday, April 01, 2011

    Wednesday, March 30, 2011

    Para constar

    Me mostraram uma crítica a um post do Pedro. O negócio é que o crítico entendeu muito menos do que devia; falou muito mais do que poderia. Entendeu muito menos, por tomar a descrição de um problema como afirmações contrárias às convicções ideológicas dele. O leite já entornou, amigo. (Sacudir princípios ideológicos diante de fatos não é privilégio de esquerdistas. Taí um liberal que não me deixa mentir.) Falou muito mais, por vir com choradeira do bem-que-minha-mãe-avisou. Expediente muito brasileiro. O cara justifica a bronca porque sofreu uma traição, a qual já tinha sido predita por amigo/namorada/sacerdote/cosmos. A admiração superficial sempre leva a uma decepção afetada. Deus nos livre desses admiradores.

    Ah sim. A crítica se chama Pior defesa do blog da Bethânia feita por um liberal. Concordo! O Pedro não escreveu nadica de nada que dê a entender qualquer defesa. Então é lógico que só pode ter sido bem tosca a intenção de ajudar a Bethânia. (Cá entre nós, o título já é o abre-alas do besteirol.)

    Monday, March 14, 2011

    Leite condensado

     Você não precisa ser a Hebe pra achar isso uma gracinha, um amor, fofolete.

    Leite condensado. Delícia melosa, fonte perpétua de improvisações, acompanhamento que sempre combina, santa invenção, tropeço viciante. É como todo amor. Nham nham nham.

    Sunday, March 13, 2011

    Vingança de Deus

    Existem pecados que clamam a Deus por vingança. Quais? Diz o Catecismo: "Bradam ao céu: o sangue de Abel, o pecado dos sodomitas; o clamor do povo oprimido no Egito; a queixa do estrangeiro, da viúva e do órfão; a injustiça contra o assalariado." Já o Catecismo de São Pio X diz assim:

    963) Quais são os pecados que bradam ao Céu e pedem vingança a Deus?

    Os pecados que bradam ao Céu e pedem vingança a Deus são quatro:

    1º homicídio voluntário;
    2º pecado impuro contra a natureza;
    3º opressão dos pobres, principalmente órfãos e viúvas;
    4º não pagar o salário a quem trabalha.

    964) Por que se diz que estes pecados pedem vingança a Deus?

    Diz-se que estes pecados pedem vingança a Deus, porque o diz o Espírito Santo, e porque a sua malícia é tão grave e manifesta, que provoca o mesmo Deus a puni-los com os mais severos castigos.

    Quero tratar da opressão dos pobres e de não pagar o salário a quem trabalha.

    Opressão dos pobres. Como se sabe, os judeus prosperavam no Egito. Então os egípcios resolvaram oprimi-los com manhas: "Impunham-lhes a mais dura servidão". Botaram os judeus para trabalhar feito uns condenados. Sem contar a ordem do Faraó para que as parteiras egípcias matassem os meninos. Os judeus clamaram. Clamaram, e foram atendidos:


    7.O Senhor disse: “Eu vi, eu vi a aflição de meu povo que está no Egito, e ouvi os seus clamores por causa de seus opressores. Sim, eu conheço seus sofrimentos.
    8.E desci para livrá-lo da mão dos egípcios e para fazê-lo subir do Egito para uma terra fértil e espaçosa, uma terra que mana leite e mel, lá onde habitam os cananeus, os hiteus, os amorreus, os ferezeus, os heveus e os jebuseus.
    9.Agora, eis que os clamores dos israelitas chegaram até mim, e vi a opressão que lhes fazem os egípcios.
     

    Quando Deus resolveu agir, botou para quebrar: With a strong hand and an outstretched arm. Deuteronômio em inglês, legal até de pronunciar (mais ainda com sotaque britânico).

    Há outras formas de oprimir os pobres.

    Veja isso: "O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quarta-feira (18) que uma carga tributária elevada é necessária para o desenvolvimento social de um país." A população não acha isso: "A carga tributária é considerada elevada para 97,1% da população das seis principais regiões metropolitanas do país, quando comparada com a qualidade dos serviços prestados pelo governo no Brasil."

