Tuesday, April 29, 2008

Serpico universitário

Sinopse do filme Serpico, via canal Max Prime:

Em Nova York, um jovem e idealista policial enfrenta ao mesmo tempo a resistência de seus superiores em aceitar seus eficientes, porém pouco ortodoxos, métodos de combate ao crime e seu inconformismo diante da corrupção generalizada entre seus colegas.


Retoque aqui e ali e será a história do universitário idealista de direita que quer melhorar a educação do Brasil.


Idealista de direita infiltrado numa faculdade de humanas.

Monday, April 21, 2008

Holiday in Camboja

(Feriado, como te quis!)

Antes de ir passear (e talvez, talvez viajar):

1. Às vezes dizem que a virtude é um dever. Não, não. Se a virtude for um saco, ninguém vai querer ser virtuoso. (Sorry, mas dever sempre tem uma dose de malquerença.) Outra coisa. Eu sei que dá para impor um dever. Mas nunca, nunquinha ouvi falar de alguém que impôs uma virtude. Podia dar certo se dissessem: "Agora você vai ser virtuoso, porra! Senão vai pedir para sair!" Não é assim que o bonde anda.

Gente, vamos esquecer essa história de que virtude é um sofrimento bacaninha. Só é sofrimento para quem não é virtuoso. Por essas e outras eu não gosto da expressão "dever de mãe". Se ser mãe fosse um dever, a gente estaria fo-di-da (e os filhos também).

2. Detesto, me dói o dente, é ouvir Chico Buarque cantando, dá-me náuseas (by Pedro) qualquer código moral ou regra de conduta. Pelo menos se for uma coisa entendida a ferro e fogo.

Não acredito nessas coisas porque:

a) as pessoas não são ideais andando de lá para cá. O modo de agir de cada um é muito particular e circunstanciado. Não dá para aplicar a ferro e fogo esse tipo de coisa. É necessário aceitar todo tipo de variação segundo cada pessoa;

b) um código moral ou regra de conduta é quase uma estatização da vida;

c) a sociedade vira ídolo;

d) neguinho acaba achando que regra de conduta ou código moral são o ó do forrobodó, quando na verdade são um problema de mera conveniência pública;

e) tudo isso, absorvido em nossa vida mais pessoal, interna e profunda, é uma falsificação intolerável de nós mesmos;

f) and last but not least, é coisa de capial deslumbrado.

3. Vira e mexe alguém me diz que ter muitos feriados é coisa de país magrinho e cabeçudo (termo mais pedante: subdesenvolvido) Ok. Lindo mesmo era o Faraó, que não dava feriadinho nenhum para os judeus. Já a Idade Média era uma farra. Sabe como é, aquela mania intolerável de festejar dias de santos, perder tempo indo à igreja e tal. (Sem contar a mania irresponsável de não exigir identidade, CPF, comprovante de residência, carteira de motorista, xérox autenticada, carteira de estudante, comprovante do IR...) Era um tempo bem vagabundo, não? Mas lindo mesmo é o Faraó redivivus. Saiu do sarcófago para de novo nos oprimir com manhas. Todos viramos judeus agora e Faraó é nosso Estado.

O Brasil é o país do samba do crioulo doido. Resolveu aprontar uma bizarria. Como de costume. Juntou uma porrada de feriados com a necessidade de a gente trabalhar feito um condenado para saciar o Estado-Faraó. Brasil, o país do futuro, viva!

Sunday, April 20, 2008

An interview with cultural critic Roger Kimball

(Bom dia, senhores passageiros! Desculpa aí eu atrapalhar a viagem dos senhores. Eu podia estar roubando. Eu podia estar jogando. Mas tô aqui trabalhando para ajudar meus 30 irmãozinhos. Tô repassando aí aos senhores passageiros uma entrevista do Roger Kimball. É de graça. Podem pegar. A qualidade é boa. Peguei aqui. Espero que gostem. Uma boa viagem a todos. Fiquem com Deus.)

The Life of the Mind | An interview with cultural critic Roger Kimball | Carl E. Olson


Roger Kimball is Managing Editor of The New Criterion, a monthly review of the arts and intellectual life, and an art critic for the London Spectator. In September he will take on the added duties of co-editor and publisher of The New Criterion.

Kimball's latest books are The Rape of the Masters: How Political Correctness Sabotages Art (Encounter, 2004), Lives of the Mind: The Use and Abuse of Intelligence from Hegel to Wodehouse (Ivan R. Dee, 2002), and Art's Prospect: The Challenge of Tradition in an Age of Celebrity (Ivan R. Dee, 2003).
Other books by Kimball include The Long March: How the Cultural Revolution of the 1960s Changed America (Encounter 2000) and Experiments Against Reality: The Fate of Culture in the Postmodern Age (Ivan R. Dee, 2000). Kimball is also the author of Tenured Radicals: How Politics Has Corrupted Our Higher Education (HarperCollins). A new edition of Tenured Radicals, revised and expanded, was published by Ivan R. Dee, in 1998.

