Saturday, July 19, 2008

O Brasil é um Banco Imobiliário sacana

Disse Carlos Krämer (não somos parentes):

Só este ano, profissional de carteira assinada que sou, fui obrigado a doar mais de cento e trinta reais para o sindicato do qual faço parte compulsoriamente. Isso é lei aqui no Brasil, o sujeito é obrigado a pagar o sindicato. E merece honrosa menção o fato de eu sequer saber o nome, o endereço ou o telefone do sindicato para o qual sou obrigado a pagar pomposas fatias dos meus modestos ganhos.


O texto é do dia 12 de maio. De janeiro até aquela data, foram R$130 só para o sindicato. Imagina o que mais não foi, juntando todos aqueles lindos impostos que ninguém nem sabe do que se trata! É que trabalhar no Brasil é como jogar uma partida sacana de Banco Imobiliário: você paga aluguel o tempo todo, os lucros ou dividendos são irrisórios, o salário só encolhe com o passar das rodadas, as cartas aleatórias sempre são cobranças, e a probabilidade de você ir para a prisão, caso arrume algum dinheiro apesar de tudo, se multiplica. O único vencedor é a banca! A menos que você ache um jeito de ser favorecido.

Sei que não é segredo nenhum essa história de neguinho ter que pagar o sindicato. Mas é o tipo de bizarrice que de tão bizarra a gente custa a acreditar. Ser obrigado a trabalhar para uma entidade que você nem sabe se existe mesmo faz parte da nossa realidade nonsense. O problema mesmo é a contribuição compulsória. Por que alguém deveria ser obrigado a arcar com os custos de um sindicato? É imoral.

3 comments:

Anonymous said...

É muito importante espantar-se, e manter viva essa capacidade de ficar espantado. Por exemplo a contribuição sindical (tem também a assistencial, a confederativa, etc.). E que sindicatos lindos os nossos!! Um dia eu descrevo minhas aventuras no mundo sindical (na condição de advogado de empresa, bem entendido). Mas é tanto absurdo que eu vejo que esse aí, a contribuição sindical, já passa barato.

Mudando de assunto. Ouvi seu admirado Theo Bikel. Posso ser sincero? Achei engraçado. Não alcancei a beleza da coisa. Realmente, você tem um gosto musical absolutamente original.

By the way, a nova fotinho é sua mesmo? Desculpe o abuso, mas parece muito bonita embora um pouco brava.

Abraços

NO.

Tanja Krämer said...

Mas aquela música é engraçada mesmo! Na verdade é muito alegre. Cômica mesmo, burlesca, é a "Kalt Vasser". Outra hora eu a coloco.

Pois é, o olho pertence à dona do blog. :-) E obrigada pelo comentário gentil! Agora, só fico braba mesmo às vezes. Não foi o caso na hora da foto. :-P

Sabe o que eu estava pensando hoje? Lembra aquela sua pergunta sobre a teoria dos sentimentos do Ulrich? Então, se a gente estivesse ainda na escola, a professora teria tirado altos pontos. Tínhamos sempre que saber tudo nos míííííínimos detalhes. As provas eram uma pegadinha do Sergio Mallandro. Caramba, que chato!

Tanja Krämer said...

A diferença de horário entre as duas mensagens foi de 12 horas certinho. Nossa. Parece até que foi combinado. :-)