Friday, January 05, 2007

Perspectiva pessoal como fundamento do saber

Primum vivere deinde philosophari

Deus. Providência. Santidade. Imortalidade. Sentido da vida. Todos querem conhecer cada uma dessas coisas. Todos querem saber se cada uma dessas coisas são verdadeiras. Todos têm alguma opinião sobre essas coisas.

Nada mais natural. Nossa inteligência tem propensão a altos vôos. Mas há uma questão anterior. A questão anterior é você. Sim, você.

Porque eu e você somos representações em miniatura de cada uma dessas questões. Nós agimos (bem ou mal), vivemos, envidamos esforços, galgamos um fim. Nossa vida é representação em escala reduzida de problemas maiores. Além de representação, é a nossa vida uma perspectiva. É de nossa vida e não da de outro que podemos compreender as grandes questões.

Sendo eu o que sou e você o que é, é de cada perspectiva pessoal (minha e sua) que podemos nos dirigir aos principais problemas. Nossa carta de recomendação para a filosofia é a nossa vida pessoal. Sem ser sábio na própria vida, nada feito. Esqueça Deus. Esqueça a Providência. Esqueça tudo.

Esqueça tudo. É da capacidade de compreensão da verdade de nossas vidas que adquiriremos a verdadeira compreensão dos grandes problemas. Antes de saber se Deus age no mundo, você tem que saber como foi, é e, de algum jeito, parece que será sua própria vida. Tem que saber quando você foi responsável por ser o que é e quando não foi. Tem que saber se a sua vida é verdadeira ou só auto-engano. Tudo para responder a pergunta "Quem é você?" Se você não sabe nem quem é você, por que acha que teria capacidade mesmo de intuir o que (quem) é Deus? Se você não tem a capacidade de saber a história de sua própria vida, como pode imaginar a forma com que Deus conduz o mundo? Em última instância, se sua alma é opaca, pesada, mal formada, como você poderia conhecer a luminosidade, a magnitude e a sutileza do mundo e de Deus?

Livros são bonitos. Mas a vida é mais bela. Livro é letra morta, embora certas palavras vivifiquem. Não é mais bonito alguém agindo de um jeito belo que uma frase bela? A frase bela tem um quê de coisa, de algo estático. A vida bela não - é puro dinamismo e poesia. Muito mais belo é entender a própria vida. Entender é perceber, novamente digo, quem é você. É se tornar senhor de si mesmo.

Amanhã completarei o post. Só faço questão de repetir o seguinte: se você não consegue articular os vários eventos de sua própria vida, se não consegue explicar a si mesmo a história da sua vida, não tente entender Deus e a Providência. Esqueça a imortalidade. Esqueça tudo. Nade primeiro nas águas rasas do rio antes de se atirar nas fortes correntes do mar. Tal é a lógica da formação pessoal bem empreendida. Há uma quantidade infinita de pessoas de coração duro e alma pequena que arrogantemente insistem em distorcer tudo para que melhor caiba no pequeno mundo delas.

No comments: