Wednesday, November 05, 2008

Agni Parthene

Esse hino é lindo demais! Adoro os ícones do vídeo também. Aqui a letra. Pena que a qualidade do som não seja muito legal.

Sunday, November 02, 2008

Prostituição e chiquismo

Vi uma ex-prostituta falando com voz esganiçada alguma coisa sobre a regulamentação da prostituição. A mulher falava tão rápido que não dava para entender coisa nenhuma. Ela até tirou um latim da bolsinha para explicar (errado) a etimologia da palavra "prostituta". (Nem lembro mais o que ela disse. Só sei que achei estranho e fui checar no dicionário.)

Mas que mania de regulamentação esse povo tem! A palavra tem um efeito mágico. As pessoas ficam mais felizes se se sentirem regulamentadas. Será que elas não se perguntam: "Mas quem vai regulamentar e garantir o que for estabelecido?" Só pode ser um poder acima das partes. Qualquer regulamentação implica enfraquecimento das partes. E por que neguinho acha tão gostoso ver o salário mordido por um burocrata? É provável que as prostitutas lucrem mais do jeito que estão. Sem contar essa mania de formalidade. Por que tudo precisa ser formal/juramentado? Até prostituição?

Para falar a verdade, não estou nem aí. Só acho estranha essa mania de botar tudo debaixo das asas mocorongas do Estado.

@@@

Um monte de blog adotou o Amaury Jr.'s way of life. É a mania de chiquismo. Você toma coisas chiques, viaja para lugares chiques, come em lugares chiques. Tudo é esplendoroso. Expressões bregas como "viagem dos sentidos", "educação do paladar" e tais são usadas. Mas ainda tem a Tosquice Suprema. O chiquismo se torna parte integrante da formação humana! Então você imagina um Pitecantropo tomando caviar e queijinho sofisticado. De repente, pimba! O pitecantropo vira o Conde d'Eu por causa do processo digestivo. (Parece até um episódio da Pucca. Uns homens das cavernas daqueles bem rudes vêem uma roda e pá!, começam a tomar chazinho.) A Maria Antonieta tinha razão com aquela história de brioche. Mas não só acabaria com a fome. A França seria civilizada de vez. A Revolução Francesa só aconteceu porque os revolucionários não tiveram uma paidéia de brioches.

Ok, uma bebida pode ser uma maravilha. Comida idem. Mas pelamordedeus, é só isso. Uma comida, uma bebida gostosas. Você não vai virar um lorde porque foi a uma degustação. Se você era idiota, depois da degustação vai continuar sendo um idiota, só que mais feliz. E isso se você não achar nojento o pessoal provando vinho daquele jeito. Não racionalize da maneira mais fabulosa gostos pessoais.

E olha só uma coisa. Mesmo tonta eu sei que paladar não é nem o sentido mais, hm, elevado que temos. Só não faço citação pedante do Aristóteles porque estou com preguiça. Mas acho que é uma coisa que não precisa da alta filosofia grega para entender. Pense na quantidade de conhecimentos adquiridos pelo paladar (e pelo tato e olfato) e compare com os outros sentidos. Pense nas obras artísticas que você pode conhecer lambendo, tocando ou cheirando; compare com as que você conhece vendo ou ouvindo. Pense nos sentidos cuja privação mais prejudicariam a sua vida. Se deslumbrar com o paladar é uma espécie de revolução suburbana dos sentidos. Depois você não pode reclamar se alguém for mais além e se deslumbrar com o toque, o esfrega-esfrega, o rala-e-rola...

Essa exaltação do Amaury Jr.'s way of life é uma presepada. Sem contar que você fica parecendo uma daquelas pessoas de 53 anos que curtem Kenny G. Sai pra lá, jacaré.

Wednesday, October 15, 2008

Heródoto

Gerrit van Honthorst. Sólon e Creso. 1624

O diálogo clássico entre Sólon e Creso. Sólon fala sobre a felicidade e a instabilidade das coisas humanas. Conforme Heródoto, História, 1, 30-3 (tradução do The Perseus project):

XXX. So for that reason, and to see the world, Solon went to visit Amasis in Egypt and then to Croesus in Sardis. When he got there, Croesus entertained him in the palace, and on the third or fourth day Croesus told his attendants to show Solon around his treasures, and they pointed out all those things that were great and blest. [2] After Solon had seen everything and had thought about it, Croesus found the opportunity to say, “My Athenian guest, we have heard a lot about you because of your wisdom and of your wanderings, how as one who loves learning you have traveled much of the world for the sake of seeing it, so now I desire to ask you who is the most fortunate man you have seen.” [3] Croesus asked this question believing that he was the most fortunate of men, but Solon, offering no flattery but keeping to the truth, said, “O King, it is Tellus the Athenian.” [4] Croesus was amazed at what he had said and replied sharply, “In what way do you judge Tellus to be the most fortunate?” Solon said, “Tellus was from a prosperous city, and his children were good and noble. He saw children born to them all, and all of these survived. His life was prosperous by our standards, and his death was most glorious: [5] when the Athenians were fighting their neighbors in Eleusis, he came to help, routed the enemy, and died very finely. The Athenians buried him at public expense on the spot where he fell and gave him much honor.”

XXXI. When Solon had provoked him by saying that the affairs of Tellus were so fortunate, Croesus asked who he thought was next, fully expecting to win second prize. Solon answered, “Cleobis and Biton. [2] They were of Argive stock, had enough to live on, and on top of this had great bodily strength. Both had won prizes in the athletic contests, and this story is told about them: there was a festival of Hera in Argos, and their mother absolutely had to be conveyed to the temple by a team of oxen. But their oxen had not come back from the fields in time, so the youths took the yoke upon their own shoulders under constraint of time. They drew the wagon, with their mother riding atop it, traveling five miles until they arrived at the temple. [3] When they had done this and had been seen by the entire gathering, their lives came to an excellent end, and in their case the god made clear that for human beings it is a better thing to die than to live. The Argive men stood around the youths and congratulated them on their strength; the Argive women congratulated their mother for having borne such children. [4] She was overjoyed at the feat and at the praise, so she stood before the image and prayed that the goddess might grant the best thing for man to her children Cleobis and Biton, who had given great honor to the goddess. [5] After this prayer they sacrificed and feasted. The youths then lay down in the temple and went to sleep and never rose again; death held them there. The Argives made and dedicated at Delphi statues of them as being the best of men.”

XXXII. Thus Solon granted second place in happiness to these men. Croesus was vexed and said, “My Athenian guest, do you so much despise our happiness that you do not even make us worth as much as common men?” Solon replied, “Croesus, you ask me about human affairs, and I know that the divine is entirely grudging and troublesome to us. [2] In a long span of time it is possible to see many things that you do not want to, and to suffer them, too. I set the limit of a man's life at seventy years; [3] these seventy years have twenty-five thousand, two hundred days, leaving out the intercalary month.1 But if you make every other year longer by one month, so that the seasons agree opportunely, then there are thirty-five intercalary months during the seventy years, and from these months there are one thousand fifty days. [4] Out of all these days in the seventy years, all twenty-six thousand, two hundred and fifty of them, not one brings anything at all like another. So, Croesus, man is entirely chance. [5] To me you seem to be very rich and to be king of many people, but I cannot answer your question before I learn that you ended your life well. The very rich man is not more fortunate than the man who has only his daily needs, unless he chances to end his life with all well. Many very rich men are unfortunate, many of moderate means are lucky. [6] The man who is very rich but unfortunate surpasses the lucky man in only two ways, while the lucky surpasses the rich but unfortunate in many. The rich man is more capable of fulfilling his appetites and of bearing a great disaster that falls upon him, and it is in these ways that he surpasses the other. The lucky man is not so able to support disaster or appetite as is the rich man, but his luck keeps these things away from him, and he is free from deformity and disease, has no experience of evils, and has fine children and good looks. [7] If besides all this he ends his life well, then he is the one whom you seek, the one worthy to be called fortunate. But refrain from calling him fortunate before he dies; call him lucky. [8] It is impossible for one who is only human to obtain all these things at the same time, just as no land is self-sufficient in what it produces. Each country has one thing but lacks another; whichever has the most is the best. Just so no human being is self-sufficient; each person has one thing but lacks another. [9] Whoever passes through life with the most and then dies agreeably is the one who, in my opinion, O King, deserves to bear this name. It is necessary to see how the end of every affair turns out, for the god promises fortune to many people and then utterly ruins them.”

XXXIII. By saying this, Solon did not at all please Croesus, who sent him away without regard for him, but thinking him a great fool, because he ignored the present good and told him to look to the end of every affair.



Creso só entende a lição depois de ter sido capturado e condenado à morte por Ciro. Prestes a morrer, ele fala a Ciro. O rei persa se admira e manda libertá-lo. História, 1, 86-9:

LXXXVI. The Persians gained Sardis and took Croesus prisoner. Croesus had ruled fourteen years and been besieged fourteen days. Fulfilling the oracle, he had destroyed his own great empire. The Persians took him and brought him to Cyrus, [2] who erected a pyre and mounted Croesus atop it, bound in chains, with twice seven sons of the Lydians beside him. Cyrus may have intended to sacrifice him as a victory-offering to some god, or he may have wished to fulfill a vow, or perhaps he had heard that Croesus was pious and put him atop the pyre to find out if some divinity would deliver him from being burned alive. [3] So Cyrus did this. As Croesus stood on the pyre, even though he was in such a wretched position it occurred to him that Solon had spoken with god's help when he had said that no one among the living is fortunate. When this occurred to him, he heaved a deep sigh and groaned aloud after long silence, calling out three times the name “Solon.” [4] Cyrus heard and ordered the interpreters to ask Croesus who he was invoking. They approached and asked, but Croesus kept quiet at their questioning, until finally they forced him and he said, “I would prefer to great wealth his coming into discourse with all despots.” Since what he said was unintelligible, they again asked what he had said, [5] persistently harassing him. He explained that first Solon the Athenian had come and seen all his fortune and spoken as if he despised it. Now everything had turned out for him as Solon had said, speaking no more of him than of every human being, especially those who think themselves fortunate. While Croesus was relating all this, the pyre had been lit and the edges were on fire. [6] When Cyrus heard from the interpreters what Croesus said, he relented and considered that he, a human being, was burning alive another human being, one his equal in good fortune. In addition, he feared retribution, reflecting how there is nothing stable in human affairs. He ordered that the blazing fire be extinguished as quickly as possible, and that Croesus and those with him be taken down, but despite their efforts they could not master the fire.