    Você acha que é preciso obrigar todo o trabalhador brasileiro a três meses de corvéia estatal? Desculpe, mas você é muito hijo de puta. Nem o Faraó oprimia os egípcios com tanta manha.

    Essa opressão está ligada ao problema do pagamento do salário. Um salário justo é impossível. Lógico. São tantos encargos a serem cobrados que é um sufoco pagar direito. Até quem recebe mais ou menos bem é vampirizado pelo Estado.

    Por essas e outras, acho que seria necessário meio que uma teologia da libertação às avessas. Isso impediria o Estado-Trombadinha de roubar as nossas bolsas. Só a vingança de Deus expulsa o burocrata fanático do Estado.

    Quia respexit

    A menina se chama Natália Lischt. Com uma voz dessas e cantando assim, podia se chamar Licht.



    Vejo tantos cocozões do Brasil que ao me deparar com algo desse tipo me parece até do estrangeiro.

    Sunday, February 27, 2011

    Como reagir num assalto

    Wednesday, February 16, 2011

    Marchinha

    Da série coisas-que-não-mudam-no-Brasil.



    E nem precisaram ter lido liberais austríacos, O. de Carvalho nem nada, hein?

    Tuesday, February 15, 2011

    Relax

    É muito engraçado quando neguinho diz: "Música clássica é bom para relaxar." Relaxar é o cacete! Querer atingir a ataraxia ou apatéia ouvindo Mozart (o exemplo mais corriqueiro) é contraditório. Você precisa de toda a atenção do ouvido para compreendê-lo. Atenção é esforço. Exige concentração. Se for ouvir Mozart para relaxar, a única coisa que você vai atingir não é a apatéia. É a patetice.

    Eu não ficaria surpresa se descobrissem que metade dos que relaxam ouvindo música clássica tiram um cochilo porque não suportam ouvi-la. Devem quase passar mal.

    Acho que foi o Yuri Vieira que disse que o Bruno Tolentino relaxava vendo filmes de porrada. Claro. Não exigem lá muito esforço nosso. Da minha parte, relaxo ouvindo Metallica. (E se eu disser que mais, a descida não vai ter fim.)



    Ok, não é Metallica. O pessoal daí de cima é o Diamond Head. A música é Am I evil, cuja fama é em (boa) parte graças às execuções do Metallica. Mas diz aí se pela foto você acha que esse povo é evil...

    Contra teologia da libertação

    Deus não rejeita os poderosos, visto que também Ele é poderoso (Jó, 36,5). Sacou?

    Sunday, February 13, 2011

    Copiando nazis

    A. Beevor, Berlim 1945: A queda, p.212:

    Bormann (...) emitia ordens, através dos Gauleiters, sobre uma grande faixa de problemas. Chegara ao seu conhecimento, por exemplo, que os médicos já estavam realizando abortos em muitas vítimas de estupro que chegavam como refugiadas das províncias orientais. Em 28 de março, decidiu que a situação tinha de ser regularizada e emitiu uma instrução classificada como "Altamente confidencial!". Toda mulher que requisitasse um aborto nessas circunstâncias tinha, primeiro, de ser interrogada por um oficial da Kriminalpolizei para determinar a probabilidade de ter sido mesmo estuprada por um soldado do Exército Vermelho, como alegado. Só depois o aborto seria permitido.

    O Brasil parece até a Alemanha Nazista...

    Friday, February 04, 2011

    Apagão

    Apertem os cintos: o Nordeste sumiu.

    Aquela região votou em peso no PT. Em retribuição, sofreu dois apagões em um ano.

    Se você acha que isso é suficiente para despertar o clamor popular, vou dizer uma coisa. Quando A. Speer visitou fábricas do valo do Ruhr em 1945, ele ficou escandalizado com a fé dos operários em Hitler. A guerra estava perdida. A região estava sendo constantemente bombardeada. Mesmo assim, os caras tinham fé nos discursos do homem! Se disserem que a culpa do apagão é dos fumantes, vai ter neguinho entrando na fila para ser o primeiro a atirar pedra neles (em nós). Se bem que sabemos que a culpa é dos machos heterossexuais brancos ocidentais burgueses religiosos fumantes pedófilos. Tudo eleitor do FHC, lacaio do FMI.