He is a frequent contributor to many publications here and in England, including The New Criterion, The Times Literary Supplement, Modern Painters, Literary Review, The Wall Street Journal, The Public Interest, Commentary, The Spectator, The New York Times Book Review, The Sunday Telegraph, The American Spectator, The Weekly Standard, National Review, and The National Interest.

Carl E. Olson, editor of IgnatiusInsight.com, recently interviewed Kimball and spoke with him about the current state of culture, the place of the arts, the dangers of deconstructionism and other academic fads, and the necessity of religion for the survival of culture.


IgnatiusInsight.com: Your books have addressed topics including art criticism (Art's Prospect), criticism of art criticism (Rape of the Masters), higher education (Tenured Radicals), cultural revolution/cultural history (The Long March), postmodernism (Experiments Against Reality), and intellectual history (Lives of the Mind). Your work reflects the expertise and knowledge of a specialist, but would it be correct to describe it as multidisciplinary or interdisciplinary in character? Has this interdisciplinary approach been part of a conscious project on your part, or does it simply reflect the vital interconnectedness of disciplines (art criticism, literary criticism, philosophy, sociology, education, etc.) that is increasingly rare in an age of hyper-specialization?


Roger Kimball: That is an interesting question, or rather set of questions. You are right that ours is an age in which academic life is often described as increasingly specialized. And yet I suspect that only certain disciplines are accurately so described. The natural sciences, certainly, have become more and more specialized. As our knowledge of the natural world has exploded, so too it has become increasingly finely focussed, with the result that scientists tend, in their professional lives as scientists, to know more and more about increasingly narrow slices of a subject.

In the humanities, by contrast, what we see is a sort of parody of this process. You hear talk of increasing specialization in literature, history, or philosophy. But what this turns out to mean in most cases is increasing irrelevance and fatuousness. This is partly because the humanities, in a vain effort to ape the sciences, pretend to a knowledge which does not pertain to humanistic inquiry. The sciences tell us what the world is like. The humanities educate the emotions and, in a sense, tell us what we, homo sapiens, are like. You certainly do find people who know and immense amount about the first book of The Fairie Queen (say) but who otherwise seem deaf to the life of literature, art, philosophy, and history. You also find self-consciously "inter-disciplinary" projects that turn out to be not aspects of the humanities but aspects of the nihilistic anti-humanism that has insinuated itself so disastrously into cultural life today.

Take a look at the "humanities institutes" that have sprouted at so many colleges and universities today. They're typically two parts Derrida, Foucault, and deconstruction, five parts queer studies, and eight parts feminism, post-colonial studies, and general purpose political posturing. They are, in short, utterly inimical to the humanities as traditionally conceived. Such anti-intellectual intellectualism is described as "specialized" by those outside the academy mostly because they find its language unintelligible. Being of charitable disposition, they conclude that what they do not understand must be too deep for common intelligence. In fact, much of what passes for humanistic research and scholarship today is not only not deep, it is not even superficial: it is merely politically motivated verbal static, a ghastly sort of impersonation of intellectual activity.

As for my own work, there is nothing especially ambitious about it. Like many people interested in cultural life, I have devoted a fair amount of time to reading philosophy and literature, looking at art, pondering the fate of universities and other institutions charged with nurturing cultural life. It is natural, I believe, that such interests would result in work that embraces this plurality of subjects.

IgnatiusInsight.com: In the 1980s you were a graduate student at Yale working on a dissertation. But you didn't finish the dissertation, stating in an interview that once you started writing for magazines such as The New Criterion you found yourself "drifting further and further away from the culture of academia." How did that drift take place and how has it been reflected in your books and essays? Put another way, how did you become a cultural critic?

Kimball: Well, when the time came to leave New Haven I had to decide whether I want to take an academic position in some (as it seemed to me) far-flung and desolate outpost or whether I might be better off pursuing my intellectual interests as a freelance writer. I decided to chance the latter. Already it had become clear to me that the nature of my interests in the humanities made me an odd figure in the academy. I found that writing for The New Criterion, The American Scholar (which was then edited by Joseph Epstein), Commentary, and other such publications was refreshing and every bit as intellectually challenging as more strictly academic writing. I fully intended to finish that dissertation, by the way, and I still regret not doing so–one should, I believe, complete what one begins. As for how I became a cultural critic, the answer is simple: I started writing cultural criticism! In many ways, it was an accident–I kept writing about what interested me, and what interested me happened to fall under the rubric of cultural criticism.

It was not purely an accident, though. For I did receive some crucial guidance early on from Hilton Kramer, the founding editor of The New Criterion. He saw, in a way that I didn't, what I was up to, and he did a great deal to nudge my writing in the direction that it eventually took. Hilton is an editor in the old sense. That is, he is not simply someone who fiddles with one's prose to make it clearer and more polished: he is really a teacher and forger of talent operating under a different license. He has helped many, many people find their own voice and intellectual direction. I am lucky to be among that number.

IgnatiusInsight.com: You are the managing editor of The New Critierion, which takes its name from The Criterion, edited by T.S. Eliot. For those readers who have never read The New Criterion, how would you describe its contents and focus?

