Saturday, December 16, 2006

Napalm Death

Amigo, o texto a seguir não é para gente boazinha. Se você for, cai logo fora. Olha que avisei!

***

As pessoas foram tomadas da síndrome do bom-mocismo. Todo mundo quer ser racional, pacífico, analítico, multicolorido, complexo, tolerante. O séc. XX esteve cheio de neguinho assim. Conclusão? Foi o mais estúpido, anti-religioso, hipócrita e assassino de toda a história.

Não foi der Führer o mais nefasto do século, nem camarada Stálin. A figura do século foi o sr. Primeiro-Ministro Neville Chamberlain. Inglês, engomadinho, civilizado à moda dos anos 20, narizinho delicado e torcido quando ouvia falar em guerra, cara de quem era zoado pra cacete na escola. [Notinha: na Inglaterra havia e há realmente school, por conseguinte scholars, enquanto por aqui há na verdade clubes onde os pais deixam seus filhotes para que não encham o saco em casa durante uma parte do dia. Como a natureza é vingativa, eles retornam mais burros e revoltados, segundo o que ouviram do professor in de história, scholar às avessas. A raiz desses termos é a velha scolé, de onde veio a palavra escolástica. Brigadinha.] Este engraçado senhor inglês conseguiu a proeza de apertar a mão do Führer e balançar, num aeroporto já em terra britânica, um pedaço de papel com a assinatura do alemão, achando que era a coisa mais bacaninha do mundo. Deve ter ido dormir todo pimpão. Tempos depois, Hitler o fez ainda mais de otário. Ele se arrependeu tarde da palermice. Só depois de seis anos e alguns milhões de mortos, Hitler virou churrasco, a Alemanha foi devastada. O Prime Minister nem viu direito essas coisas porque dormiu sossegadinho na cova quando a brincadeira mal havia começado.

Um pouco antes da guerra terminar, veio Mr. President F. D. Roosevelt, carismático, democrata, liberal, bom de papo, combinar com o camarada Stálin como seria o mundo depois da guerra. Deve ter achado tudo okeydokey em Yalta. Conclusão? Cinqüenta anos de guerra fria. Também foi descansar em paz antes do fim da guerra. Outro cujo pacifismo levou os EUA a serem atacados pelo Japão e em seguida acossados pela URSS por décadas.

É sempre assim. Os mais posudos são os piores. Com delicadeza de bailarina pedem que você cale a boca porque diz uma verdade dolorida; do mesmo jeito, fingem que não ouvem quando você fala algo sobre cristãos morrendo como animais pelo mundo há décadas. São pessoas, essas de fino trato, capazes de chorar se vêem um passarinho fora do ninho ou se não acodem alguém com um arranhãozinho no joelho. Mas com toda a calma do mundo acham que dizer a verdade é deselegante, portanto passível de cadeia em tese. Just business, that's all. O engomadinho faz direitinho o seu trabalho de deixar o trem em perfeito estado para que alguns judeus sejam mandados para o campo de concentração.

Pessoas delicadas gostam muito da companhia de um bom fdp alegrinho, se ele pelo menos dançar nos conformes. Até filhadaputice tem suas regras, sabe-se. Como hoje é cool mandar cristão para a bosta, quando não para o céu antes do tempo, o fdp pode xingar à vontade e a pessoa delicada não vai ligar. Mas ai daquele que aparecer reclamando! Aí toda a delicadeza do mundo será posta à serviço da filhadaputice reinante. Quem virará antipático não será o fdp, mas quem se defende dele. São pessoas assim que deviam achar um porre aquele tal de João Batista, vestido todo errado e comedor de gafanhoto, berrando sobre Messias e não tendo vergonha de dizer certas coisas. Quê? Messias? Ah, esses judeus deselegantes... Tudo gentinha, com essas radicalidades, acreditando em Céu e Geena. Vamos rir, sem apelar aos radicalismos que eles tanto adoram. Melhor seria se calassem a boca deles.