Apolo salvou Creso. Choveu.

###

Artamène ou le Grand Cyru. Maior romance de todos os tempos. Sucesso quando lançado. Número de páginas da edição original: mais de 13000. Vai encarar?

###

Gosto muito do Heródoto. O livro é fantástico. Vale a pena enfrentá-lo.

Parece prolixo. Vive contando histórias de pescador. Mas aí que está. Não é que ele seja crédulo. Nem que goste de enrolar. Todas os fatos importantes e/ou maravilhosos merecem a atenção do Heródoto. Outra coisa. Talvez ele seja um dos gregos que menos olhava para o próprio umbigo. Vivia na periferia do mundo grego. Estava mais próximo de outros povos. Só mais tarde é que foi para Atenas. Era mais fácil para ele ter uma visão de conjunto sine ira et studio. A introdução não deixa dúvidas. O assunto são os feitos gloriosos dos gregos e dos bárbaros. Tudo culmina nas Guerras Médicas. Os fatos são registrados para que não caiam no esquecimento. A inspiração é quase estética. É a descrição do maravilhoso nos acontecimentos humanos. Os editores mais tarde dividiram a obra em nove livros, cada um com o nome de uma musa. Não foi por acaso. São cantos em prosa. Nem é por acaso também que as pessoas gostassem tanto de ouvir aqueles relatos. O livro do Heródoto é uma epopéia em prosa. Uma Ilíada fruto da investigação filosófica daqueles tempos. Afinal, ele era filho de uma Jônia que tinha dado tantos filósofos ilustres.

Nem é justo dizer que o Heródoto não tinha senso crítico. Pelo contrário! A delimitação do assunto, a busca pelas causas da guerra entre gregos e persas, a citação de testemunhas... Existe método sim, senhor! O livro parece às vezes frouxo porque nenhum assunto maravilhoso pode ficar de fora. Sem contar que só um mestre pode articular tanta coisa, sempre com um único propósito. Também é impressionante como ele dá liberdade de direito às fontes. Várias vezes ele põe em dúvida o relato das testemunhas. Mas é um juiz imparcial. Elas têm o direito de contar as versões delas.

Uma das maiores diferenças entre Tucídides e Heródoto é o papel do homem na história. Ambos colocam o homem no centro dos acontecimentos. Mas Tucídides busca uma explicação política dos eventos. Heródoto achava que tudo estava submetido à roda da fortuna. Existe uma instabilidade misteriosa no mundo. Como explicar a derrota do poderoso império Persa? Até hoje, por mais elaboradas que sejam as explicações, aquele acontecimento sempre parece misterioso. Heródoto diz que existem sinais do que vai ocorrer. Porém a gente vive como cegos. Entendemos mal os avisos. A sorte momentânea cria uma ilusão. Só um grande sábio como Sólon tem consciência "antecipada" da fragilidade da vida. Esse tema abre e fecha o livro. Ele é explicitado na vida do Creso e desemboca na desventura do Xerxes. O surgimento e a destruição dos impérios são apenas a manifestação em grande escala dessa verdade. Ela é aplicável à vida de cada pessoa (a vida do Creso une essa verdade nos dois aspectos). Não deixa de ser uma concepção pessimista dos assuntos humanos. Até trágica. Só que existe o outro lado da moeda. Tudo isso é evidência do fantástico. Se as causas estão afastadas de nós, então o que vemos são rastros do divino. A História é também um testemunho piedoso.

Saturday, October 11, 2008

One hundred billion dollars



Uns meses atrás, o governo do Zimbábue emitiu uma nota de 100 bilhões de dólares para ver se dava um jeito na economia. Lógico que salvou. As girafinhas da nota estão felizes agora (os fofoqueiros disseram que elas casaram).

Achou o valor bizarro? Você não sabe de nada... A Hungria já foi bem mais punk. Em 1946, ela lançou a notona de um sextilhão de pengo (nome do antigo dinheiro de lá). Para quem gosta de ver número, é assim:

1 000 000 000 000 000 000 000

Saca só a nota dos caras (e coitada da dona que passou a vergonha de ser estampada nesse lixo):



Só serviu para dar trabalho aos garis húngaros.

Mas que mané salvar a economia do Zimbábue. O Dr. Robert Mugabe quer é salvar o mundo! Ele bolou um plano para enganar o Dr. Evil!



Será que o vilão cai nessa?

Dá-lhe, Dr. Mugabe! Depois de fazer tantas faculdades na cadeia, tinha que virar mesmo um grande humanista!

Thursday, October 09, 2008

Tempestade e sol

O PT levou uns 20 anos para chegar à presidência. A esquerda levou uns 30 anos para se firmar no poder. A militância esquerdista vem de uns 80 anos atrás.

Eles não vão abandonar fácil o poder.

O Olavo vive dizendo que a direita foi destruída. Que devemos refazê-la. Que só mais tarde ela terá frutos na política.

Um exercício. Tome as informações acima e responda quando a direita chegará ao poder. Eu chutaria entre 2075 e 2110. Se o mundo ainda existir, claro.

Mas o negócio é ouvir Queen! É uma das bandas que mais gosto. Original (às vezes não, porque é preciso botar comida na geladeira), divertida (ou burlesca?) e com grandes músicos (mas a voz do F. Mercury é superestimada). Todos os shows eram fantásticos!

O vídeo a seguir é de um show em 79, Japão. Músicas: We will rock you e Let me entertain you. Excelentes! Uma pena a qualidade do som estar meia-boca. Agora, e o visual sado-masô-oficial-SS do F. Mercury? Até que está elegante perto do ele costumava usar... (Na década de 80 eles começaram a ter um visual mais decente. Uma pena. A extravagância fazia parte.)



Tenho que colocar mais uma música! Que tal Ogre battle? O som está uma beleza.



Para fechar, Liar. É do primeiro álbum. Às vezes acho que ele é meio datado. Não sei. Mas gosto bastante dele. (Essa versão é de estúdio).

Sunday, October 05, 2008

Eleição carioca

"Sempre ouvindo asneirões, calado sempre!
O fel conter da sátira, não posso."



Vou lá exercer meu direito de cidadã, qué qué qué.

Acho que essa gente merece August 1968 também:

The Ogre does what ogres can,
Deeds quite impossible for Man,
But one prize is beyond his reach:
The Ogre cannot master speech.

About a subjugated plain,
Among it's desperate and slain,
The Ogre stalks with hands on hips,
While drivel gushes from his lips.


Combo recitado:

Friday, October 03, 2008

Camille Flammarion: Astronomy for Amateurs

INTRODUCTION


The Science of Astronomy is sublime and beautiful. Noble, elevating, consoling, divine, it gives us wings, and bears us through Infinitude. In these ethereal regions all is pure, luminous, and splendid. Dreams of the Ideal, even of the Inaccessible, weave their subtle spells upon us. The imagination soars aloft, and aspires to the sources of Eternal Beauty.

What greater delight can be conceived, on a fine spring evening, at the hour when the crescent moon is shining in the West amid the last glimmer of twilight, than the contemplation of that grand and silent spectacle of the stars stepping forth in sequence in the vast Heavens? All sounds of life die out upon the earth, the last notes of the sleepy birds have sunk away, the Angelus of the church hard by has rung the close of day. But if life is arrested around us, we may seek it in the Heavens. These incandescing orbs are so many points of interrogation suspended above our heads in the inaccessible depths of space.... Gradually they multiply. There is Venus, the white star of the shepherd. There Mars, the little celestial world so near our own. There the giant Jupiter. The seven stars of the Great Bear seem to point out the pole, while they slowly revolve around it... What is this nebulous light that blanches the darkness of the heavens, and traverses the constellations like a celestial path? It is the Galaxy, the Milky Way, composed of millions on millions of suns!... The darkness is profound, the abyss immense... See! Yonder a shooting star glides silently across the sky, and disappears!...

Who can remain insensible to this magic spectacle of the starry Heavens? Where is the mind that is not attracted to these enigmas? The intelligence of the amateur, the feminine, no less than the more material and prosaic masculine mind, is well adapted to the consideration of astronomical problems. Women, indeed, are naturally predisposed to these contemplative studies. And the part they are called to play in the education of our children is so vast, and so important, that the elements of Astronomy might well be taught by the young mother herself to the budding minds that are curious about every issue--whose first impressions are so keen and so enduring.

Throughout the ages women have occupied themselves successfully with Astronomy, not merely in its contemplative and descriptive, but also in its mathematical aspects. Of such, the most illustrious was the beautiful and learned Hypatia of Alexandria, born in the year 375 of our era, public lecturer on geometry, algebra, and astronomy, and author ofthree works of great importance. Then, in that age of ignorance and fanaticism, she fell a victim to human stupidity and malice, was dragged from her chariot while crossing the Cathedral Square, in March, 415, stripped of her garments, stoned to death, and burned as a dishonored witch!

Among the women inspired with a passion for the Heavens may be cited St. Catherine of Alexandria, admired for her learning, her beauty and her virtue. She was martyred in the reign of Maximinus Daza, about the year 312, and has given her name to one of the lunar rings.

Another celebrated female mathematician was Madame Hortense Lepaute, born in 1723, who collaborated with Clairaut in the immense calculations by which he predicted the return of Halley's Comet. "Madame Lepaute," wrote Lalande, "gave us such immense assistance that, without her, we should never have ventured to undertake this enormous labor, in which it was necessary to calculate for every degree, and for a hundred and fifty years, the distances and forces of the planets acting by their attraction on the comet. During more than six months, we calculated from morning to night, sometimes even at table, and as the result of this forced labor I contracted an illness that has changed my constitution for life; but it was important to publish the result before the arrival of the comet."