Kimball: Of course it pains me to think that there might be some of your readers who are unacquainted with The New Criterion. Can it really be? Well, the world is full of deprivations. Fortunately, this is one deficiency that is easily remedied. Any such unfortunate souls should start by going to www.newcriterion.com and then, after having seen what they have been missing, clicking on button that says subscribe!

But back to Eliot, The Criterion, and The New Criterion. Eliot once defined the task of criticism as "the elucidation of works of art and the correction of taste." That is a pretty fair summary of what we at The New Criterion are up to as well. Like Eliot, we aim to provide an engaging and independent look at cultural life. By "engaging" I mean lively and well-written, by "independent" I mean not beholden to the reigning academic and politically correct orthodoxies.

L
ike the original Criterion, The New Criterion is modernist in its cultural stance and conservative in its politics. By "modernist," incidentally, I do not mean to suggest allegiance to any particular school or style but rather to suggest a seriousness about the aesthetic and moral responsibilities of criticism. There really is no other magazine like The New Criterion–none that I know, anyway–none that offers the sort of serious reflection on the monuments of past cultural achievement together with amusing and percipient criticism of contemporary culture. I want to underscore the word "amusing." The New Criterion is undoubtedly a serious magazine. But it is the opposite of somber. Our writers address themselves to their subjects with dash and brio–take, for example, Mark Steyn, our theater critic. I cannot think of a funnier drama critic going (though Mark is much more than a drama critic). Nor can I think of one who is more insightful. As Horace urges, Mark delights as well as instructs. It is a model all of us at the magazine aspire to follow.

IgnatiusInsight.com: In what way are the arts a gauge of cultural health? What does today's "fine" art and "progressive" literature tell us about culture in the West?

Kimball: I believe that the arts provide a good barometer of cultural health. They reflect the fears, obsessions, aspirations, and ambitions of a culture. It tells us a great deal, I think, that terms like "transgressive" and "challenging" have emerged as among the highest words of praise in the critical lexicon. It tells us, among other things, that much art today is less affirmative than corrosive, that it places itself in an adversarial attitude toward the traditional moral, aesthetic, and cultural ambitions of our culture.

We are living in a post-Romanic moment, a moment when we still go through the motions of investing the arts with great existential importance (that's the Romantic part) but find to our chagrin that the spiritual aspirations that might have informed and guided our artistic endeavors have turned rancid (the "post-" part). That, anyway, goes a long way toward describing the dominant "establishment" culture. Here and there, one finds dissenting figures and institutions–The New Criterion is one such–whose commitment is not to what is new but what is true, figures and institutions that look upon tradition not as a crippling but an enabling resource, who understand that beauty and pleasure are essential parts of the life of art. In the introduction to my book Art's Prospect, I noted that:
What established taste makers now herald as cutting-edge turns out time and again to be a stale remainder of past impotence. It is one of history's ironies that Romantic fervor regularly declines into antic murmurs. Most of the really invigorating action in the art world today is a quiet affair. It takes place not at Tate Modern or the Museum of Modern Art, not in the Chelsea or TriBeCa galleries, but off to one side, out of the limelight. It tends to involve not the latest thing, but permanent things. Permanent things can be new; they can be old; but their relevance is measured not by the buzz they create but by silences they inspire.
One of the most important tasks for criticism today, I think, is to recover those silences–which means also recovering a nose for the permanent, a sense of the unfailing pertinence of our cultural inheritance.

IgnatiusInsight.com: You've written much about deconstructionism and its high priests, especially Jacques Derrida and Michael Foucault. What is current state of deconstructionism in the academic world? Is its influence waning at all? What affect has deconstructionism had on popular culture over the past few decades?

Kimball: You often hear that the influence of deconstruction and kindred intellectual maladies is waning, that they have been replaced by newer, more minatory, more politically engaged deformations–postcolonial studies, for example, or transgender studies. It is true that one does not hear the term "deconstruction" as much now as one once did. And it is also true that the names "Derrida" and "Foucault" do not automatically produce frissons of awe and reverence among the constitutionally credulous.

There are two reasons for this. The encouraging reason is that there has grown up a small but vigorous culture of dissent in the academy: there are vocal alternatives to, and criticisms of, the deconstructivist brotherhood now. The discouraging reason is that the academic circus has simply moved on to fresh novelties and modes of obfuscation. But–and this is the important point to bear in mind–in moving on this circus has not necessarily moved forward. The rhetoric of deconstruction is not so widely adverted to today as it once was. But that is not because its tenets are no longer embraced but rather because they have become so familiar that they no longer seem shocking. The nihilistic assumptions of deconstruction have not been jettisoned, they have been internalized: more and more they are simply taken for granted as part of the accepted and expected intellectual furniture of the time. In this sense, deconstruction is a bit like psychoanalysis. People no longer hold the theories of Freud in much reverence. But the whole picture of human reality we take for granted still owes an immense amount to the Freudian model. As a culture, we haven't so much gotten beyond Freud as we have adopted him and his view of man. Freudianism, like deconstruction, is just part of the ambient spiritual pollution we live with: no longer novel but still toxic.

