Wednesday, October 31, 2007

Revolução russa

Dizem que a as revoluções devoram seus próprios filhos. É um daqueles chavões verdadeiros. No caso da URSS, verdadeiros até demais. Veja o que Paulo Guedes escreveu sobre a maravilhosa revolução libertadora do proletariado (em O Globo, 29/10/07):

25 de outubro II

"A Rússia da década de 20 permanecia um país em guerra consigo mesmo. A revolução fracassou em eliminar as iniqüidades que a haviam provocado. Ninguém sabe quantos morreram. Qualquer contagem aponta números catastróficos. Considerando somente as baixas da guerra civil, do terror, da fome e das enfermidades, chega-se a algo em torno de dez milhões de vítimas, sem contar os cerca de dois milhões que emigraram. Morrer na Rússia era fácil. Merecer um funeral digno, prerrogativa para poucos. Os serviços fúnebres haviam sido nacionalizados. Para enterrar um ente querido, era necessário enfrentar uma longa lista de exigências burocráticas. Havia também falta de madeira para fazer os caixões. Cadáveres eram velados em ataúdes alugados, nos quais lia-se a inscrição ‘Favor devolver’, devidamente esvaziados na hora de baixar o corpo à terra.”

O historiador Orlando Figes, de Cambridge, foi um dos primeiros a vasculhar os arquivos da Revolução Russa de 1917, quando estes foram abertos aos pesquisadores no fim dos anos 80. Sua monumental narrativa, “A tragédia de um povo: A revolução russa 1891-1924” (1996), dá uma detalhada descrição do episódio da Grande Fome de 1921-1922.

“O maior de todos os males da época, responsável pelo extermínio de cinco milhões de vidas, foi a Grande Fome de 1921-1922. A fome transformou as pessoas em canibais. Esse foi um fenômeno muito mais comum do que os historiadores admitem. Na Bachkiria e nas estepes em torno de Pugachev e Bzuluk, onde a falta de alimentos era aguda, verificaram-se milhares de casos.”

“Um homem condenado após ter devorado várias crianças confessou: ‘Em nossa aldeia, todos comem carne humana, apenas não revelam. Há inúmeras tavernas na vila, e todas servem pratos à base de crianças’. Na cidade de Pugachev, não era recomendável que crianças pequenas andassem pela rua à noite, pois havia bandos de canibais e negociantes que as matavam, para consumo próprio ou para vender a carne num comércio abjeto.”

Esses testemunhos são possivelmente a base factual histórica responsável pelo folclore segundo o qual os comunistas comiam criancinhas. Mas, prossegue Figes, “caçar e matar pessoas para comer era praxe”.

“Na região de Novouzenski, havia também grupos de crianças que assassinavam adultos com o mesmo objetivo. As mães, desesperadas em dar de comer aos filhos, cortavam pernas e braços dos cadáveres. Roubar cadáveres de cemitérios tornou-se tão comum que, em muitas regiões, guardas armados vigiavam os portões.”

“As pessoas se alimentavam dos próprios parentes. Na aldeia de Ivanovka, próxima a Pugachev, uma mulher foi flagrada devorando a carne do marido. A refeição estava sendo dividida com o filho do casal. Quando as autoridades policiais tentaram jogar fora o que ainda havia no prato, ela gritou: ‘Não, ele é nosso sangue, e ninguém tem o direito de levá-lo de nós. Precisamos dele para nos alimentar’.”

Os economistas de boa estirpe sabem que é apavorante a desorganização de um sistema produtivo, uma engrenagem descentralizada responsável pela alimentação de milhões de pessoas.


Esses episódios se repetiram anos depois. Leia isso. É sobre o terrível genocídio na Ucrânia através da fome. Choca porque a fome foi usada como arma de destruição.

A revolução bolchevique foi uma catástrofe. Porque o comunismo é apenas isso.

No comments: