Saturday, May 10, 2008

Arte babaca: La Grande Arche

La Grande Arche de la Défense (ou La Grande Arche) é um monumento parisiense criado na década de 80 pelo arquiteto Johann Otto von Spreckelsen. Como você pode ver, é uma espécie de dado gigante e vazado. Para quem ama arquitetura geométrica, pretty cool.


Tem alguma coisa de surreal nisso, não tem?

O nome pode enganar os não-iniciados. La Défense é só o nome do bairro onde ele está. O "arco" é por conta da relação com o Arco do Triunfo. É que La Grande Arche é a versão moderna do Arco do Triunfo. Mas o espírito é outro. É que pretende simbolizar uma janela aberta a todos. É homenagem à filantropia, humanitarismo e coisas assim. Por acaso calhou de ser inagurado no mesmo ano das comemorações do bicentenário da Revolução Francesa.


La Grande Arche ao fundo, entre os prédios.

La Grande Arche é um arco que não é arco e não tem nada a ver com La Défense, tirando a categoria lugar. Mas é grande. Levou quase a década de 80 inteira para ser contruído.

Uma ótima frase que resume bem esse negócio todo? Much ado about nothing.

11 comments:

Anonymous said...

Achei mais maneiro que aquela catedral lá no Centro. Parece um copão de pipoca virado de cabeça pra baixo!! rsrs

Como foi de dia das mães? Bjs!!!

Margarida

Anonymous said...

BAL-DE!! Eu cismo de chamar de copão!! =^.^=

Tanja Krämer said...

Maga, pelo menos a Catedral Metropolitana tem vitrais e esculturas... La Grande Arche tem porcaria nenhuma! É só um cubão vazado. A simbologia é pura encheção de linguiça. (Melhor se tivessem usado uma simbologia pitagórica.) Por mais que você desgoste da Catedral Metropolitana (também não sou grande fã), ao menos tem que admitir que o prédio contém um sentido que não é um acaso, uma presepada ou forçação de barra. (Explicação nebulosa. Estou cansada pra chuchu. Mas compara com a bizarrérrima Notre Dame du Haut para entender o que estou querendo dizer.)

Ah, o dia das mães. Roupas que de repente descubro que não servem mais e assaltos. Fora isso foi ótimo. :-) E como foi o seu dia?

Beijos!

Anonymous said...

Entre o Arco francês e o nosso balde...dilema. Eu fico com o Arco só porque fica em Paris. Embora La Defense seja meio longe e eu nunca passe por lá (...olha a onda!), pelo menos é mais pertinho. Se o nosso baldão ficasse lá, eu ia preferir o baldão. Estética também tem algo meio relativo, principalmente se você compara Paris com a Avenida Chile.

Abraços

NO.

Anonymous said...

Que história é esse de assaltos??? :-O Mas gente, que igreja doida aquela!! Tem missa lá? Você gosta da Aparecida? E a La Pedrera, hein?? rs Tá vendo só como é melhor o cubão? A localização é tu-do. hehehe Aqui o dia das mães foi tudo certinho e não tive problema com roupas. #:OP Bjs!!!

Margarida

Tanja Krämer said...

Ok, ok. Dou o braço a torcer. Vocês me venceram. :-) O cubão vale porque está em Paris. Tem o Louvre, Champs-Élysées e tal. Perto do baldão tem... Fundição Progresso, Circo Voador, os Arcos, ladrão e cafetinagem. Tem também outros prédios moderninhos perto. O da Petrobrás (que parece faltar uns pedaços), o do BNDES (que parece um microfone de gigante) e o teatro... como se chama mesmo? Ai, não lembro.

Olha só, já pensaram numa coisa? Isso tudo é a cara do Brasil. Num lugar só você encontra religião, safadeza, arte duvidosa e estatal.

Pô, mas Av. Chile é sacanagem. Podiam destruir a Pça. Gandhi e transferir o baldão para lá. Fora que gosto da Rio Branco. (Fiquei com vontade de jogar SimCity. :-))

Tanja Krämer said...

Ah, depois falo dessa história de assalto. E sei lá se tem missa naquela coisa.

A igreja de Aparecida... tem alguma coisa que me incomoda. Vai ver porque é grande demais. Sei lá. Mas pô, você está de sacanagem comigo. "Casa Milà" é duro de roer. :-) Parece cenário de filme expressionista alemão. O Gaudí tem coisa mais legal. Tipo aquela igreja, a "Sagrada Familia". Aquele gótico versão moderna é interessante. O problema é que não acabaram de construir ainda.

Tanja Krämer said...

Estava procurando imagens dos smurfs. Olha só o que encontrei http://img.photobucket.com/albums/v634/tojolo/733389.jpg

Não sei se nego se inspirou neles. É escrotão de qualquer jeito. :-)

Anonymous said...

Não, praça Gandhi não. Anos atrás fiz parte do Movimento Revolucionário Rio Antigo. O grupo teve só uma reunião, com várias boas idéias. Conforme nossa deliberação, a catedral tinha que ser transferida para a Barra. Planejavamos também reconstruir o Palácio Monroe (se bem que hoje eu seria contra a reconstrução do Palácio Monroe) e suspender de novo o morro do castelo. Havia até que defendia o desaterramento do aterro do flamengo. Coisas da juventude.

NO.

Tanja Krämer said...

Fiquei curiosa. :-) Por que a catedral tinha que ir para a Barra? Qual seria a época do Rio antigo? Tipo entre 1915 e 1955? O "boas idéias" foi uma ironia, não foi? :-P

Anonymous said...

Bem, como todo movimento revolucionário formado por um grupo de 3 pessoas, o nosso também sucumbiu às divergências internas.

A unanimidade era no sentido de que todos os prédios ou monumentos a partir de um determinado gabarito, construídos a partir de 1960 e que não se adequassem a um critério estético que nós mesmos, na nossa cultura e sapiência estabeleceriamos, deveriam ir para a Barra. A Barra é cafona por natureza e é lá que devem ser realocados todos os prédios de gosto duvidoso. Desculpe se alguém aí mora lá. Foi unanimidade também que esse deslocamento para a Barra não atingiria o Santos Dumont, o prédio do IRB (na Pres. Wilson), o prédio do Boavista (Praça Pio X) e o MEC. Certamente iriam para a Barra o de Paoli, o Ed. Av Central mas não me lembro qual a deliberação sobre o Assembléia 10.

Outras boas idéias: renomear a Rio Branco de Avenida Central (não me lembro qual a razão disso); reconstruir o Palácio Monroe (já disse que hoje eu seria contra); destruir os prédios em volta do morro da viúva; refazer o morro do castelo e parte do morro de Santo Antonio (no que aproveitariamos para levar a catedral, o BNDES e a Petrobrás para a Barra). A catedral metropolitana voltaria a ser a boa e velha Igreja do Carmo. Destruição imediata da Perimetral. Alguém defendeu o fechamento do Rebouças, mas alguém também foi contra.

Como você vê, e como agora eu percebo, os critérios não eram lá muito rígidos.

E, veja você, justo o post much ado about nothing é que vai ser recordista de comentários.

Beijos

NO.