This extract will suffice for the appreciation of the scientific ardor of Madame Lepaute. We are indebted to her for some considerable works. Her husband was clock-maker to the King. "To her intellectual talents," says one of her biographers, "were joined all the qualities of the heart. She was charming to a degree, with an elegant figure, a dainty foot, and such a beautiful hand that Voiriot, the King's painter, who had made a portrait of her, asked permission to copy it, in order to preserve a model of the best in Nature." And then we are told that learned women can not be good-looking!...

The Marquise du Châtelet was no less renowned. She was predestined to her career, if the following anecdote be credible. Gabrielle-Émilie de Breteuil, born in 1706 (who, in 1725, was to marry the Marquis du Châtelet, becoming, in 1733, the most celebrated friend of Voltaire), was four or five years old when she was given an old compass, dressed up as a doll, for a plaything. After examining this object for some time, the child began angrily and impatiently to strip off the silly draperies the toy was wrapped in, and after turning it over several times in her little hands, she divined its uses, and traced a circle with it on a sheet of paper. To her, among other things, we owe a precious, and indeed the only French, translation of Newton's great work on universal gravitation, the famous Principia, and she was, with Voltaire, an eloquent propagator of the theory of attraction, rejected at that time by the Académie des Sciences.

Numbers of other women astronomers might be cited, all showing how accessible this highly abstract science is to the feminine intellect. President des Brosses, in his charming Voyage en Italie, tells of the visit he paid in Milan to the young Italian, Marie Agnesi, who delivered harangues in Latin, and was acquainted with seven languages, and for whom mathematics held no secrets. She was devoted to algebra and geometry, which, she said, "are the only provinces of thought wherein peace reigns." Madame de Charrière expressed herself in an aphorism of the same order: "An hour or two of mathematics sets my mind at liberty, and puts me in good spirits; I feel that I can eat and sleep better when I have seen obvious and indisputable truths. This consoles me for the obscurities of religion and metaphysics, or rather makes me forget them; I am thankful there is something positive in this world." And did not Madame de Blocqueville, last surviving daughter of Marshal Davout, who died in 1892, exclaim in her turn: "Astronomy, science of sciences! by which I am attracted, and terrified, and which I adore! By it my soul is detached from the things of this world, for it draws me to those unknown spheres that evoked from Newton the triumphant cry: 'Coeli enarrant gloriam Dei!'"

Nor must we omit Miss Caroline Herschel, sister of the greatest observer of the Heavens, the grandest discoverer of the stars, that has ever lived. Astronomy gave her a long career; she discovered no less than seven comets herself, and her patient labors preserved her to the age of ninety-eight. And Mrs. Somerville, to whom we owe the English translation of Laplace's Mécanique céleste, of whom Humboldt said, "In pure mathematics, Mrs. Somerville is absolutely superior." Like Caroline Herschel, she was almost a centenarian, appearing always much younger than her years: she died at Naples, in 1872, at the age of ninety-two. So, too, the Russian Sophie Kovalevsky, descendant of Mathias Corvinus, King of Hungary, who, an accomplished mathematician at sixteen, married at eighteen, in order to follow the curriculum at the University (then forbidden to unmarried women); arranging with her young husband to live as brother and sister until their studies should be completed. In 1888 the Prix Bordin of the Institut was conferred on her. And Maria Mitchell of the United States, for whom Le Verrier gave a fête at the Observatory of Paris, and who was exceptionally authorized by Pope Pius IX to visit the Observatory of the Roman College, at that time an ecclesiastical establishment, closed to women. And Madame Scarpellini, the Roman astronomer, renowned for her works on shooting stars, whom the author had the honor of visiting, in company with Father Secchi, Director of the Observatory mentioned above.

At the present time, Astronomy is proud to reckon among its most famous workers Miss Agnes Clerke, the learned Irishwoman, to whom we owe, inter alia, an excellent History of Astronomy in the Nineteenth Century; Mrs. Isaac Roberts, who, under the familiar name of Miss Klumpke, sat on the Council of the Astronomical Society of France, and is D. Sc. of the Faculty of Paris and head of the Bureau for measuring star photographs at the Observatory of Paris (an American who became English by her marriage with the astronomer Roberts, but is not forgotten in France); Mrs. Fleming, one of the astronomers of the Observatory at Harvard College, U.S.A., to whom we owe the discovery of a great number of variable stars by the examination of photographic records, and by spectral photography; Lady Huggins, who in England is the learned collaborator of her illustrious husband; and many others.

* * * * *

The following chapters, which aim at summing up the essentials of Astronomy in twelve lessons for amateurs, will not make astronomers or mathematicians of my readers--much less prigs or pedants. They are designed to show the constitution of the Universe, in its grandeur and its beauty, so that, inhabiting this world, we may know where we are living, may realize our position in the Cosmos, appreciate Creation as it is, and enjoy it to better advantage. This sun by which we live, this succession of months and years, of days and nights, the apparent motions of the heavens, these starry skies, the divine rays of the moon, the whole totality of things, constitutes in some sort the tissue of our existence, and it is indeed extraordinary that the inhabitants of our planet should almost all have lived till now without knowing where they are, without suspecting the marvels of the Universe.

* * * * *

For the rest, my little book is dedicated to a woman, muse and goddess -- the charming enchantress Urania, fit companion of Venus, ranking even above her in the choir of celestial beauties, as purer and more noble, dominating with her clear glance the immensities of the
universe. Urania, be it noted, is feminine, and never would the poetry of the ancients have imagined a masculine symbol to personify the pageant of the heavens. Not Uranus, nor Saturn, nor Jupiter can compare with the ideal beauty of Urania.

Moreover, I have before me two delightful books, in breviary binding, dated the one from the year 1686, the other from a century later, 1786. The first was written by Fontenelle for a Marquise, and is entitled Entretiens sur la Pluralité des Mondes. In this, banter is pleasantly married with science, the author declaring that he only demands from his fair readers the amount of application they would concede to a novel. The second is written by Lalande, and is called Astronomie des Dames. In addressing myself to both sexes, I am in honorable company with these two sponsors and esteem myself the better for it.

Wednesday, October 01, 2008

Pró Beethoven (e Händel)

Já que não escrevo mais nada por aqui, melhor ouvir Beethoven. É o último movimento da Sonata para violino e piano em sol maior op.96. Se a sua alma arrebentar, peça ao caça-Beethoven de plantão um remendo.



Será que sua alma não dilacerou na primeira música? Ela vai estourar com certeza na ária Empio, dirò, tu sei, da ópera Giulio Cesare.

Situação. O César (com voz de contralto) está puto da vida depois de ver o "presentinho" do Ptolomeu... A cabeça do Pompeu! Então ele diz para o Áquila (funcionário estatal e puxa-saco do Ptolomeu) o seguinte (e saca só a coloratura dessa ária):



Vamos agora torcer para que os caça-Beethoven não arrumem tempo para excomungar o Händel também.

Tuesday, September 23, 2008

Korobeiniki

Korobeiniki (ou Korobushka) é uma cançãozinha russa. Teste sua pronúncia de russo e cante!



Agora, uma outra versão. É legal ver o pessoal tocando com aquelas roupas típicas. E as balalaikas, hein?



Olha, não sei se alguma uma russa se veste daquele jeito mesmo. Só sei que eu adoraria ter uma roupa assim! Vai ver serviu de inspiração para as roupas da Rainha Amidala.

Uma versão instrumental para fechar. Com o Theo Bikel. De vez em quando alguém grita alguma coisa. Só faltava ser "Chora, balalaika!" em russo (ou ídiche).

Thursday, September 18, 2008

Ciência moderna

(Meio resfriada; mas vamos lá.)

Vez ou outra alguma múmia manca aparece com a história de que a ciência moderna e o cristianismo são que nem água e óleo. Alto lá. Descartes era um carola. Copérnico e Nicolau de Cusa eram padres. Galileu era cristão. Mesmo quando aparecia um porra-louca tipo Giordano Bruno, era gente do meio eclesiástico. (Ok, herege. Teje excomungado. Isso não invalida meu ponto.) E Kepler? O homem chegou a estudar para se tornar pastor. Você pensa que foi delírio de juventude? Ele publicou aos 40 anos De Vero Anno quo Aeternus Dei Filius Humanam Naturam in Utero Benedictae Virginis Mariae Assumpsit (cujo título não vou traduzir porque sou esnobe e acho que está na cara o que significa).

Filiação religiosa não significa repetição doutrinária ipsis litteris (mais latim moleza). Tudo bem. Mas será que esses cientistas eram tão manés que nunca desconfiaram que faziam algo anti-religioso ou "original"? Essa hipótese é cachorra demais. O único que pensou nisso (Bruno) era meio pancada. (Para falar a verdade, ele nem era lá um cientista.)

O ponto fundamental é o seguinte. O cristianismo é uma doutrina cosmológica? Neca de pitibiriba*. O conhecimento cosmológico (seja qual for) é uma doutrina religiosa? Não (ou não deveria ser). Então cadê a contradição entre ciência moderna e cristianismo? Na cabeça das múmias mancas!

O problema da ciência moderna é (pelo menos em aparência) com o Sr. Aristóteles. Mesmo assim, sabe-se lá Deus até que ponto ele era compreendido.

Como hoje em dia quase ninguém leu o dito cujo (entenda-se: a Física, Do Céu... Ptolomeu é outro que quase ninguém leu, menos ainda que Aristóteles), ninguém sabe direito sobre o que os cientistas modernos falavam (ou deixavam de falar, o que é importante também). O jeito é apelar para aqueles chavões do tipo: "Passaram da visão teocêntrica para antropocêntrica". Como todo chavão, ele tem lá a sua verdade. O problema é entender direitinho qual é.