IgnatiusInsight.com: Three thinkers who make regular appearances in your books and essays are Hegel, Descartes, and Nietzsche. How would you summarize the work and ongoing influence–for good or ill–of those three men?

Kimball: That is a big question!–Too big for this space. Let me just say that their influence is large and ongoing. The modern scientific-rationalistic shape of culture is unthinkable without Descartes (his boast that his method would render man "the master and possessor of nature" is something we are still–now more than ever–conjuring with). Hegel's dialectic and view of history may be nonsense but they have affected–or infected–many, many thinkers from Marx on down. And these thinkers, in turn, have helped to create the modern world: for better or worse (doubtless for better and worse). And of course Nietzsche with his proclamation of "the death of God," his "perspectivism," and his ambition to effect a "transvaluation of all values" is the contemporary philosopher par excellence. For a fuller answer to this question, I direct you to what I have to say about Descartes, Hegel, and Nietzsche in Experiments Against Reality and Lives of the Mind.

IgnatiusInsight.com: In The Long March you wrote that perhaps the greatest victory for the radicals of the 1960s "was to popularize the idea that everything is–political–a conviction that eats away at the very heart of classical liberalism." In what concrete ways has this mentality changed America over the past forty years? How can it be best challenged and combated?

Kimball: The most flagrant example is the university, an institution that was entrusted with the task of preserving and transmitting what Matthew Arnold called "the best that has been thought and said" but that since the 1960s has become a refuge for radical political activism. In my book Tenured Radicals, I noted that
With a few notable exceptions, our most prestigious liberal arts colleges and universities have installed the entire radical menu at the center of their humanities curriculum at both the undergraduate and the graduate levels. Every special interest–women's studies, black studies, gay studies, and the like–and every modish interpretative gambit–deconstruction, post-structuralism, new historicism, and other postmodernist varieties of what the literary critic Frederick Crews aptly dubbed "Left Eclecticism"–has found a welcome roost in the academy, while the traditional curriculum and modes of intellectual inquiry are excoriated as sexist, racist, or just plain reactionary.
The issue, it is worth stressing, is not the orientation of the politics–Left vs. Right–it is rather the politicization of intellectual life tout court. That is, the task is not to replace or balance the left-wing orientation of academic life with a right-wing ideology but rather to de-politicize academic, i.e., to champion intellectual, not political, standards.

How to do this? Well, it is not the work of a moment but a task for a generation. And what it requires above all is courage–the moral courage to take unpopular stands, to call a spade a spade, to buck the received politically correct wisdom that reigns in the academy in other bastions of elite opinion. The chief weapons are unceasing criticism and a certain rhetorical insouciance: the willingness to ridicule the ridiculous and satirize the preposterous.

IgnatiusInsight.com: You've written admiring essays and chapters about Catholics and Anglo-Catholics such as T.S. Eliot, Muriel Spark, and Josef Pieper. But your own religious views don't often come into focus, which is somewhat surprising considering how openly and strongly you express your views on a host of other topics. What role does religious belief have in the formation of your views about culture, tradition, and the intellectual life? What role should Christianity, specifically, have in the restoration of healthy culture, respect for tradition, and appropriation of "the permanent things"?

Kimball: Well, I was brought up and remain Roman Catholic. I even survived a Jesuit high school with my beliefs intact. If I had to describe my general philosophical orientation, I suppose I would say I am an "Aristotelean Thomist." And I have no doubt that my religious convictions have been essential in the formation of my view about culture. High culture is a great and humanizing resource–and it is, moreover, a resource that is everywhere imperiled today. The problem is not just around us: it is potentially within us as well. As Evelyn Waugh noted, "barbarism is never finally defeated; given propitious circumstances, men and women who seem quite orderly will commit every conceivable atrocity. The danger does not come merely from habitual hooligans; we are all potential recruits for anarchy. Unremitting effort is needed to keep men living together at peace; there is only a margin of energy left over for experiment, however beneficent. Once the prisons of the mind have been opened, the orgy is on."

In one sense, the barbarism that Waugh descried is a perennial threat. What is new is its celebration as a form of welcome liberation. We live at a moment when philosophers routinely espouse the nihilistic absurdities of deconstruction and eagerly proclaim the "end of man," when all manner of obscenity is aired on television and championed by those charged with preserving our cultural and intellectual heritage. Part of the task of The New Criterion is to dramatize and resist that degradation. And yet culture is not the whole answer. In one of his essays on humanism, T. S. Eliot observed that when we "boil down Horace, the Elgin Marbles, St. Francis and Goethe" the result will be "pretty thin soup." "Culture," he concluded, "is not enough, even though nothing is enough without culture." What else is there? Religion, or at least some acknowledgement that the ultimate source of our moral vocation transcends our mundane interventions. Eliot put it neatly: "Either everything in man can be traced as a development from below, or something must come from above. There is no avoiding that dilemma: you must be either a naturalist or a supernaturalist."

