Thursday, July 17, 2008

Como entrevistar um político

Uma vez o R. Jefferson, aquele gordo do mensalão, participou de uma entrevista no canal 9 (que é CNT; não sei como é nos outros países, quero dizer, estados). Quem entrevistava era um moreno gordinho. Eles não paravam de rir. O entrevistador queria ganhar a simpatia do Jefferson. Fazia de tudo para ele se sentir à vontade. Qualquer palhaçada do Jefferson era motivo de risada. Cara, que programa chulé.

Na minha opinião, político tem que ser quase humilhado em público. Entrevistador tem que rimar com terror. Tem essa de ficar puxando o saco do entrevistado não! Tem que ser sádico. Acho até que podiam adotar um estilo soviético de entrevista. Ela duraria horas. Haveria uma lâmpada bem forte na cara do político. Um revezamento dos entrevistadores. Um candidato a prefeitura do Rio? Perguntas: "Qual a profundidade máxima da Baía de Guanabara?" "Quantos índios Mem de Sá enfrentou?" "Com base na Política de Aristóteles, qual a melhor forma de lidar com o crime?" "Quantas sinfonias o Villa-Lobos compôs?" Se tivesse um público, ele teria que ser hostil. Lá fora, um carro da polícia federal, mas fake. Acho até que tinha que ter algum trote bizarro. E por aí vai.

Teve uma vez que meu sonho de ver um político sendo massacrado numa entrevista se tornou realidade. Espero que não tenha sido uma entrevista fake. Aconteceu num domingo. Eu estava na cozinha tomando suco. Minha avó começou a berrar da sala: "Tanja, vem cá correndo!" Encontrei minha avó rindo. Ela estava ouvindo um programa da rádio Tupi. Uma 10h. Mas nem precisei perguntar qual era o problema. Já comecei ouvindo o entrevistador colocar o entrevistado na parede:

- Mas que negócio é esse de o senhor querer acabar com o título de Padroeira do Brasil de Nossa Senhora?

"Ah, aquele deputado...", pensei. Ele respondeu:

- Veja, não é bem assim, é para ela ser a padroeira só dos católicos.

Eu já estava pronta para fazer um comentário. Para quê? O entrevistador começou a reclamar:

- Que é isso, ô seu deputado? O Brasil é um país de maioria católica! Que negócio é esse?
- Mas... mas... veja bem...
- Veja bem coisa nenhuma! Você não tem nada para fazer não, ô seu deputado, em vez de ficar fazendo palhaçada?

Até eu estava surpresa. Aquilo era lindo demais. Quanto mais o deputado gaguejava, mais o entrevistador ralhava com ele. E o final? Antológico:

- Ah, seu deputado... Se tá querendo aparecer, vê se mete uma melancia no rabo! Vê se pára de encher o saco!

Perguntei na hora: "Vó, eu ouvi isso mesmo? O cara mandou o deputado meter uma melancia no rabo?" Ela, rindo: "Mandou sim. O fulano [ela disse o nome do cara; não lembro mais] é assim mesmo. Ele é meio maluco."

Meu Deus. Tive até que bater palmas. Maravilhoso demais. Espero que mais políticos participem daquele programa.

Update: Minha avó me corrigiu. Não foi na Globo. Foi na Rádio Tupi. E o cara se chama Pedro Augusto.

6 comments:

conselheiroacacio said...

esse entrevistador virou meu herói ;-)

Anonymous said...

Será q tem no youtube??? rsrs

Bjs!!

Margarida

Tanja Krämer said...

Meu também, Conselheiro! Por sinal, o verdadeiro Conselheiro Acácio também podia participar de uma entrevista soviética. =)

Margarida, pois é, de repente tem. Se eu encontrar alguma coisa, indico.

Perguntei à minha avó o nome do cara. É Pedro Augusto. Errei a estação de rádio. Foi na Tupi. Vou corrigir. Agora, ironia das ironias, dado o assunto do post: parece que ele também é deputado. Como diz a Miley Cyrus: "And if I messed it up sometimes, nobody's perfect." =)

Beijos!

Dias said...

Esse vídeo tinha que ir parar no Bom Dia Brasil, bem na hora que eles estão falando com o nosso presiMente, e aí fazer o mesmo com o barbudinho mor.

Esse programa só passa no Rio ou é transmitido pro resto do país?

Rafael

Tanja Krämer said...

Na verdade foi num programa de rádio. Mas podiam por no Bom Dia Brasil de qualquer jeito. Ou no Youtube.

Cara, não sei se rola em outros estados esse programa. Talvez a rádio Tupi tenha um site explicando, sei lá.

O Comentarista said...
This comment has been removed by the author.