(Por sinal, acho que desconhecer a Física e o Almagesto torna a própria ciência moderna ininteligível do ponto de vista histórico. Como você vai entender seu surgimento, seu desenvolvimento, se não conhece nada daqueles livros? Nem me venha com a história de que o Almagesto é muito técnico. Até parece que você achou conferiu tranqüilão todos os cálculos do Copérnico e do Kepler.)

*Se bem que alguns dados da Revelação podem influenciar certas especulações cosmológicas. Um que me lembro agora é a questão da criação do mundo.

Friday, September 12, 2008

Bonitão


O bonitão da foto é... Adivinha.

Dica moleza. Ele disse num momento difícil: "Tudo está perdido. Desisto. O que Lênin fundou, nós f*****s." Depois: "Nós f*****s, c*****s tudo."

Thursday, September 11, 2008

"Poeticidade"

Mais alguma mente doentia achou que "caber nos anos com tanta precisão" soa engraçado?

Monday, September 08, 2008

Scorpions

Os caras do Scorpions dedicaram um show à Amazônia. Antes, os compositores dedicavam obras à amada imortal. Hoje, as áreas geográficas são mais excitantes.

Disse Klaus Meine: "Quando nós sobrevoamos um país tão belo como o Brasil para vir tocar para vocês, é muito triste ver o fogo queimando as matas". Na mesma reportagem: "[T]elões espalhados pela casa de shows mostravam cenas da Amazônia e das ações de ambientalistas em prol da floresta, sendo este tema o mais abordado por Klaus Meine durante o show."

Ok. Três coisas que não consigo compreender:

1 - Você ir ao show do Scorpions para ganhar de brinde lição de ambientalismo;
2 - Você ter que aturar Scorpions dando lição de moral;
3 - Você ir ao show do Scorpions.

Lição: se até Scorpions te esculhamba, sua reputação desceu pela privada faz tempo.

Saturday, August 30, 2008

Lugares inviáveis

Vi um trechinho de um programa sobre terrorismo. Tinha rolado mais um fuzuê num desses lugares que só tem baixaria. Gente berrando pela destruição dos EUA, fuzil na mão. Às vezes bazuca. Coisas assim. (Variação da baixaria. Um cara morre; um monte de gente fica andando na rua dando tiro para o alto.) Os policiais (ou o exército, sei lá) tinham cara de coadjuvantes do Chaves. Sobravam bigodudos. Meu Deus, não confio em bigodudos. Um diplomata dos EUA disse algo como "95% da população não é confiável."

Esse lugar não é só ruim. Ele é inviável.

Nem uma sociedade maori era viável. O canibalismo e infanticídio rolavam soltos. Uma gente ótima:

Infanticide was also widely practised because tribes wanted men to be warriors, and mothers often killed their daughters by smothering them or pushing a finger through the soft tissue of the skull. The widespread practice of cannibalism was part of a post-battle rage. 'One of the arguments is really if you want to punish your enemy killing them is not enough. If you can chop them up and eat them and turn them into excrement that is the greatest humiliation you can impose on them,' says Moon. 'The amount of evidence is so overwhelming it would be unfair to pretend it didn't happen. It is too important to ignore.'


Veja. Os maoris eram uma gente que comia os inimigos só pelo prazer de transformá-los em merda. Isso sem contar o infanticídio. Êta povinho escroto.

Outros povos eram tão escrotos quanto. Como os maias:

'Archaeologists for a long time believed the ancient Maya to be gentle and peaceful people. We now know that Maya warfare was intense, chronic, and unresolvable, because limitations of food supply and transportation made it impossible for any Maya principality to unite the whole region in an empire, in the way the Aztecs and Incas united Central Mexico and the Andes, respectively….Captives were tortured in unpleasant ways depicted clearly on the monuments and murals (such as yanking fingers out of sockets, pulling out teeth, cutting off the lower jaw, trimming off the lips and fingertips, pulling out the fingernails, and driving a pin through the lips), culminating (sometimes several years later) in the sacrifice of the captive in other equally unpleasant ways (such as tying the captive up into a ball by binding the arms and legs together, then rolling the balled-up captive down the steep stone staircase of a temple).'


E os astecas:

The practice of human sacrifice was common not just in Mesoamerica but in South America and elsewhere. The motivation was to repay the debt to the gods. Among the Aztecs, after it had been cut out by an obsidian blade, the still beating heart would be held out in front of the victim and towards the sky. Eating pieces of the victim's body afterwards was not uncommon.


Um momento. Vira e mexe alguém diz: "Os povos pré-colombianos [astecas, maias, incas] eram sofisticados. Mais que os europeus." Você leu o tipo de sofisticação deles. Por essas e outras, sempre vale a pena lembrar de Santo Agostinho. Uma passagem célebre de A cidade de Deus:

Onde não há justiça, não pode haver direito, e nenhum povo, mas apenas uma multidão que não merece o nome de povo.


Não tinham povos nas Américas. Tinham aglomerados de gente. Dá vontade de ter uma camisa do Cortés e Pizarro.

Aconteceu no séc. XX um revival maia-asteca. Pelo menos na Alemanha. As crueldades dos nazis às vezes lembram os povos pré-colombianos. Veja o exemplo da Ilse "Filha do Capeta" Koch:

During World War 2 the infamous Ilse Koch was known as the Bitch of Buchenwald for her bestial cruelty and sadistic behavior. She was the wife of Karl Koch, the Kommandant of Buchenwald, and struck fear into the inmates daily. She was especially fond of riding her horse through the camp, whipping any prisoner who attracted her attention. Her hobby was collecting lampshades, book covers, and gloves made from the skins of specially murdered concentration camp inmates, and shrunken human skulls.


A própria I. Koch se achava parecida com alguém das tribos canibais do sul:

'It is more interesting that Frau Koch had a lady's handbag made out of the same material. She was just as proud of it as a South Sea island woman would have been about her cannibal trophies.'


Não que os nazis tenham sido os únicos a adotar o estilo maia-asteca de governar. A URSS, Cuba, China e outros países comunas foram até piores. O livro negro do comunismo está repleto de fatos terríveis.

Perto dessas baixarias, a Inquisição não passava de uma reunião da Tiara Tea Society.

O Brasil pode estar cheio de escrotidões. Ok. Mas caraca! Compara com certos lugares. Uns países parecem filmes policiais de baixo orçamento. Outros parecem coisa do H.P. Lovecraft. (Tem país tão estranho que dá até para desconfiar que está cheio de zumbis, harpias, goblins, essa coisa toda.) O Brasil não chegou a esse ponto. Ainda.


###


50 mil homicídios por ano no Brasil. Bem que isso nos faz "uma multidão que não merece o nome de povo". Quem anda tranqüilo na rua? A coisa anda tão feia que às vezes, quando somos roubados, tem quem diga que a culpa é nossa. "Ah, ela fica andando com celular, bem feito". Daqui a pouco, só de a gente ter dois braços e duas pernas vai ser motivo de roubo.

Vale discutir o valor da liberdade numa situação dessas? Tenho um blog chamado Conversas Bizantinas. Mas uma discussão dessas é que parece bizantina! É como debater as contribuições de Ulpiano enquanto Alarico saqueia Roma. Não dá! E por falar em romano, as palavras imortais do Cícero: "Mais vale morrer mil vezes do que não poder andar na própria cidade sem a escolta de gente armada."

É uma situação deprimente.

Se é para discutir alguma coisa, acho melhor o seguinte: é possível haver liberdade em meio ao vício? Não é uma questão beata. É um problema sério. Antes de pensar na liberdade, a gente precisa pensar na justiça.

A justiça ainda é norma no Brasil. Ainda dá para apelar à ordem. Olha o caso das bizarrices dos maoris, maias, astecas, nazis e comunistas. A justiça não valeria nada para eles. A mesma coisa naquelas buracos onde se acha bonito mandar foguetes na cabeça dos outros. A situação está feia? Está. Mas existe ainda a possibilidade de justiça.

A criminalidade é a escrotice que mais dói.

Uma historinha real para fechar a conta. Uma amiga procurava onde morar. Foi ver uma casa no Catumbi (um lugar esquisito aqui no Rio). Estava baratinha. Ela perguntou a um cara que morava ao lado:

- Moço, essa casa tá a venda?
- Tá sim.
- Aqui é tranqüilo?
- Se a senhora acha que tiroteio é tranqüilo, todo dia aqui é muito tranqüilo. A senhora não vê jornal? Aqui aparece todo dia!

Ela não quis saber mais de Catumbi nenhum.

Tuesday, August 26, 2008

Fanfarronices

O Eduardo "Lobotomizado" Suplicy é retardado. Alguma duvida? Que tal vê-lo recitando e dramatizando Racionais MC's no Senado? É lindo. O mais legal é que nem ele consegue levar a sério o que está dizendo.



Será que tem coisa pior? Se depender do PSOL, tem. É o caso do travequinho tirando a roupa na Assembléia de São Paulo. Tudo graças a um vereador mongolóide do PSOL



Você ainda leva esses caras a sério?

Sunday, August 24, 2008

Tarja Turunen

A Tarja Turanen é o Andrea Bocelli do rock. Com ou sem Nightwish, é metal brega. Eu só não sabia que ela é admiradora do Paulo Coelho: "Li quase todos os livros dele. Sua obra me influenciou bastante." Hm... Ela também reclamou da falta de divulgação da cultura brasileira na Europa. Com certeza deve achar que o P. Coelho é nosso representante máximo: "É triste que a cultura brasileira não seja muito bem difundida pela Europa. Lá nós ouvimos um artista e não sabemos se ele vem do Brasil, da Argentina ou da Colômbia." Pois é, dá tudo na mesma chumbreguice. Agora, imagina essa cultura bastante difundida. Céus.