It says a lot that Eliot's articulation of this core belief of traditional conservatism is deeply controverted today, even by many conservatives. The depth of that controversy is perhaps an index of our confusion. Dostoyevsky once claimed that if God does not exist then everything is permitted. Considerable ingenuity has gone into proving Dostoyevsky wrong. To date, though, the record would seem to support him.

IgnatiusInsight.com: Who are some writers and thinkers that you believe deserve a much wider audience, especially for readers seeking to make sense of the cultural malaise of 21st-century America?

Kimball: Let me name two: James Fitzjames Stephen, whose book Liberty Equality Fraternity is a devastating attack on John Stuart Mill's On Liberty, which in my opinion is one of the most toxic books of political philosophy ever written. And the Australian philosopher David Stove, whose attacks on irrationality in the philosophy of science and Darwinism–as well as his occasional essays on various cultural topics–deserve a much wider audience. A few years ago, I put together an anthology of Stove's writings called Against the Idols of the Age and more recently Andrew Irvine has gathered together Stove's writings on various political subjects in a volume called On Enlightenment.

IgnatiusInsight.com: What are some issues you hope to address in future books? Are you currently working on any book projects?

Kimball: A paperback edition, with a new preface, of my book The Rape of the Masters will be out in September. I am just now working on a book about retaking the universities. I hope to finish that this autumn.

Wednesday, April 16, 2008

Brigitte Bardot vai a julgamento por insultar muçulmanos

A sharia está rolando solta. (Mas vem cá, sharia é feminino mesmo? Eu só repito porque não consigo dizer "o sharia".) Melhor, é mistura de sharia e politicamente correto. É que a Bardot, as usual, foi processada por "incitar o ódio racial". Sacou? Falar mal de muçulmano é racismo. É a desculpa para não dizerem que a lei muçulmana está sendo aplicada em versão picolé-moleza (by revista Coquetel) na Europa.

Notícia via Yahoo.

(Não conferi a notícia em outros sites. Mas é crível. Se não entendeu a desconfiança, explico. É que várias vezes os jornalistas daqui deturpam a notícia. Ou então traduzem tudo errado mesmo. Não que lá fora não haja bobagens...)


Brigitte Bardot vai a julgamento por insultar muçulmanos

Ter, 15 Abr, 03h54

PARIS (Reuters) - A atriz francesa Brigitte Bardot foi a julgamento na terça-feira por insultar muçulmanos. É a quinta vez que ela é acusada de "incitar ódio racial", em função de suas declarações polêmicas sobre o Islã e seus seguidores.

A promotoria pediu ao tribunal parisiense que condene a ex-símbolo sexual, hoje com 73 anos, a dois meses de prisão com sursis e lhe aplique uma multa de 15 mil euros (23.760 dólares) por dizer que a comunidade muçulmana "está destruindo nosso país e nos impondo seus atos".

Desde que se afastou do cinema, nos anos 1970, Bardot tornou-se uma ativista destacada em defesa dos direitos dos animais, mas também vem provocando controvérsias por criticar as tradições muçulmanas e os imigrantes oriundos de países predominantemente muçulmanos.

Desde 1997 ela já foi multada quatro vezes por incitar ao ódio racial. A primeira multa foi de 1.500 euros. Mais recentemente, ela pagou 5.000 euros em uma multa.

A promotora Anne de Fontette disse ao tribunal que pediu uma sentença mais dura que de hábito, dizendo: "Estou ficando cansada de processar Brigitte Bardot".

Bardot não compareceu ao julgamento, alegando incapacidade física. A expectativa é que o veredicto seja anunciado dentro de algumas semanas.

No ano passado, grupos franceses de combate ao racismo se queixaram de comentários feitos por Bardot sobre a festa religiosa muçulmana de Eid al Adha, em carta ao presidente Nicolas Sarkozy que acabou sendo divulgada por sua fundação.

Os muçulmanos tradicionalmente comemoram a Eid al Adha abatendo um carneiro ou outro animal, para lembrar como o profeta Abraão se dispôs a sacrificar a vida de seu filho, atendendo à ordem de Deus.

A França tem 5 milhões de habitantes muçulmanos, que compõem 8 por cento de sua população e são a maior comunidade islâmica da Europa.

"Estou farta de ser dominada por esta população que nos está destruindo, destruindo nosso país e nos impondo seus atos", disse a estrela de "E Deus Criou a Mulher" e "O Desprezo".

Em outras ocasiões, Bardot já tinha declarado que a França está sendo invadida por muçulmanos que abatem carneiros e lançou um livro atacando gays, imigrantes e desempregados, no qual ela também lamentou a "islamização da França".

Saturday, April 12, 2008

Supercalifragilisticexpialidocious

Eu estava quase dormindo na aula. Puta merda. Que cara mais chato. Pior. Tinha dormido mal na outra noite. Até o passarinho na janela parecia estar bocejando. Mas aí o professor falou:

- Blá blá blá da intersubjetividade do método...

Entenderam? Hein? In-ter-sub-je-ti-vi-da-de do mé-to-do. Não é chique?

