Monday, March 31, 2008

Napalm Death (versão curta)

(Estava relendo o post Napalm Death. Resolvi repostar o trecho que mais gostei.)

Há gente que sente nojinho da religião. Há quem sinta nojinho da Igreja. Todo mundo é muito limpinho e puro, amigão. Dizia o bom cidadão 1995 circa: "Olha, gosto de Deus e tal, mas Igreja é outra coisa". Claro. Para você ser assim tão bonzinho hoje, usando a camisa verde pólo que custou R$79, as gentes mais hardcore da cristandade tiveram que aturar César, leão, Ário, germanos pancadões, mouros, canibais, Napoleão, Stálin, Hitler e o diabo a quatro. Depois dessa dança maligna, aí sim você pode ir lá na loja todo felizão e comprar a camisa verde. Quem sabe até ouvir depois alguém dizer um "vai com Deus" ou "Feliz Natal", depois mandar um cartãozinho ou telefonar pro amigo pra saber se ele está bem? Ou perdoá-lo se ele fez alguma coisa? Ou ser perdoado se você fez alguma coisa?

Cuspiram na cara de santos, esquartejaram outros tantos, mais alguns literalmente comeram pó... Outros lamberam as feridas de leprosos. Já você... Hm, você talvez tenha a sua marca preferida de perfume e vai ao cinema rir com seus amigos. Se tiver "um lado espiritual independente de religiões " (acho que li isso no Orkut), vai rezar um pouquinho. Lindo. Sempre olha os dois lados da questão, desde que, claro, isso não implique (como ser diz?) radicalismos. Vive como se estivesse com uma placa na cabeça dizendo: SAÍDA EM CASO DE FANATISMO.

Wow! Que mané subir degrau para cumprir promessa o quê! Fazer caminhada para Santiago de Compostela, pfui! "Esse negócio de pagar penitência é coisa de velha beata" (comentário seguido de sorriso superior).

Certa vez tiveram que colocar um osso da perna do Santo Inácio de Loyola no lugar. Sem anestesia. Ele agüentou sem dar um pio. Hoje, na primeira dorzinha de dente, a gente chora. Sim, você é mais limpinho.

Agora vem cá que o negócio é comigo, rapá, porque não sou grande mas compenso sendo faladora. Na dúvida, chego de bicuda na canela. A Igreja teve que se ferrar toda, seu manezão, para você hoje ter o bumbum limpo e cheirosinho. É muita sacanagem você querer empinar esse narizinho aí e bater no peito dizendo: "A Igreja está ERRADA". Errado é você, cara. Mas você não é sacana, é cordato. Não fala nada por mal. Essa parada de ser mal só é vero na novela das 8 ou outra coisa kitsch... (O público aliás admira.) Você, cara bonzinho, dá bom dia ao porteiro, dá presentes aos amigos, cumprimenta a todos, paga seus impostos, é boa praça. É contra a guerra, acha sacanagem proibir a opinião de alguém. Você não teria coragem de pisar na cabeça de um gatinho, não é mesmo? Quanto mais pisar na cabeça de um velhinho! Um absurdo, um absurdo... Mas quer saber de uma coisa? Você não faz nada disso porque há tempos atrás um sujeito hardcore fez questão de morrer para provar que isso é errado. E ele morreu (e ressuscitou). Pára com essa mania ridícula de ser a Professorinha Helena do mundo, toda boazinha e coitadinha. Se joga debaixo do tanque em Pequim. Dá tudo que tem na geladeira para o mendigo. Se mata de tanto ajudar o outro. Vá lamber as feridas dos mendigos. Seja santo mesmo, cacete! Só não vem com papo mole.

1 comment:

Evelyn Mayer de Almeida said...

Show!

Tanja, eu gosto de ler seus artigos porque vc fala tudo o que eu não consigo dizer.

Eu realmente detesto este negócio que a Igreja só tem dever, só tem defeito e o resto é tudo perfeitinho, bonitinho, coisa linda da mamãe. Ah! Vá a merda!

Perfeito texto =)