Fico emocionadérrima quando alguém faz questão de dizer que ela é soprano. Muitos acham que canto lírico e alta qualidade formam um combo. Opinião de caipira deslumbrado. É o mesmo que pensar que É o Tchan seria mais sofisticado se a Svetlana Zakharova rebolasse no lugar da Scheila Carvalho. Se uma dessas dançarinas rebolasse num violino, com certeza não faltaria quem visse nisso uma transgressão artística, logo, arte. É o fetichismo artístico. Pior, sem um pingo de conhecimento artístico decente. Basta ter os elementos exteriores da arte para o fulano considerar o conjunto de alto valor. Tem orquestra? Vocal lírico? Logo, sofisticado. Logo, alta qualidade. Metallica caiu nessa. Embregou-se ao cometer o S&M. Até eu que gostava do Load e do Reload detestei. (Proposta de tese aos fanáticos: o paradigma metallico pós-Black Album.)

(Lembrei de uma coisa. Aconteceu numa apresentação de música clássica/erudita/ocidental. Quatro pessoas estavam perto de mim. Eram duas mulheres (uns 40 anos cada) e dois garotos (16 anos cada). Os garotos: mulatinhos, roupa humilde, bonezinho, concentrados. As mulheres: branquinhas, cara de quem fez curso de humanas, faladeiras. Pela expressão, elas pareciam ter acabado de papear com São Pedro em pessoa. Estavam MUITO satisfeitas! Não era com a música, porque a apresentação nem tinham começado. A expressão continuou igual até o fim. No intervalo e na saída, elas gesticulavam e falavam alguma coisa que eu não conseguia entender. Os olhos chegavam a brilhar. Elas não piscavam. Era um troço esquisito. Do nada a minha ficha caiu: elas trabalhavam com jovens pobres. Talvez fossem de alguma ONG. Ou malucas pedófilas. Ou tomaram ecstasy. Ou tudo junto. Sei lá. Mas era claro que elas estavam com seus pobrinhos de estimação. Elas estavam apresentando àqueles dois as vias da salvação. O "trabalho social" é fetiche. Um dever sagrado. Claro que eu achava uma graça enorme daquilo.)

Não é que eu tenha raiva do estilo musical da T. Turanen, não. Só acho um saco. É kitsch pra cacete. Quanto às letras, bem, ela gosta de Paulo Coelho, não é mesmo? Passo a régua.

Saturday, August 23, 2008

Meninos-lobos

Outro dia eu estava no ônibus quando entrou um pessoal com cara de subdesenvolvido. Nem dava para entender o que diziam. Era um negócio como "KAPUTALELÊ". Falavam alto. Logo passaram aos palavrões, "cantando". Eram Beavis e Butt-Head funkeiros, piorados e mal-encarados.

É muito difícil eu me emputecer. Naquela hora eu quase virei Mulher-Hulk. Como eu lia Camões, fiquei pensando nalgum gentil-homem dando um jeito naqueles palhaços. Nem precisava cravar a espada, não. Só uma chicotadazinha no rabo e pronto. Mas não tinha nenhum gentil-homem no ônbus. O jeito foi ter que aturar.

(E olha que o ônibus estava indo para a zona sul. Outros lugares tem pior fama. Com razão. Vou dar um exemplo. Os ônibus na Central que vão para certos lugares desolados só têm gente bizarra.)

Um amigo meu sempre diz que o Rio é a maior zona. Tem razão. Esses comportamentos horrendos já viraram rotina. Você está na sua no ônibus. De repente aparece um maluco e começa a falar merda. Isso quando não é um bando. Pior ainda quando sobra para você.

Muitos que se comportam assim têm menos de 18 anos. Sempre penso: "Professora, né? Só se me ensinarem o dim mak". Não nasci para ser domadora de bicho. É muito mais legal ficar na rua com uma placa de "compro ouro".

Tem gente que acha que escola é lugar para civilizar. Não, não. O carinha já tem que saber regras básicas de convívio social.

Do jeito que está, parece que nas escolas só tem menino-lobo. Existe condição de ensinar desse jeito?

###

Imagina se eu colocasse na roda a maravilhosa tosquice escolar. Só incluiria na lista do Pedro um outro indício de nonsense. É que estudamos um produto made for kids. O mais normal é que ninguém leve adiante o que aprendeu na escola. A gente cresce e mantém opiniões, er, "intelectuais" da época da TV Colosso ou Estrela Patrine. (Se você já era burro-velho quando passavam essas coisas, não tenho culpa.) Isso só serve para dar uma falsa sensação de conhecimento. Mais atrapalha que ajuda.

Friday, August 22, 2008

Greve, passeata

O assunto cansa a minha beleza. Mas vamos lá. Outro dia rolou (de novo) uma greve dos funcionários da Cedae. Disseram que quase todos (70%) aderiram. Você sentiu alguma diferença? Não percebi nadinha. Todo mundo com quem andei conversando a respeito semana passada também não. Tinha gente que nem sabia o que aconteceu. Não notem niguém fedido na rua. Pelo menos mais que o normal.

Raciocina comigo. A empresa deu conta do recado com 30% do efetivo. O que a maioria faz por lá então?

Imagino que a rotina desse pessoal seja assim:

8h: desenho
11h: almoço
12h: sobremesa
12h30: sesta
13h30: Nintendo
15h15: trabalho
15h20: fofoca
15h24: discussão sobre a próxima greve
15h54: adiós, muchachos

Trabalhar na Cedae até parece uma colônia de férias por outros meios.

Coincidência ou não (nunca é, mas enfim), aconteceu também uma passeata de privilegiados do Estado (porque servidores somos nós, lacaios) em frente ao Palácio das Laranjeiras. Motivo: pedição de grana. Claro, com lindos adornos. Melhoria nos serviços etc. Se o governo (que também não vale nada) bate o pezinho, aí eles reclamam: "Descaso com a saúde! Descaso com a educação!" Mordomia agora tem outro nome. Me engana que eu gosto.

Procurei no jornal Inverta (que só eu e mais três pessoas lêem) alguma coisa sobre os dois assuntos. Topei com um editoral sobre a Cedae:

Greve na CEDAE

Os trabalhadores da CEDAE (Companhia de Águas e Esgotos do Estado do Rio de Janeiro) entraram em greve de 24 horas com indicativo de paralisação geral pela intransigência dos patrões em não aceitar negociar o acordo coletivo da categoria, que é sempre negociado em 1º de Maio. As questões principais para os cedaeanos são a garantia no emprego e a manutenção da jornada de trabalho de 40h semanais, ou seja, os trabalhadores querem impedir o desemprego, e, com o aumento da jornada de trabalho, maior exploração dos funcionários da empresa, já que a proposta de aumento salarial não existe. A greve tem como objetivo provocar a abertura dos canais de negociação trabalhista porque os chefões da empresa já ajuizaram nos tribunais trabalhistas suas propostas de mais exploração e garantia de desemprego a qualquer momento já que as ameaças começaram.


"Patrões", "chefões", "cedeanos". Ai, ai. Mas deixa esses termos para lá. Outra coisa é mais importante. Você pensou que peguei um editorial recente, não foi? Nada! Ele é de 2003. A mesma porcaria de antes se repete agora. Esses grevistas são robozinhos teleguiados.

Um trecho de outra matéria do Inverta:

Os trabalhadores da CEDAE estão dispostos a manter a tradição dos últimos anos e enfrentar o governo do Estado (Garotinho), a fim de evitar a continuação do sucateamento da empresa e impedir sua privatização, conquistar na luta um acordo coletivo onde: a recuperação das perdas salariais, a garantia de emprego, concurso público para melhoria dos serviços prestados à população; e somar-se à luta dos trabalhadores das empresas de saneamento básico do país inteiro, para impedir a privatização desse setor como quer o governo federal. Estas foram as falações feitas na Assembléia.


De novo, retocando aqui e ali, tudo poderia ser repetido hoje. As "falações cedaenas" (quase termo acadêmico) são de 2001. Slogans recicláveis.

A loucura tem método. Os privilegiados do Estado fazem greve como forma de pressão. Os pretextos lindos são só isso mesmo: pretextos. O que querem é desestabilizar tudo quando convém.

A verdade é que os serviços básicos estatais são ninho de comunas. Quer dizer que todo privilegiado estatal é comuna? Não. Mas os comunas sabem aproveitar as chances. Como ninguém quer saber de política, eles tomam a cabeça dos sindicatos. Outra coisa. Isso tudo significa que eles seqüestraram os serviços. Imagina um monte de fanáticos de prontidão, prestes a sabotar os serviços básicos de uma cidade a qualquer momento! Nem preciso martelar a gravidade da situação.

Pompeu dizia: "Se eu bater os pés no chão, surgiram legiões do nada para derrotar César." Depois ele tomou na cabeça... Mas quem controla essa gente do sindicato pode ser mais eficiente que Pompeu. Eles podem mesmo convocar uma cabeçada de gente do nada. Eles podem botar uma cidade como o Rio de Janeiro de joelhos. Eles são como Marco Antônio incitando a plebe a caçar os assassinos de César.

Thursday, August 21, 2008

Rússia contra Geórgia

Vídeo de uma operação humanitária russa na Geórgia. Impressionante. Cenas fortes.

Tuesday, August 19, 2008

Aviso e links legais

First things first:

Simpósio Internacional de Tradução Literária do Alemão para o Português
A tarefa do tradutor



Simpósio
25 a 28 de agosto 2008
Academia Brasileira de Letras
Av. Presidente Wilson, 203
Castelo
As mesas-redondas são abertas ao público em geral.
Entrada franca
A participação nos workshops só é permitida a convidados e ouvintes mediante inscrição por e-mail escrtrad@uerj.br entre 4 e 20 de agosto.
Informação: Tel. +55 21 3804 8204 / 2254 1510


Idealização:
Prof. Dr. Johannes Kretschmer (Departamento de Letras Anglo-Germânicas, UERJ)
Kristina Michahelles (Tradutora e jornalista)
Comissão organizadora:
Prof. Dr. Johannes Kretschmer (Departamento de Letras Anglo-Germânicas, UERJ)
Kristina Michahelles (Tradutora e jornalista)
Profa. Dra. Maria Aparecida Ferreira de Andrade Salgueiro (Escritório Modelo de Tradução / UERJ / CNPq)

O objetivo do simpósio é, além de propiciar a troca de experiências e um maior intercâmbio entre os tradutores, incentivar jovens tradutores e estudantes da área a se dedicarem ao exercício desta profissão cada vez mais importante.