Situações:

1 - Fulaninha não pode se encontrar com beltraninha. B: "Ai que chato. Por que não? "F: "Cê sabe, esse negócio de intersubjetividade do método tá fogo, né?" B: "Capaz."

2 - Cicraninho vai paquerar Fulaninha. C: "Aí, né, cê sabe, coisa e tal..." F: "Hã?" C: "Cê sabe, essa parada aí de intersubjetividade do método, pá e tal. Sabe qual é?" C: "Nossa, como você é inteligente! Gostei! Quer sorvete?"

3 - Cara chatão, Mary Poppins e as criancinhas. CC: "Quero ouvir de vocês algo sobre a intersubjetividade do método. MP e Cs: "Supercalifragilisticexpialidocious! Um diddle diddle diddle um diddle ay, um diddle diddle diddle um diddle ay!"

Despertei na hora. Melhor que café.

***

Um método alternativo é o churi churin fun flais. Bom também para lidar com gente enjoadinha. Ou em fila do banco.

Tuesday, April 08, 2008

Tosco e provisório (II)

(Passeio comprido. Agora, mais um rabisco.)

O governante precisa da autoridade para usar seu poder de forma justa. Nem que seja uma justificativa troncha. Mas tem que ter. Independente disso, o que caracteriza o governante é o fato de ele ter em suas mãos um meio de exercer seu poder. O Estado (ou qualquer coisa análoga) é o seu meio.

O poder cria uma distinção. Quem se submete a ele, obedece. Quem o controla, é obedecido. (Pode-se discutir a natureza do poder. Não importa. Basta constatar a sua existência no campo formal.) Comandar e obedecer são duas coisas naturais. É preciso ter isso em mente.

É arbitrário o poder que não se submete a algum tipo de autoridade (é bom lembrar da distinção entre poder e autoridade para evitar confusões). É que até mesmo ele precisa se submeter às "regras do jogo". Trocando em miúdos: todo poder é delimitado pela autoridade. Existe também a necessidade de fazer valer a autoridade por intermédio do poder às vezes. É quando o poder protege a autoridade. Se um pai não consegue exercer sua autoridade perante o filho, ele pode acabar exercendo-a mediante o poder. Se o filho está fazendo merda, sem querer obedecer ao pai, só tem uma alternativa (tirando a solução provisória do "deixa-que-a-mãe-cuida"). Palmada no bumbum do pirralhinho.

A identificação total do poder com a autoridade seria bom? Perguntinha difícil. Melhor deixá-la no cantinho. Existe uma outra pergunta boa. Se a autoridade e o poder, cuja cooperação entre si é fundamental, são discerníveis, dois campos distintos, pode acontecer de um usurpar a atribuição do outro? Meio que já respondi. O poder arbitrário se intromete num campo alheio. Ele não se submete à autoridade. Ele a devora. Faz de si mesmo autoridade. Reconhecer o poder e a verdade se torna uma operação igual. Posso dizer de outro jeito. Não reconhecer a verdade é desafiar o poder. Simplificando: questionar a verdade se torna um crime. (Uma observação. Se você imaginar uma sociedade onde a verdade se identifique com o poder, a simples opinião seria um crime. Até a burrice seria motivo de cadeia. Uma sociedade dessas seria, no mínimo, inviável. Só que não consigo deixar de pensar em outra coisa. Como será o governo de Deus após o Dia do Juízo Final? É que imagino que, diante d'Ele, não haverá qualquer margem para dúvidas. Logo, no governo de Deus não haverá opinião. Todos viverão na verdade. (A expressão mesma "governo de Deus" precisa ser entendida de um modo um pouquinho especial.) Melhor deixar essa dúvida sobre o futuro de lado também. Ah, é bom deixar claro que o problema a que me referi antes tem a ver com uma concepção de sociedade do tipo "A República".)

É possível a autoridade usurpar o que pertence ao poder? Sim, quando a autoridade se transforma em mais um poder. É a autoridade espiritual secularizada. Se acima a disputa era entre a autoridade espiritual e o poder espiritualizado, aqui é o inverso.

Vale muito a pena entender que a distinção entre autoridade e poder é em boa parte formal. Exagerá-la só pode dar treta. Se você radicalizá-la, vai ter uma hora que a existência terrestre da Igreja vai parecer uma aberração total. Mas cair no exagero contrário, achando que a cooperação entre essas qualidades deve chegar às raias da identificação, também dá treta. Você pode vir a identificar a ordem sócio-histórica como verdade divina. É a divinização do espaço e do tempo (v. Olavo de Carvalho, O jardim das aflições).

