Wednesday, January 13, 2010

Notícia (II)

Por falar em pensamento mágico:

"O estudo permitiu simular com sucesso a rápida perda de calor nesse período de fez dias, o que ajudará no desenvolvimento de modelos climáticos utilizados para prever a evolução futura do clima da Antártida", explicou o investigador da BAS e autor do estudo, John Turner. (negritos meus)

Atenção aos termos. "Simular". "Desenvolvimento de modelos". "Prever a evolução futura".

Veja só que coisa mais espantosa. O investigador utiliza aproximações (matemáticas) para criar modelos a fim deduzir o que ocorrerá na realidade. A partir de um esquema abstrato, o cara quer demonstrar (todo pimpão) o que haverá na realidade de modo necessário. Se você até agora não entendeu o que isso quer dizer, não tem problema. Explico. É macumba de alto orçamento.

O que pode ser mais legal? Alguém querer prever uma necessidade natural a partir de um método aproximativo e abstrato ou isso ser considerado científico? As duas opções podem ser escolhidas.

Pô, isso é como aprender artes marciais e anatomia jogando Mortal Kombat 2.

7 comments:

Mr. Almost said...

Mas Tanja,

A teoria científica, a investigação científica e o método científico funcionam assim... Não é?

Luiz Renato said...

Mr. Almost,

resentment was th... ops, ressentimento foi a causa do primeiro homicídio da humanidade (Caim e Abel, lembra). Por quê não seria de (todos os) outros ????

Igor said...

Tanja,

Não é tão assim que as coisas andam. O clima é um sistema muito complexo - quero dizer, há muitas variáveis cujo histórico podemos conhecer, e que podem se combinar, no futuro, de forma inteiramente caótica. Mas modelos climáticos estão em uso há mais de 30 anos, com razoável sucesso, e servem a inúmeros propósitos.

Neste caso específico, não se tentou nenhuma previsão: O que se fez foi simular as condições que levaram a um estado excepcional, através das séries de dados disponíveis - que em 1982 eram ainda mais escassas que hoje.

Resumindo: Temos dados concretos que podem se encaixar de n maneiras para gerar um resultado R. O que um modelo faz é calcular todas as maneiras e apontar a mais provável. Esta "informação" é que pode ser útil para prever o comportamento futuro do clima, que é um sistema caótico, mas não é livre; sendo inteiramente condicionado por seus fatores, pode ser simulado com tanto maior precisão quanto maior disponibilidade de séries de dados e de casos excepcionais, como esse da mínima em 1982.

É claro que você não é obrigada a saber disso - ninguém é - mas é claro que não se trata de macumba, muito menos de alto orçamento. Estações Meteorológicas e modelos de dispersão têm baixo custo - alguns modelos são simplesmente softwares desenvolvidos gratuitamente. E pesquisadores nem sempre têm salários maravilhosos, o que não os impede, muitas vezes, de produzir trabalhos de alta relevância.

Abraço,

Igor

Mr. Almost said...

Luiz Renato,

Deus havia desprezado o presente de Caim e preferido o de Abel: não é coisa muito católica que se faça, convenhamos - é despeito, é desprezo, é insensibilidade, é falta de tacto.

Caim tinha razões de sobra para estar ressentido com Deus, mas não com Abel. Em relação a este Caim sentiria ciúme ou inveja e foi com certeza um desses sentimentos a causa do primeiro homicídio da humanidade.

A motivação do homicida é demasiado vária e prótea para ser reduzida ao ressentimento e para ser sintetizada numa fórmula científica que faça a felicidade da investigação da psiquiatria forense. Mata-se por prazer e mata-se por necessidade, mata-se por ódio e mata-se por amor, mata-se... ops, because there are some victims and some killers around.

Mr. Almost said...

Ah!... Imagine você que a Tanja, mesmo com aquela carinha linda que ela tem, adora eliminar virtualmente todos os adversários do game "Mortal Combat 2"!

Não penso que ela esteja ressentida com os sujeitos do game: mata-os porque gosta de vencer o game, porque há um desafio. Quem diria, quem diria... Rsss...

Tanja said...

Mr. Almost, como certas pessoas dizem brincando, "funcioneiam". :-) Na minha resposta ao Igor, você vai entender melhor o que quero dizer.

Igor, é como o Einstein disse uma vez sobre a física. Qual necessidade lógica leva aos princípios da teoria? Você escolhe as teorias que acha mais bacana, inspirado pela realidade. Mas ela não determina por si a própria teoria! O que acontece é mais uma certa adequação que não é necessária. Isso é um dos motivos de não existir *a* teoria que explica tudo per omnia saecula saeculorum. :-) Por sinal, o fundamento da revolução científica levada a cabo pelo Galileu (mas não só por ele) foi o experimentalismo. O que é isso? É você provocar a natureza para ela dizer o que você deseja saber. Agora, o objeto de análise não é um dado da natureza. O outro ponto é a abstração matemática. Isso é uma redução da realidade para entendê-la de forma esquemática. O que significa tudo isso? Que a realidade da física está subordinada mais ao cientista do que à própria natureza!

Uma simulação vai obter sempre um resultado... simulado. Um modelo matemático terá sempre resultados matemáticos, por natureza. Podem até ser bem sofisticados. Mas daí a dizer que a natureza vai ser assim ou assado é uma extrapolação indevida, e isso pela própria natureza do método. É por isso que eu disse que não dá para afirmar que a natureza será assim ou assado. Na melhor das hipóteses, isso é um conhecimento apenas simbólico. (Como nunca poderia deixar de ser. É a pretensão de conseguir um retrato da natureza que acho bizarro.)

(E olha que nem estou perturbando para saber o que nego entende por "dado". Até isso é um problema! Minha birra toda é que tenho uma idéia implícita de ciência que é diferente dessa apontada no texto. Agora, pelo menos por enquanto só quero apontar o que acho mais esquisito na notícia.)

Ah sim. Foram os caras que disseram que o estudo ajudará a prever o comportamento da natureza: "O estudo (...) ajudará no desenvolvimento de modelos climáticos utilizados para prever a evolução futura do clima da Antártida". Quanto à "macumba de alto orçamento"... Compara o valor da pinga mais um pai-de-santo com o de um computador decente mais um cientista assalariado. :-D

Batman é Proust said...

Você tem toda a razão. A única certeza que eu tive na Física foi a de que aquilo é, antes de tudo, um fenômeno sociológico, de variáveis bem humanas, e que - ao contrário do que se espera da ciência, que na definição ideal seria aquela coisa "Vulcana" - está sujeita a todo tipo de birra, engodo, artimanha, vício, preconceito e estupidez que possa existir. É macumba sim, essas simulações, em teoria e prática, e vc tem toda a razão de apontar o dedo pra isso. Mas acho que o Thomas Kuhn é mais o nome a se falar em vez do Einstein.