O evento quer dar um passo além e ampliar a rede, propiciando o encontro do público-alvo (tradutores, editores, jornalistas, professores, estudantes) com representantes do ramo editorial, da crítica literária e da pesquisa acadêmica, bem como de escritores nas duas línguas.

Neste sentido, uma das atrações do simpósio será a presença de quatro dos mais premiados autores alemães da atualidade: Antje Rávic Strubel, Ilija Trojanow, Julia Franck e Ulrich Peltzer, expoentes da nova geração da literatura daquele país. A presença dos quatro escritores reforça também uma tendência do mercado editorial brasileiro, que aposta cada vez mais na literatura contemporânea alemã. Dois dos escritores estão sendo traduzidos para o português. A mulher do meio-dia (Die Mittagsfrau), de Julia Franck, está saindo para a 20ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo pela editora Nova Fronteira, com tradução de Marcelo Backes. O colecionador de mundos (Der Weltensammler), de Ilija Trojanow, também está sendo traduzido para o português e sairá pela Cia. das Letras.

O simpósio é uma continuação do Encontro de Tradutores idealizado por Ray-Güde Mertin e realizado em 1996, no Rio de Janeiro, reeditado em novembro de 2006, em Porto Alegre, bem como da série coordenada por Sarita Brandt e Kurt Scharf em Portugal e Berlim (2005, 2007).

Sala Multimídia = MM
Sala José de Alencar = JA
Teatro R. Magalhães Jr. = TRM

25 de agosto, segunda-feira

10 às 11h Saudação, rodada de apresentações, esclarecimentos sobre funcionamento do workshop (sala MM)

11 às 12h30 Workshop: encontro com Antje Rávic Strubel (sala MM)
Coordenação: Prof. Dr. Johannes Kretschmer (UERJ)
Sarita Brandt (Tradutora)

12h30 Almoço

14h30 Workshop: Das Lektorat von Übersetzungen (sala MM)
Coordenação: Kurt Scharf (Tradutor)

17h Abertura Oficial (Teatro R. Magalhães Jr.)
Cícero Sandroni (Presidente, Academia Brasileira de Letras - ABL)
Ricardo Vieiralves de Castro (Reitor, Universidade Estadual do Rio de Janeiro - UERJ)
Ivan Junqueira (Secretário-geral, Academia Brasileira de Letras - ABL)
Dr. Wolfgang Bader (Diretor do Instituto Goethe São Paulo e diretor-geral para América do Sul)

17h30 Tradução e criação (TRM)
Prof. Dr. Paulo Henriques Britto (PUC-Rio / poeta e tradutor)
Profa. Dra. Maria Aparecida Ferreira de Andrade Salgueiro (Escritório Modelo de Tradução / UERJ / CNPq)
Coordenação: Prof. Dr. Johannes Kretschmer (UERJ)

18h30 Coquetel de abertura (Teatro R. Magalhães Jr.)


26 de agosto, terça-feira

9 às 10h30 Workshop: encontro com Julia Franck (sala JA)
Coordenação: Dr. Marcelo Backes (tradutor e escritor)
Kristina Michahelles (tradutora e jornalista)

10h30 às 12h00 Workshop: O desafio dos textos curtos (sala MM)
Coordenação: Carlos Abbenseth (tradutor e professor do Instituto Goethe Rio de Janeiro e Baukurs)

12h Almoço

14 às 15h30 Workshop: encontro com Ilija Trojanow (sala JA)
Coordenação: Dennis Gerstenberger (Goethe-Institut Rio de Janeiro)
Kurt Scharf (Übersetzer)

16h Workshop: Os caminhos da qualificação profissional (sala JA)
Georgina Staneck (Biblioteca Nacional, Brasil)
Almerinda Stenzel (Goethe-Institut Rio de Janeiro)

19h Mesa-redonda: A literatura alemã contemporânea, tendências e perspectivas para a tradução I (Com tradução simultânea / Teatro R. Magalhães Jr.)
Julia Franck e Antje Rávic Strubel (escritoras)
Dr. Marcelo Backes (tradutor e escritor)
Moderação: Verena Kling (Litrix.de)

27 de agosto, quarta-feira

9 às 10h30 Workshop: encontro com Ulrich Peltzer (sala JA)
Coordenação: Reinhard Sauer (Diretor do Instituto Goethe Porto Alegre)
Kristina Michahelles (tradutora e jornalista)

10h30 às 12h Workshop (sala JA)
Coordenação: Prof. Dr. Maurício Mendonça Cardozo (UFPR)

14 às 16h Workshop (sala JA)
Coordenação: Profa. Dra. Tinka Reichmann (Universidade de São Paulo - USP)

16h15 Workshop: Contratos e direitos autorais (sala JA)

18 h Mesa-redonda: A literatura alemã contemporânea, tendências e perspectivas para a tradução II (Com tradução simultânea / Sala José de Alencar)
Ilija Trojanow e Ulrich Peltzer (escritores)
Kristina Michahelles (tradutora e jornalista)
Moderação: Verena Kling (Litrix.de)

28 de agosto, quinta-feira

9 às 10h Workshop: Rodada final e recomendações (sala MM)

10 às 12h Mesa-redonda: A traduzibilidade das culturas I (TRM)
Profa. Dra. Carlinda Nunez Fragali (UERJ)
Profa. Dra. Rosana Bines (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio)
Profa. Dra. Susana Kampff Lages (UFF)
Coordenação: Prof. Dr. Johannes Kretschmer (UERJ)

12h Almoço

14 às 16h Mesa-redonda: A traduzibilidade das culturas II (TRM)
Profa. Dra. Tinka Reichmann (Universidade de São Paulo - USP)
Profa. Dra. Maria Alice Antunes (UERJ)
Prof. Dr. Victor Hugo Klagsbrunn (UFF)
Coordenação: Profa. Dra. Henriqueta Valladares (UERJ)

16h15 às 18h Mesa-redonda: Novos rumos da mediação literária entre a Alemanha e o Brasil (TRM)
Kurt Scharf (tradutor)
Luciana Villas-Boas (Editora Record)
Prof. Dr. Pedro Süssekind (UFOP)
Coordenação: Reinhard Sauer (Diretor do Instituto Goethe Porto Alegre)

19h30 A traduzibilidade das artes: Paul Klee e a música
Katharina Kegler (Escola Superior de Música, Freiburg)
Dra. Susana Carneiro Fuentes (Baukurs)

Coquetel de encerramento na residência do cônsul-geral da Alemanha


O "traduzibilidade" é um termo lindão. Mas fala sério. Deve ser um evento legal. Mesmo para quem não sabe rin-tin-tin nenhum de alemão. Se eu não estivesse cativa em Babilônia, não deixaria de ir. Agora, esse cônsul é festeiro. Outro dia teve apresentação de música na residência dele. Ele disse que adora o Rio. Quer dizer, tirando quando foi assaltado, eu acho.

___________________


Uns links legais agora:

*Para quem curte estudos clássicos, Bryn Mawr Classical Review. Excelente. Lá você poderá ter uma idéia do que vem sendo publicado sobre o assunto.

*Sabe quando você acorda cedinho e diz: "Caraca, que vontade de ver um mapa do Sacro Império Romano nos tempos dos Hohenstaufen"? A sua oportunidade chegou! Você pode vê-lo aqui. Agradeça ao pessoal do Perry-Castañeda Library Map Collection. Mapas, mapas, mapas...

*Lá no site da Naxos você pode aprender várias coisas sobre música clássica/erudita/ocidental/não-sei-mais-o-quê. Tem desde um breve glossário, listas de compositores, breves biografias, até uns toques de como ir a e se comportar em uma sala de concerto. Também tem um ótimo conselho: Your job is very simple: be affected by the music.

*Um link assustador. Parece que a OTAN fez uma bela cagada em Kosovo. Segundo a diocese ortodoxa sérvia de Raska-Prizren, não faltou igreja vandalizada e/ou destruída desde 1999.

*Final de luxo. Que tal ver o Glenn Gould tocando as Variações Goldberg? Legal, hein? Mas por que comeram a aria da capo? Já vi o dvd e ele toca tudinho, sim senhor. Vai entender. É bom assistir também a Emma Kirkby cantando uma ária da Paixão segundo São Mateus. Ou a Cecilia Bartoli cantando feito louca uma ária do Vivaldi. Ou o Andreas Scholl cantando uma ária de Giulio Cesare in Egitto. (Se você implica com contratenores, ouça a Larmore cantando a mesma coisa. E leva a mal não, mas essa ópera é fodona.) Ou... não ouvir nada e pronto.

Thursday, August 14, 2008

Intimidade

Essa notícia no blog da Liz me fez pensar numa coisa. É só uma coincidência existir na nossa época uma epidemia de exibicionismo, técnicas de controle mental e totalitarismo? Parecem meios diversos para demolir o homem. Três vias da escravidão total.

Monday, August 11, 2008

Outras variedades

A primeira vez que ouvi falar em Protógenes foi durante um almoço. Pensei: "Acho que estão fazendo confusão com o Protágoras. " Bateu um leve otimismo com o Brasil. O que é pior, nego fazer confusão com nomes de diálogos do Platão ou nem saber direito que ele existiu? Fora que nem sempre escuto alguém conversando sobre Platão por aí. Transcorridos 30 segundos, começaram a falar em "delegado", "corrupção" e "Lula". O horror, o horror.

###

Mais tosco que isso, só um debate que rolou na oitava série. Nossa professora de história nos dividiu em pró-MST em Eldourado dos Carajás e contra. Sei lá em qual lado eu estava. Muito menos me lembro como foi a discussão. Só sei que não suportava aquela conversa.