Monday, April 07, 2008

Ah, e lembrando

Um dia citei o Marx defendendo o livre-mercado sob certo aspecto. Lembram? Agora olha só o que encontrei por acaso. Paulo Francis:

(O Globo, 26/05/96) - Intelectuais brasileiros - "O tempo é um fator decisivo para tomar decisões", escreve Sarney, alô, alô, Terezinha. Mas nem todos ficaram nas primeiras letras. Carlos Nelson Coutinho, por exemplo, leu Lukács e escreveu um artigo dizendo preferir Graciliano Ramos a Clarice Lispector. Só um filisteu estabelece a comparação entre os dois escritores. Nelson escreveu outro dia um artigo elogiando as estatais, que entravam nossa economia em causa própria. Teria lido Marx, que diz ser necessário o capitalismo crescer ao máximo, até que estoure? Entendeu que a URSS e satélites eram capitalismo de Estado, retrógrados, econômica, política e socialmente, desabando por incompetência? Duvido. É a favor do Estado tomar conta de tudo, por cacoete anticapitalista, o velho medo do gringo que sabe tudo, o velho complexo de inferioridade brasileiro entre o que é moderno e nossa triste realidade. (Negritos meus.)


Agora pense naquelas antas que reclamam, por exemplo, das (pseudo) privatizações, alegando coisas do tipo "ah, que puxa, estão vendendo o Brasil para o grande capital". Pois é.

O último carioca

Friday, April 04, 2008

Para acabar

M. F. dos Santos em Métodos lógicos e dialéticos I. Frase simples. Para ficar como objetivo:

O que temos de fazer hoje é construir.

Num post qualquer vou citar um trecho do prefácio desse livro também. Pode ajudar a entender o que ele quis dizer com isso.

Alemanha-Brasil (III)

N. M. de Almeida:

Indo a visitar um amigo, encontrei-o a conversar com um senhor, de forte sotaque estrangeiro, que explicava as razões de certa modificação na planta de um prédio por construir; como, no decorrer da troca de idéias, tivesse por duas vezes proferido sentenças latinas, perguntei-lhe se havia feito algum curso especial de latim.

- Curso especial de latim? Não fiz, senhor.
- Mas o senhor esteve em algum seminário?
- Não, senhor; sou engenheiro.
- Percebo que o senhor é engenheiro; mas onde estudou latim?
- Na Áustria.
- Quantos anos?
- Sete anos.
- Sete anos?! Todo o engenheiro austríaco tem sete anos de latim?
- Sim, senhor; quem se destina a estudos superiores na Áustria estuda sete anos o latim.

Pois bem, relatando a um alemão esse fato, mostrou-se admirado com não saber eu que na Alemanha se estuda nove anos de latim e não somente sete. (Gramática latina, Prefácio.)

Alemanha-Brasil (II)

M. F. dos Santos:

Um professor alemão, o primeiro a iniciar-me nos estudos de Filosofia, conhecedor do nosso povo, costumava manifestar-me a sua admiração pela inteligência de nossa gente. Para ele, que percorrera tantos países, que ministrara lições em tantas universidades e escolas do Ocidente e do Oriente, era o brasileiro o aluno mais vivo, mais inteligente, mais sagaz no raciocínio, e de mais profundas intuições que conhecera. No entanto, punha uma restrição. Julgava-nos demasiadamente inquietos e desequilibrados quanto ao conhecimento. Afirmava-me ter encontrado grandes valores, homens de capacidade extraordinária, mas, em muitos aspectos, falhos de certos conhecimentos elementares, que eram como abismos por entre cumes de montanhas. Atribuía esse desequilíbrio à natural pressa dos povos americanos e à falta de disciplina mais rígida no trabalho. Nessa época, considerava eu as suas palavras um tanto exageradas. Mas, com o decorrer do tempo, e através de aulas e inúmeras conferências, palestras e debates que empreendi, verifiquei assistir ao meu velho e venerado mestre uma grande soma de verdade.

Atribui-se esse nosso defeito ao autodidatismo a que todos sem exceção, neste país, estamos sujeitos. Sempre fui admirador dos autodidatas, porque um estudo apurado da história e da biografia dos grandes homens, revela-nos que entre os maiores criadores, o número de autodidatas é sempre maior do que daqueles presos a uma escolaridade rígida, quase sempre prejudicial à capacidade criadora.

Não seria, porém, esse apenas o fator decisivo, pois outros poderiam ainda ser propostos. (Filosofia e cosmovisão, Prefácio.)

Alemanha-Brasil (I)

O. M. Carpeaux:

A crítica literária alemã [...] era puramente jornalística, era a pior da Europa, desdenhando, com incompetência, mas com certa razão, a indústria escolar dos universitários, chamados na Alemanha de então "os mais estúpidos dos homens". (História da literatura ocidental, Introdução.)
Parece familiar, não?

Thursday, April 03, 2008

O dia em que Maritain tomou um "pedala Robinho" do Padre Castellani

(Bom, primeiro uma explicação, porque podem me entender mal. A minha opinião sobre o Concílio Vaticano II é "sei lá".)