    E por falar em caça aos fumantes: Lei antifumo em Nova York é estendida para praias e parques. Lá não tem apagão como aqui, mas com certeza as nevascas são causadas pelas bingas.

    Saturday, January 29, 2011

    Cria do Nijinsky

    Até que ponto isso é culpa do Nijinsky?

    Thursday, January 27, 2011

    Komoriuta




    Do CD Lullaby For The Moon : Japanese Music For Koto And Shakuhachi.

    Thursday, January 13, 2011

    Tipicidades comunistas

    Esse retrato mostra Paulus e oficiais soviéticos discutindo a rendição do 6º Exército no fim da Batalha de Stalingrado.



    Agora, uma nota de A. Beevor no livro Stalingrado(p.441).

    A fotografia de Karmen foi manipulada em Moscou. O general Telegin foi retirado da foto porque Stalin não o considerava suficientemente importante para uma ocasião tão histórica. (Até a promoção de Diatlenko a major foi acelerada para a publicação da fotografia.) Esse incidente acabou se tornando uma daquelas grotescas farsas da era stalinista. Quando a fotografia apareceu estampada na primeira página do Pravda sem o seu rosto, Telegin ficou apavorado com a idéia de que alguém o houvesse denunciado por algum comentário casual. Contudo, nada aconteceu; portanto, ele achou que estava a salvo, mas depois, em 1948, foi preso de repente por ordens de Abakumov (chefe da SMERSH), sem nenhum motivo aparente.

    Wednesday, January 12, 2011

    Boa vontade

    Só não queria deixar de fazer uma observação, por favoire. É que um dia eu estava numa lanchonete. Não, isso não é a observação. Calma. Enfim. Estava na lanchonete. No meio da parede tinha uma TV. Tinha uma TV no meio da parede etc. Passava uma novela. Um ator bonitinho dando uns amassos na mulher. (Nota. Nos dias atuais, é bom esclarecer sempre. Não seria de se estranhar se ele desse uns amassos num cara, bicho, mineral...) De repente, uma visão. Ao lado da cama, um velho batutinha. Voyeur d'além, tecendo comentários não-sexuais sobre a vida. Ou qualquer outra coisa, sei lá. O cara olhando feito bocó para a assombração, a mulher debaixo dele gemendo. Comovente de se observar aquela self-made girl. Mas o negócio gorou. O cara até tentou se esforçar, apesar do voyeur d'além. Esforço, esforço, esforço. Não deu. Logo, a coitada da mulher também desanimou.

    Não sei quanto a você, mas tenho dúvidas sobre o efeito dramático de uma cena dessas. Botar um casal no maior güenta (como diria minha avó) e de repente aparecer o broxante espírito do Senhor Reco-Reco é cômico. A julgar a atmosfera da cena, o efeito almejado era outro. Mas era evidente a falta de bom-senso. "Que tal aparecer o Senhor Reco-Reco bem na hora do güenta, sr. Pepper?" "Great idea, Fox!" Neguinho abusa da nossa boa vontade. Se tivessem lido a crítica do Lessing à aparição do fantasma na Semíramis do Voltaire, talvez não tivessem feito aquilo. Agora, precisava ter lido Lessing para saber o quão ridícula seria aquela cena?

    Sunday, January 09, 2011

    Inspiração (falta)

    Eu queria escrever algo. Bem que eu queria. Juro. Inspiração, cade tu? Tanta gente invocou as Musas... Agora elas nem querem saber de mais nada não. O que me faz lembrar de uma das Elegias de Duíno. Antes, os anjos visitavam Tobias. Tudo tranqüilo. Agora, a mera presença de um deles nos aniquilaria.