###

Por falar na oitava série, uma amiga na época estava toda enrolada para namorar. Ela gostava de um carinha. Só que os dois eram tímidos demais. Quero dizer, eram tímidos para namorar. Quando o garoto chegava perto, minha amiga saía correndo para o banheiro. Isso nas raras vezes que ele chegava perto. Já havia acontecido até de os amigos dele o arrastarem pelo colégio para que ficasse perto da minha amiga! Impressionante. Os dois ficaram nessa maluquice por uns dois bimestres.

Um dia, as duas oitavas passaram a ter algumas aulas de português juntas. Ele, a 801. Nós, a 802, ou "futuros-marginais-e/ou-funcionários-públicos. Eu e ela sentávamos uma ao lado da outra. Quando as turmas se juntavam, eu tinha que sair do meu lugar para que os dois ficassem juntos. Pelo menos eles começaram a conversar direito a partir daí. Só tinha uma certa esquisitice. No recreio, quando eles se encontravam na sala dele, minha amiga gostava de pintar a unha dele. O cara sempre topava. Não é esquisito? Sei lá se o cara já era um metrossexual na época. Claro que alguém pode pensar também: "Olha, o cara era o maior viadão! Por isso que ficava cheio de coisa para falar com a garota!" Pois é, estranhei também. Talvez fosse mesmo. Mas acho que não. Aquilo parecia mais um jeito estranho que eles encontraram para quebrar o gelo. Às vezes dá certo bolar uma doideira para quebrar o gelo. Você de repente diz uma maluquice para a pessoa e pronto! A coisa passa a fluir. É mais ou menos assim que faz uma outra amiga minha. Se ela não conhece a pessoa, ela diz assim: "Vamos fingir que a gente se conhece faz tempo." Aí eles começam a conversar como se um tivesse participado dos eventos da vida do outro. Isso sim é maluco. Mais maluco ainda é que dá certo várias vezes. Voltando aos namorados. Já que os dois eram tímidos, toparam quebrar o gelo de uma forma diferente. Era também uma desculpa para ficarem se tocando.

Isso tudo pode parecer coisa do arco da velha. Parece possível no Rio de Janeiro, 1996? Eu mesma na época achava essa história meio babaca. Mas não, não era. Pensando agora, até que foi bastante bonitinho.

###

Mas então fui me encontrar com um amigo nesse domingo. Eu só queria ficar em casa. Mas ele disse tanto que precisava me encontrar... Fui. Conversa vai, conversa vem, ele me diz assim: "Olha, tenho um presentão pra você!" Sou otimista. Fiquei crente que era mesmo um negócio bem legal. Vai que era um presente de aniversário atrasado? Adivinha o que ele me deu? Uma maçaroca de propaganda eleitoral! A tia dele vai concorrer. Pior, pelo PSB. Esse partido comuna está apoiando aquela comuna do cabelo horrendo. Jandira "samambaia-abortista-comunista" Feghali. O *menos* pior é que a tia dele nem desconfia o que seja comunismo. Nem ele.

Vou repetir. O cara me encheu o saco para eu sair de casa, dizendo que tinha um presente para me dar. Qual? Um quinquilhão de propaganda eleitoral. É mole?

Como sou escrota demais, me vinguei jogando tudo na terceira lixeira que vi. Se fosse na primeira, ele podia ter visto.

Monday, August 04, 2008

Do belo

Parte do livro As grandes linhas da filosofia moral, do Jacques Leclercq, p.214-18. O título do post fui eu que bolei. As notas são minhas (para o bem ou para o mal).

O belo é também o ser, mas enquanto fonte de prazer para o espírito. Para opô-lo ao prazer sensível, qualificamos este prazer de estético. O prazer estético resulta da vista da perfeição do ser e o belo é uma propriedade transcendental do ser ao mesmo título que a verdade e o bem1. A verdade é o ser enquanto conhecido, o bem enquanto fim, o belo enquanto objeto de prazer. Quod visum placet, diz Santo Tomás, o que agrada à vista.

Toda perfeição, todo bem agrada àquele que o conhece, portanto toda verdade. Todo ser é belo, como é verdadeiro, como é bom em si mesmo. Há uma beleza em todo ser, e esta beleza é proporcionada a sua perfeição.

Acontece, pois, com o feio o mesmo que com o mal e o falso: ele é relativo, consiste numa desordem. Não se concebe o feio senão num ser composto; como o mal, consiste numa falta de harmonia, uma falta de unidade entre os seus componentes; o feio é a falsa nota, a que destoa do conjunto.

O espírito experimenta prazer em presença de toda verdade e de todo bem, isto é, em presença de todo ser. Não há fealdade em si, mas somente num conjunto e se se qualificam de feias certas coisas, se temos a impressão toda relativa, semelhante à que nos faz qualificar de más certas coisas. Qualificamos de feios certos objetos menos belos do que os que estamos acostumados a ver. Numa casa onde há quadros medíocres pendurados nas paredes, admiramos o que supera os outros; essa mesma tela, porém, não causa nenhuma impressão no meio de obras primas, num museu; e, se estamos acostumados a teatro de colégio, achamaos bem representada uma peça que o freqüentador dos grandes salões julga mal representada. Do mesmo modo, uma música medíocre tocada por uma banda popular enche de satisfação a um povo da roça, enquanto quem freqüenta os grandes concertos a julga má música.

Isto explica também que os que têm o sentido do belo acham beleza em toda parte, pois todas as coisas encerram beleza, uma pedra, uma moita de erva, um som, um pensamento, uma palavra. O sentido do belo não é mais que o sentido da perfeição do ser; todo ser testemunha uma perfeição; na mesma medida, todo ser é belo2.

O belo, porém, suscita certo número de problemas interessantes à moral e que é útil examinar desde já, para afastar algumas dificuldades.

Na linguagem corrente só se fala de beleza a respeito de certas coisas. Fala-se das belezas da natureza; ninguém acha dificuldade em qualificar de bela uma paisagem, um animal, uma planta, uma pedra, um homem. Fala-se também de beleza, quando se trata de obras de arte e a respeito destas, em particular, fala-se de prazer estético. A estética desenvolveu-se em ciência e faz-se uma Filosofia da estética que se ocupa quase exclusivamente com a beleza, enquanto esta se manifesta nas obras do homem. Mas o que se chamam obras de arte visam apenas cetas obras do homem.

Quando se fala de beleza ou de prazer estético, costumam-se excluir formas de prazer sensível que ferem muito vivamente os sentidos. Fala-se de beleza quando se trata de sons a música, a linguagem, quando se trata de formas e de cores, de prazeres da vista e do ouvido, não quando se trata do gosto, do olfato, do tato. Nestes últimos casos, fala-se de bem: diz-se um bom cheiro, um bom gosto; para o tato, fala-se dum toque agradável: um estofo é de toque agradável, não belo.

Porquê? Porque a maior parte dos homens é de tal modo sujeita aos sentidos no domínio do gosto, do olfato e do tato que lhes parece impossível elevar-se por eles a um prazer espiritual. O sentido do gosto, em particular, está de tal modo ligado ao apetite físico da fome e da sede que, à maioria das pessoas, parece ridículo procurar aí um prazer do espírito. E, no entanto, pode o espírito gozar da perfeição dessas sensações como das da vista ou do ouvido.

Qualifica-se muitas vezes o prazer estético de prazer desinteressado. Já vimos o sentido espiritual deste termo3. Aqui significa apenas prazer do espírito. O termo desinteressado evoca uma pureza moral que se julga incompatível com a grosseria dos gozos meramente carnais. É por isso que não se qualifica de desinteressado o prazer de comer e beber, enquanto assim se qualifica o prazer de ver ou de ouvir belas obras e músicas: simples usos verbais que correspondem aos juízos da opinião comum. Na realidade, tanto dum lado como do outro, busca o homem a satisfação de seu ser4.

O gastrônomo é o que vê a beleza no que agrada ao gosto. Ora, um dos adágios da ciência do 'comer bem' é que, para apreciar um bom prato, é preciso ter um pouco de fome, mas não muito. Porquê? Porque a fome e a sede são necessárias para apreciar o que lisongeia o apetite, mas uma fome e uma sede violentas obscurecem o espírito; desenvolvem apetites carnais tão violentos que o espírito não é mais capaz de exercer o seu ofício, o homem se torna como um animal e não goza mais senão de modo meramente físico5.

Isto explica o fato de achar-se natural que faça um pintor um belo quadro, pintando "naturezas mortas", carnes, frutas, legumes, frascos de vinho, quando a maioria das pessoas não são capazes de ver a beleza desses objetos, quando vistos em estado natural: é que o pintor soube destacar a beleza que eles encerram e, na presença da imagem, são os apetites físicos despertados menos vivamente do que em presença dos próprios objetos.

O sentido da beleza é, pois, um sentido espiritual; é a faculdade de ver nas coisas o esplendor do ser, a perfeição do ser, o bem: em si, é bela toda coisa, toda sensação, todo movimento dum ser, todo ato da vida. Destacar esse sentido da beleza é um aspecto do desenvolvimento espiritual.

Comumente também não se fala de beleza a propósito da verdade e do bem, isto é, a propósito dos objetos de conhecimento estritamente intelectual ou a propósito dos valores de ação. E unicamente porque, como a verdade e o bem, é a beleza um ponto de vista no ser, e porque, com relação a certos objetos, a gente se coloca geralmente sob o ponto de vista da verdade ou no ponto de vista do bem. Mas o fato de não se poder unir todos os pontos de vista é simplesmente um sinal de fraqueza da inteligência humana. De fato, toda verdade é bela e todo bem é belo, assim como toda beleza é uma verdade e um bem.