Hoje passei na A casa de Sarto. Para quem não sabe, é um blog "católico tradicional, antimodernista e antiprogressista". Palavras do blog. Lá tem um post sobre o encontro do Padre Castellani com Jacques Maritain em 1947. O que o Castellani disse na cara do Maritain foi brabo. Até eu fiquei constrangida:

"Resulta que Maritain hacía una gran recepción en la embajada de Francia, siendo reciente su designación de embajador ante el Vaticano. Castellani le pidió a Mejía que lo acompañara y allá fueron los dos, una tarde la primavera romana de 1947. Al llegar a la embajada, vieron que se formaba una larga fila de a dos que presentaban sus respetos a Raíssa y Jacques, ambos muy formalmente vestidos para la ocasión. Cuando les tocó el turno a Castellani y a Mejía, Castellani le espetó a Maritain: "C'est dommage que vous êtes devenu un herétique..." (es una lástima que se nos ha vuelto hereje). Mejía pedía que se lo tragara la tierra. Se hizo un largo silencio en el que nadie atinó a decir nada...

Como se ve, puro Castellani, más loco que nunca."


Uau, isso foi pior que o "pedala Robinho"! Podia ter no Youtube.

Wednesday, April 02, 2008

Mas o Estado-babá tem amantes

Para variar, Artistas pedem lei para bancar teatro nacional.

Cerca de 150 representantes de grupos teatrais de todas as regiões do Brasil fizeram um protesto no Memorial de Curitiba, sede do Festival de Curitiba, no começo da tarde desta quinta-feira. O ato pediu a criação de uma lei que estabeleça o Prêmio Teatro Brasileiro, para sustentar a produção teatral nacional.

O ator e fundador do grupo Os Satyros, Ivam Cabral, fez a leitura da Carta de Porto Alegre, redigida pelo movimento Redemoinho, que congrega grupos de 11 estados, entre eles o Galpão, de Belo Horizonte, e o Teatro da Vertigem, de São Paulo. Na carta, havia críticas à Lei Rouanet, tachada de “privatizante’’ e “excludente’’. O coordenador do Festival de Curitiba, Leandro Knopfholz, apoiou o ato.

O ator Luís Melo foi um dos primeiros a assinar o abaixo-assinado pedindo a lei. “Não há patrocínio para grupos de pesquisa, precisamos mudar isso”, defendeu. “Já é difícil fazer teatro no Rio e em São Paulo, imagina em outros lugares.’

O ator Sérgio Marone, que não pôde ficar até o fim do ato porque tinha vôo marcado para deixar a cidade, fez questão de deixar seu apoio. “Em qualquer lugar civilizado do mundo, o governo banca a cultura”, disse. “O teatro, sobretudo o de grupo, não consegue se sustentar com a bilheteria.”


Esses caras não tomam jeito!

Antes existiam aqueles caras que faziam artes nas ruas em troca de dinheiro. Agora existe mais uma nova categoria. É o artista pedinte estatal. Ele sai de sua casa bonita, se junta a outros artistas pedintes estatais, aí eles fazem um manifesto exigindo grana do governo e depois voltam de avião. Nem se dão mais ao trabalho sequer de fingir que fazem arte. É que o método de arrecadação de bilheteria já está muito ultrapassado. Não tem coisa mais eficiente do que o método da bilheteria compulsória. Obrigar a população inteira a pagar pelo "espetáculo" vale mais a pena. Financiamento estatal da cultura é isso.

Nem vou dizer nada sobre a independência de uma cultura dessas. Se o Schopenhauer já reclamava do Estado se meter no ensino de filosofia, imagina o que diria sobre arte patrocinada pelo governo.

E depois reclamam do fascismo.

Beato estatal ou santarrão totalitário

Só hoje me dei conta da existência de um novo tipo de gente. É o beato estatal ou santarrão totalitário. É o iluminado que se acha na missão de punir, usando o Estado, tudo o que for "degradante para o cidadão".

Pensei nisso ao assistir hoje a um programa que falava sobre o processo que a Furacão 2000 tomou nas costas.

Em 2003, o beato estatal Paulo Gilberto Cogo Leivas era procurador regional dos direitos do cidadão. Não sei o que significa esse cargo. Exceto que só poderia vir merda de um negócio com esse nome. Ele resolveu processar a Furacão 2000 porque "esse tipo de música [aquela do tapinha que não não dói] ofende não só a dignidade das mulheres que se comportam de acordo com o descrito em suas letras, mas toda e qualquer mulher, por incentivar à violência, tornarem-na justificável e reproduzirem o estigma de inferioridade ou subordinação em relação ao homem". Outro beato, o juiz substituto Adriano Vitalino dos Santos, da 7ª Vara Federal de Porto Alegre, achou isso tudo muito lindo. Condenou a Furacão 2000. Vão ter que pagar R$500 mil. O prejuízo talvez chegue a R$1 milhão.

Não gosto da letra, não suporto funk, blá bla blá. Mas daí a achar que o Estado tem o dever de vigiar pela minha dignidade... pera lá! Não preciso do Estado-babá cuidando da minha honra. Não é essa música que é ofensiva à minha dignidade. Ofensiva é a presunção desses dois santarrões totalitários. Porque: 1) acham que podem usar o Estado para sua cruzada; 2) me consideram uma criatura mocoronga que necessita da proteção do Estado-babá, disfarçado de Estado-cavalheiro.

Esses coroinhas governamentais são mesmo um saco.