Wednesday, March 26, 2008

Karl Marx liberal (I)

Pergunta aí o que acho do livre-comércio. Não sei o que dizer. Mas Karl Marx achava bacana. Em um aspecto pelo menos:

Mas em geral, em nossos dias, o sistema protecionista é conservador, enquanto o sistema do livre-comércio é destruidor. Ele dissolve as antigas nacionalidades e impele ao extremo o antagonismo entre a burguesia e o proletariado. Em uma palavra, o sistema de liberdade comercial acelera a revolução social. É somente neste sentido revolucionário, senhores, que eu voto a favor do livre-comércio. (Miséria da filosofia, anexo III)


Em outra mão, Karl Marx diz que

sabemos todos [bem, se ele diz...] que a concorrência foi engendrada do monopólio feudal. Assim, primitivamente a concorrência foi o contrário do monopólio, e não o monopólio o contrário da concorrência. Portanto, o monopólio moderno não é uma simples antítese, é ao contrário a verdadeira síntese.

Tese: O monopólio feudal anterior à concorrência.

Antítese: A concorrência.

Síntese: O monopólio moderno, que é a negação do monopólio feudal enquanto supõe o regime da concorrência, e que é a negação da concorrência enquanto é mono.

Assim, o monopólio moderno, o monopólio burguês, é o monopólio sintético, a negação da negação, a unidade dos contrários [vou fingir que não li isso]. É o monopólio no estado puro, normal, racional. (op. cit., II, 3)


Sei lá onde entra o protecionismo nessa história. Mas vamos em frente. Na cabeça do Marx, raciocinando por esse processo de negação (tese-antítese-síntese), o livre-comércio seria uma etapa (necessária) para a revolução. E o "monopólio burguês" seria uma fase mais avançada. Estamos esperando desde 1847 (data da Miséria de Marx, com trocadilhos) a revolução. Não vivemos há 150 anos na "era do monopólio"? Então?

O ponto na verdade é outro.

Levar o livre-comércio para o Iraque, Brasil e outros países tem um potencial revolucionário tremendo (do ponto de vista marxista). O "monopólio burguês" não é o livre-comércio degenerado. É a sua superação. A partir daí vem a revolução. É por isso que a idéia de abrir mercados no mundo inteiro está de acordo com o que o Marx escreveu a respeito. O globalismo é uma etapa da revolução mundial.

Por motivos diferentes, o liberal e o marxista defendem a mesma coisa.

8 comments:

Tanja Krämer said...

Caraca. 5h37. Hora de levantar: 7h45. Great.

Tanja Krämer said...

Com sono. Mas escrevi. Coisa de "já que começou, agora termina." Agora vou cochilar um mucadinho.

Anonymous said...

Uma das minhas principais diversões é aporrinhar esquerdistas - até porque a grande maioria deles nunca leu Marx, e não tem, no fundo, a mínima idéia do que seja marxismo. E eu, como todos nós, estou cercado de vários bons amigos mais ou menos marxistas (ou que se acham).

Quando há mais de um deles eu não resisto: "mas, vem cá, quem de vocês é, assim, mais de esquerda?" Pronto. Está armado o circo. "Ser mais de esquerda" tem um significado honorífico tremendo para esses caras.

Outra boa - e que tem a ver com o seu post - é justamente perguntar para neguinho onde, afinal, de contas, Marx defendeu empresas estatais. No "Capital" não foi - que eu li de cabo a rabo. Não foi no Anti-During, não foi nas Teses contra Fuerbach, não foi no Manifesto, nem naquela Critica à Economia Política.... Tá bom, então onde?

Não me lembrava de Marx defendendo o livre comércio como etapa revolucionária do desenvolvimento capitalista. Mas vou guardar esse trecho para incluir mais um item na minha lista de provocações aos esquerdistas.

Abraços

NO

Tanja Krämer said...

Vem cá, você leu todos esses livros do Marx para cumprir penitência? :-)

Sobre esse negócio de provocar esquerdista, meus amigos dizem que sou quase de extrema-direita. Eu nem provoco nem nada. Mas é que só de você dizer que crê em Jesus Cristo, que já leu, sei lá, Tucídides, e que Chico Buarque não vale um peido do Mozart, nego já acha que você é de extrema-direita. Daqui a pouco vão achar que sou neta de algum fugitivo nazista.

Ah, no início do "Manifesto", Marx fez um monte de elogios ao capitalismo. E tem aquela história de ele ter adorado quando os EUA venceram o México. Disse que os mexicanos eram "preguiçosos" (sic). (Como se ele não fosse vagabundo.) Era bom ter gente que soubesse o que fazer com aquelas terras. Acho que ele diria a mesma coisa sobre o Iraque.

Anonymous said...

Bem, eu li aquilo tudo (e mais Lenin, Gramsci, Adorno) porque já fui comunista. Todo mundo tem uma nódoa na vida...Deixei de sê-lo justamente porque li Marx. Tem que ser muito doido para continuar sendo marxista depois de ler Marx.

É, eu também. Mas já me acostumei a ser considerado direitista. Ser católico - e ter aversão a Leonardo Boff - ajuda bastante no desenho mental que os esquerdistas fazem de mim.

O triste é que é cada vez mais difícil conversar a sério com esquerdistas. Ou eu tenho ataques histéricos de riso, ou a coisa descamba para um quase pugilato.

O que me alegra é ler gente como você, Pedro Sette Câmara, Alexandre Soares Silva, Reinaldão Azevedo, Olavo, Diogo.

O resto é (como é mesmo que o Olavo diz?) asinus asinum fricat (não precisa corrigir a declinação).

NO.

Tanja said...

K. marx e cia. Que coisa mais chata! É a leitura mais chata do mundo. O Marx chega a ser irritante. E você tem razão. Marx é o melhor remédio contra... marxismo.

Gostei do comunismo só quando estava acabando o segundo grau. Logo deixei para lá. Esse negócio de "ditadura do proletariado" era muito escroto. Bakunin já dizia que isso só podia dar merda. Eu achava ridículo demais também aquele papo do Trotsky de que que haveria milhares de Goethes com o comunismo. Pô, como ele podia dizer aquilo? Era propaganda ideológica deslavada! O problema é que ficou um respeito residual pela, hm, "figura intelectual" do Marx e cia. Já sabia que ele era um babaca como pessoa (vide o modo cachorro como lidou com Bakunin), mas ele ainda me parecia útil como intelectual, apesar dos pesares.

Sou fã dessa turma toda aí que você citou. É como se fossem uma lufada de vento entrando numa janela aberta.

Abraços!

Tanja said...

"por uma janela"

Anonymous said...

Eu acho que vcs não devem ter nada de mais importante pra fazer... Aliás, nem sei o que eu estou fazendo aqui, perdendo tempo ao ler esse monte de lixo que vcs escreveram acima.
Já sei!!! Vcs estavam no shopping sem nada pra fazer e decidiram escrever esse monte de merda. Só pode ser isso!
Fodam-se!!!