O entusiasmo que se apodera dum filósofo em presença dum belo sistema, dum matemático diante dum belo raciocínio é de natureza toda estética. Pode ser que o leigo ache isso irrisório, por não ter o espírito suficientemente desenvolvido para gozar da beleza em puras abstrações, mas o belo está presente na perfeição do raciocínio, na harmonia do sistema. Aliás a palavra belo vem espontaneamente aos lábios neste domínio do mesmo modo que nos assuntos artísticos. E todo especialista capaz de perceber a perfeição do ser nas matérias de sua competência experimenta este prazer: extasiar-se-á o cirurgião diante dum belo caso, dum belo coração ou de belos rins, assim como o açougueiro admirará uma bela carne, o mercieiro ficará cheio de admiração fazendo correr por ente os dedos belos grãos de arroz: toda perfeição desperta o prazer estético porque o belo nada mais é do que a perfeição do ser enquanto conhecido, quod visum placet, enquanto desperta no espírito a efervescência jubilosa da admiração.

Mais ainda, um homem de negócios terá a mesma admiração diante dum belo contrato, bem ponderado, bem formulado, que dá plena satisfação a ambas as partes, um advogado diante dum belo processo, um moralista ou um psicólogo diante de um belo caso.

A vida moral desperta sentimentos de admiração muito semelhantes. Uma bela ação, o espetáculo duma bela vida causa impressão muito semelhante à duma bela obra de arte. O sentimento que em nós excitam os heróis de Plutarco ou os santos do Cristianismo, os feitos dum explorador ou dum missionário, a caridade dos Irmãos de S. Vicente de Paulo, a bela vida de Tomás More, tudo isso nos dá a impressão duma harmonia, duma perfeição diante da qual o termo beleza se impõe ao nosso espírito. E, por outro lado, esses temas influenciam as obras de arte que se reproduzem; é mais fácil escrever um belo livro sobre S. Francisco de Assis do que sobre um burguês egoísta e satisfeito; um belo assunto torna mais fácil a beleza da obra, e o assunto duma vida é, antes de tudo, seu valor moral. Se um personagem não representa nenhuma nobreza, se é repugnante sob todos os pontos de vista e não há meios de se inspirar estima para com ele, dir-se-á que ele constitui um tema ingrato6.

O belo, portanto, não somente tem a mesma universalidade que o bem e a verdade: o belo é a verdade e o bem; não é senão a perfeição do ser enquanto resplandece diante do espírito. Uma vida boa é uma vida bela; uma boa ação é uma bela ação e uma bela ação é uma boa ação. Tem razão a linguagem popular, quando empega quase indiferentemente os termos bom e belo. O sentimento de admiração próprio ao prazer estético desperta-se a propósito de qualquer perfeição.



Notas

1. O belo é tão universal quanto o ser e não é distinto dele a não ser por abstração.

2. Por isso Deus julgou toda a criação boa. Gen 1,31.

3. Referência a uma passagem num capítulo anterior, na qual J. Leclercq diz que ingleses como Shaftesbury, Hume e Hutchenson julgavam que o desinteresse era o fundamento do ato moral.

4. Em Do Sentido e o sensível, Aristóteles diz que a visão é o sentido mais caro às necessidades da vida e em si mesmas. É através dela que conhecemos um maior número de sensíveis comuns (a figura, a magnitude, o movimento e o número) e em maior grau de diferença. A audição é mais preciosa para a mente, ainda que de forma indireta. Entre todos os sentidos, é ela a que mais serve à sabedoria. Graças a ela, entendemos o discurso ou o raciocínio (este a causa do aprender). Diz Aristóteles que o discurso (ou o raciocínio) "não é audível por si mesmo, senão indiretamente, pois a linguagem se compõe de palavras e cada palavra é um símbolo racional." Já na Ética a Eudemo, ele diz que a visão nos faz perceber as coisas belas, enquanto a audição nos faz captar a harmonia sonora. Aí pode estar um motivo de as obras de arte serem perceptíveis apenas por esses dois sentidos.

5. Na Ética a Eudemo, Aristóteles diz que, em relação a certos odores, sentimos um prazer intrínseco, como é o caso das flores. Isso é diferente dos prazeres associados ao comer e beber, que por sinal são compartilhados pelos animais. Aristóteles diz em seguida: "É por isso que Estratonico está certo ao dizer que o prazer do odor das plantas é belo, mais do que o da comida ou da bebida mais suave."

6. O sentimento de beleza decorrente de um exemplo é também perceptível no teatro.

Friday, August 01, 2008

Beleza esmeralda

Distraída, conversava com o céu e vi uma estrela cadente. Já tinha visto muitas outras belas, caçadora de idéias que sou, mas nenhuma tão impressionante. Parecia que o bom Deus havia resolvido presentear a abóbada celeste com um longo pingente esmeralda. Estrela cadente maravilhosa, como é difícil encontrar algo tão cheio da mais pura vida!

Ela teve uma vida tão mínima como as outras. Antes do derradeiro movimento, ela esculpiu um simulacro em meu coração. Mas... Como uma beleza tão viva pode ser tão instantânea? Como é possível ela ter gravado uma impressão tão forte em mim, eu, que ainda por cima sou apenas pó? Será a Queda uma resposta? Por ela, a beleza se tornou escorregadia. Por ela, tornarei a ser pó. Por ela, fui condenada a sempre ver a beleza me escapando.

Se não fosse uma providência misteriosa, quão trágica teria sido a condenação! Porque a beleza é fênix neste mundo. A todo instante é sacrificada, a todo instante retorna. Ela sempre se oferece às pessoas de boa vontade para que tenham uma existência luminosa. Como os minutos da grande música, que se sacrificam para que ela atinja a vida gloriosa.

###


Já que mencionei música, o adágio do Quarteto de cordas em fá maior n°1 op.18 do Beethoven é bom demais. Fora que esse cara sabe expressar muito melhor que eu uma coisa bonita! Ouça. É um adágio muito, muito expressivo. Não foi à toa que o Beethoven fez questão de marcá-lo como affetuoso ed appassionato. Talvez seja um dos melhores movimentos lentos que ele já escreveu. (Dizem que ele estava pensando na cena do túmulo de Romeu e Julieta quando escreveu esse movimento. Nos primeiros esboços, parece que havia certas alusões à peça. Pode ser que ela tenha servido de inspiração inicial. Mas como ele mudou bastante a versão final, e como a própria música em si não revela muita coisa de Romeu e Julieta, a ligação com a peça não é forte.) Para quem tem espírito poético, ele é um prato cheio. Intérprete: Quarteto Alban Berg (que se apresentou aqui no Rio outro dia).




Monday, July 21, 2008

Balé e Dufay

Svetlana Zakharova, na pontinha do pé, em A filha do Faraó.


Sábado, enquanto eu via mais uma vez A filha do Faraó, fiquei pensando na beleza do corpo. Quero dizer, não a beleza estática, mas a beleza do movimento. É das coisas mais lindas do mundo um corpo executando tantos movimentos agradáveis. Ainda mais se quem estiver dançando for a Svetlana Zakharova. Mesmo com todas as críticas, eu a adoro. Assista a uma performance dela em O lago dos cisnes. Impressionante demais.

Se o nosso corpo fosse tão inferior como alguns dizem, como ele poderia se expressar desse jeito? Não faz sentido! A dança é um dos melhores argumentos contra todos os gnósticos.

Para pessoas invejosas que nem eu, tem só uma coisinha ruim de ver dançarinas como a S. Zakharova. A gente fica se sentindo umas patas chocas.

###

Ouvi o Guillaume Dufay no mesmo dia. Nunca tinha escutado nada. O que escutei foram algumas chansons. Música estranha e interessante.

A música é a arte mais espiritual de todas. Como disse o Carpeaux, ela é a única que não imita nada da natureza. Acontece que até o espírito pode sofrer de velhice. É estranho, mas é uma velhice que chama bastante a atenção. Um vestuário de muitos séculos atrás, por único que seja, não causa tanta estranheza quanto uma música ultrapassada. A comparação não precisa ser tão histórica. Uma nova moda no vestuário pode causar críticas. Mas se a inovação for no campo da música, a reação comum é de franca repulsa. Mudar o gosto musical é uma das tarefas mais complicadas que existe. Será que Nietzsche estava mesmo certo quando disse que a música é a arte mais conservadora?

O caso de Dufay é um bom exemplo. Ouvir suas chansons é ter na nossa frente a sofisticada corte burgúndia do séc. XV. Donnes l'assault à la fortresse é, por exemplo, canção de amor cortês. Mas é curiosa. Ela compara a corte à dama a um ataque a uma fortaleza. A música tem contornos bélicos. Só que o efeito é bem espirituoso. (Não sei se o amor como guerra se tornou um tema recorrente na tradição musical. O que sei é que o Monteverdi compôs Madrigali guerrieri et amorosi. Sugestivo, não?) Outra coisa que vale a pena destacar é o efeito retórico. Ela é bem expressiva. Ainda mais se comparada com o que havia no terreno sacro. (O problema é que essa discussão é equívoca. Pode ser que a música profana da época fosse mais expressiva. Só que a música sacra estava mudando bastante. Ela estava incorporando elementos da própria música profana (exemplo: o Ite missa est, da Missa de Tournai). Esse fenômeno é dos mais curiosos.)

Não é culpa do Dufay que as suas chansons estejam datadas. Ele não escreveu para a gente. A própria técnica musical era diferente demais. Pode ser que ele não tenha explorado todas as possibilidades diante de si. Ou então fazer muitas cobranças nesse campo seja um exagero. Não sei. O fato é que esse estilo e talvez esse tema estão sepultados faz tempo. Você pode encontrar desdobramentos quanto ao tema que vão dar em Monteverdi. Mas a arte do italiano é bem diferente da arte do Dufay. E muitas obras do Monteverdi também são datadas demais. Enfim. As fontes que animavam o espírito flamengo, as mesmas que levaram ao gótico flamboyant, são apenas material livresco hoje. A sentença pode parecer dura, mas é verdade: essas chansons podem ser interessantes, mas são agora arte exótica para o nosso gosto. Algumas coisas que passam não voltam mais.

Que tal acabar o papo ouvindo Donnes l'assault à la fortresse? Só não me responsabilizo pela autenticidade (e nem estou criticando nada, só comentando por alto).