Thursday, February 05, 2009

Arnaldo Jabor

O A. Jabor falou umas coisas bizarras ontem no Jornal da Globo. Ele foi comentar o bafafá em torno do caso Dom Williamson. Os arjumentos foram mais ou menos assim:

1) O Papa atual é "para dentro"; o anterior era "para fora". João Paulo II se aproximava do mundo. Bento XVI quer que o mundo se aproxime da Igreja;

2) É por isso que o Papa se embanana todo com freqüência. Primeiro arruma confusão com os muçulmanos. Depois batiza um ex-muçulmano que o botou numa saia justa por um motivo aí que nem lembro;

3) O Papa quer reunir secos e molhados. João Paulo II havia chutado o pessoal radical. Agora, Bento XVI vai ter que se ver com essa gente reacionária;

4) É desculpa esfarrapada essa história de que o Papa não sabia das opiniões do Dom Williamson. Como não? O chefe da Igreja não sabe do que acontece no quintal dele? "Ué, mas o Papa não é infalível?" (Aí o A. Jabor dá um sorrisinho. Depois um apresentador com olheiras também dá um sorrisinho.)

O problema do A. Jabor é a clássica confusão (brasileira, 1980 circa) entre fatos e opiniões. Presta atenção no que o homem sempre diz. Nunca dá para saber direito se ele diz o que deseja ou se faz uma descrição objetiva das coisas. O que ele diz desse bafafá é um exemplo lindo. Tudo o que ele descreve cai logo nesse problema da confusão. Isso quer dizer que ele não está descrevendo coisíssima nenhuma! O que ele faz é pegar a idéia de que o Papa é "fechado", "reacionário", "anti-modernidade", blábláblá, para montar um, er, "raciocínio". O verniz do raciocínio são os acontecimentos. É claro que com pressupostos bizarros ("fechado", "reacionário" e "anti-moderno" é só um jeito bacaninha de dizer: "SEU FEIO! BU!") a interpretação será tosca. Os fatos se tornam uma desculpa para o A. Jabor exercer a vontade dele. O que ele diz nunca é como as coisas são. O que ele sempre diz é como ele gostaria que elas fossem.

Nem é questão de burrice. Viver no mundo da imaginação não tem a ver com isso (pelo menos não muito). O lance é que A. Jabor é mesmo doido. Olha que o homem é comentarista político!

3 comments:

Liz said...

O problema é que não existe no Brasil um comentarista sequer que entenda algo, pelo menos um pouquinho, de religião.
Toda vez que abrem a boca falam besteira. Alguém deveria se especializar no assunto ou que se calem todos.

Mateus said...

Vcs Assistem o Jornal da globo?!!hehehehehe. Ah,lembrei agora!
O mais legal foi o Jabor comentando o oscar, lembram? hehehe
E o José wilker comentando no ano seguinte, tbm foi engraçado.
qual a sua opinião sobre a serventia do edwald rubens filho?
uma cara q se resume a dizer que não consegue simpatizar com o ator(Chirstian Bale),ao invés de avaliar somente o trabalho do mesmo, no filme 'o sobrevivente'
por exemplo. Ah, e tem o paulo coelho tbm, hahahaha. Por favor, comente sobre.

Mateus said...

Lembrei tbm de um programa do jô no qual o jabor era o convidado. Os dois ficavam se alfinetando o tempo todo, um querendo ser mais 'cool' q o outro.
São dois #*%$@ mas num país como o brasil, com a globo dominando, quem mais conseguiria desbancar essa gente que fica atravancando os programas. Tudo figurinha carimbada. Sempre os mesmos.

Beijos e Abraços,
Matt