Friday, March 14, 2008

Aconteceu (versão 2.0)

A impressão causada por quem a gente ama é sempre duradoura. Se fecho meus olhos, posso reimaginar experiências amorosas... Basta levar a minha atenção às depressões e vales que foram criados em mim. É estranho. Levo pelas mãos um eu diferente de mim mesma. Nós duas caminhamos por um ambiente que foi uma circunstância de outrora. Essa experiência está hoje dentro da minha imaginação. Só que eu não a recrio. Apenas a contemplo. Revivo todas as passagens. Não mais como protagonista. Só percebo como espectadora.

Quando você ama? Você enxerga por um instante os fios que unem as pessoas entre si. Também pode enxergar os que se cruzam e ligam toda as coisas entre si. Às vezes percebemos que todos esses fios na verdade não se originam nas coisas. Nem nas pessoas. O amor os ilumina de um jeito que a gente enxerga uma coisa estranha. Eles parecem vir e ter um fim em algo que ninguém consegue entender muito bem. Só que esse algo é que dá o sentido. Se olharmos direito, vamos ver fileiras de diamantes que se dobram no horizonte do mundo. Ninguém sabe para onde elas vão depois. Nem de onde elas vêm antes. Não importa desvendar esse enigma! Apenas é preciso 0bservar a teia formada por tantos cruzamentos. Ali é que aparece tecida a razão da nossa existência. Feita por um artista sensível. Essa é a melhor das contemplações!

E tudo começa com uma pessoa em especial tendo apenas que ser ela mesma...

6 comments:

Evelyn Mayer de Almeida said...

Uau...

Se todos fossem sinceros consigo próprios, transparentes e verdadeiros, tudo seria tão mais fácil...

Tô amando este seu lado delicado...
Escreva sempre mais assim!

Anonymous said...

"Aconteceu (versão 2.0)" + "Raiva Cósmica" = ?????

Bem enigmático. Ou talvez nem tanto.

NO.

Tanja Krämer said...

Ei, ei, ei! Quanto dá banana mais maçã? d:OP

Olha, Evelyn, nem sempre sou Mulher-Hulk. :-P

Anonymous said...

Banana mais maçâ mais Törless mais Musil mais Siouxsie and the Banshees mais Hölderlin, dividido por, digamos, Dylan Thomas, e elevado a Carl Philipp Emmanuel Bach. Pegue o resultado disso tudo e multiplique por, sei lá, Murray Rothbard.

Bom fim de semana.

NO.

Anonymous said...

Pô, mulher-hulk é dose. Verde e grande? Duvido.

NO.

Tanja Krämer said...

Ficarei verde com essa salada aí. :-) Bom final de semana para você também.