    Quem, se eu gritasse, entre as legiões dos Anjos
    me ouviria? E mesmo que um deles me tomasse
    inesperadamente em seu coração, aniquilar-me-ia
    sua existência demasiado forte. Pois que é o Belo
    senão o grau do Terrível que ainda suportamos
    e que admiramos porque, impassível, desdenha
    destruir-nos? Todo Anjo é terrível.

    (Tradução: Dora Ferreira da Silva)

    Ou como diz uma tia minha, sobre os tempos de Cristo: "Naquele tempo, tinha tanta confusão... era tanta gente pra lá e pra cá. Acontecia tanta coisa... Hoje em dia, não tem mais nada." Quero dizer, ela se refere a milagres. Entende? Claro que entende.

    Nesse calor, penso em praia. É madrugada, mas meu coração bóia feito caquinha nas águas do Oceano. (Sabe, me dá um orgulho mongol viver às margens do oceano. Dizer que gosto do Rio por causa do mar seria presepada. Mas ele está ali (ou lá, não sei como dizer), como lembrança de que nem tudo se passa. Fora que tomar banho de rio é legal, mas um tanto jeca.)  Hoje mais cedo, até que dei uma passeadinha no Aterro. Embora eu não quisesse falar com ninguém, parece que mau humor, livro e cigarro atraem carniceiros. Às vezes, andar no Rio é pior do que (dizem) andar sozinha em Marrocos. À propos (ai, que chique, ui), determinadas cantadas parecem mais "abuso das convenções, dos artifícios e das nigromâncias mais esdrúxulas" (by João Ribeiro). Enfim. Corei, mas pelos efeitos do claro Hiperiónio (com agudo, sim, viva a tradição literária etc.). O resto mal dá para a vaidade.

    Era esquisito ler Stalingrado na praia. Não sei se é o tipo de livro que se deve ler como Maquiavel, que lia os clássicos de pijama à luz de candeia. Sei lá como deveríamos ler. O que sei é que o contraste entre a minha situação na praia e o amontoado sofisticado de miséria que foi aquela batalha era estranho. Olha, ler que neguinho morria com freqüência afogado em latrina por cair exausto de fome e doença é brabo. Ou que em 1944 ainda se enterravam mortos na cidade. Ver essa foto de um soldado alemão capturado por um russo já diz muito. (Também passei a virada do ano correndo os olhos em Stalingrado. Pipocavam os fogos e eu lendo sobre a Operação Urano e coisa e tal.)

    O que viria a ser "leitura de praia"? Nietzsche? P. Coelho? D. Brown, segundo uma americana conhecida de uma amiga minha? Nos idos de 2000, li O príncipe de biquíni. Na praia, claro. (Vocês modelos lêem o pequeno. Sou mais adulta.) Daquela leitura, ficou a impressão que eu tinha que maneirar na exposição ao sol. Por sinal, foi um tempo em que instintos bárbaros corriam em meu sangue. Não só lia como destruir inimigos políticos, como perambulava feito nômade. Quero dizer, perambulava não. Bicicletava. Uma das minhas leituras de praia favoritas era O complexo de Portnoy. Enchi de sal também Fahrenheit 451. Li também História Antiga e Medieval, um didático do J.J. de A. Arruda (oh, até onde ia (ou vai) minha perversidade?). Alguns anos depois, foi a vez dos Atos dos Apóstolos (tradução do J. F. de Almeida). Então eu acho que não existe bem isso de "leitura de praia". Tem é gente que curte ler, e ponto. Como não existe "leitura de viagem", "leitura de fila de banco" e tal.

    Não comemorei a virada do ano, como eu disse. Isso me parece mais deslumbramento neolítico de quem acabou de descobrir a agricultura (quem leu História das crenças e idéias religiosas do M. Eliade deve saber do que estou falando). Se bem que tomei uma sidra maledicta em honra ao boitatá; concessão maligna. O máximo de alegria de ano-novo que posso ter é ouvir a cantata Jesu, nun sei gepreiset. Você pode até ler uma tradução.



    Agora está tarde pra cacete. Preciso dormir. Meu espírito está kaputt. Sem contar o calor. Ainda vendem Dragão Chinês? Ah, estou kaputt, kaputt.