***

Há gente que sente nojinho da religião. Há quem sinta nojinho da Igreja. Todo mundo é muito limpinho e puro, amigão. Dizia o bom cidadão 1995 circa: "Olha, gosto de Deus e tal, mas Igreja é outra coisa". Claro. Para você ser assim tão bonzinho hoje, usando a camisa verde pólo que custou R$79, as gentes mais hardcore da cristandade tiveram que aturar César, leão, Ário, germanos pancadões, mouros, canibais, Napoleão, Stálin, Hitler e o diabo a quatro. Depois dessa dança maligna, aí sim você pode ir lá na loja todo felizão e comprar a camisa verde. Quem sabe até ouvir depois alguém dizer um "vai com Deus" ou "Feliz Natal", depois mandar um cartãozinho ou telefonar pro amigo pra saber se ele está bem? Ou perdoá-lo se ele fez alguma coisa? Ou ser perdoado se você fez alguma coisa?

Cuspiram na cara de santos, esquartejaram outros tantos, mais alguns literalmente comeram pó... Outros lamberam as feridas de leprosos. Já você... Hm, você talvez tenha a sua marca preferida de perfume e vai ao cinema rir com seus amigos. Se tiver "um lado espiritual independente de religiões " (acho que li isso no Orkut), vai rezar um pouquinho. Lindo. Sempre olha os dois lados da questão, desde que, claro, isso não implique (como ser diz?) radicalismos. Vive como se estivesse com uma placa na cabeça dizendo: SAÍDA EM CASO DE FANATISMO.

Wow! Que mané subir degrau para cumprir promessa o quê! Fazer caminhada para Santiago de Compostela, pfui! "Esse negócio de pagar penitência é coisa de velha beata" (comentário seguido de sorriso superior).

Certa vez tiveram que colocar um osso da perna do Santo Inácio de Loyola no lugar. Sem anestesia. Ele agüentou sem dar um pio. Hoje, na primeira dorzinha de dente, a gente chora. Sim, você é mais limpinho.

Agora vem cá que o negócio é comigo, rapá, porque não sou grande mas compenso sendo faladora. Na dúvida, chego de bicuda na canela. A Igreja teve que se ferrar toda, seu manezão, para você hoje ter o bumbum limpo e cheirosinho. É muita sacanagem você querer empinar esse narizinho aí e bater no peito dizendo: "A Igreja está ERRADA". Errado é você, cara. Mas você não é sacana, é cordato. Não fala nada por mal. Essa parada de ser mal só é vero na novela das 8 ou outra coisa kitsch... (O público aliás admira.) Você, cara bonzinho, dá bom dia ao porteiro, dá presentes aos amigos, cumprimenta a todos, paga seus impostos, é boa praça. É contra a guerra, acha sacanagem proibir a opinião de alguém. Você não teria coragem de pisar na cabeça de um gatinho, não é mesmo? Quanto mais pisar na cabeça de um velhinho! Um absurdo, um absurdo... Mas quer saber de uma coisa? Você não faz nada disso porque há tempos atrás um sujeito hardcore fez questão de morrer para provar que isso é errado. E ele morreu (e ressuscitou). Pára com essa mania ridícula de ser a Professorinha Helena do mundo, toda boazinha e coitadinha. Se joga debaixo do tanque em Pequim. Dá tudo que tem na geladeira para o mendigo. Se mata de tanto ajudar o outro. Vá lamber as feridas dos mendigos. Seja santo mesmo, cacete! Só não vem com papo mole.

***

No fundo, a verdade é que todo mundo quer ser bonzinho. Bonzinho é o caralho. Quem é bonzinho com quem mata gente indefesa é um puto. Ser bom é se aproximar do bem e se afastar do mal. Esquece esse papo de dar a outra face, perdoar os inimigos. Você leu essa passagem mas não entendeu porra nenhuma. Esquece. Na prática, as pessoas boazinhas dão a face da própria mãe e em seguida perdoam quem enfia a mão na cara dela. Todos pagãos e ateus práticos.

***

Ninguém é limpinho, old boy. Limpinho só UM é, a VIRGEM MARIA, os ANJOS e TODOS OS SANTOS. A Igreja existe para ensinar a gente (bando de bobocas de cabelo penteado) a ser mais ou menos que nem todos eles. Na verdade, ensinar a ser como Jesus. Ah, mas na Igreja ninguém vale o que come... E você vale?

O problema é confiança. É mais ou menos como um cara que do nada arruma para você uns ingressos para o show do U2 esgotado. Você primeiro desconfia: "Esse cara quer alguma coisa..." Mas por que ele teria que ser necessariamente escroto? Tenha fé. Se o cara já fez isso com um monte de gente antes e sempre tudo foi bem em todos os sentidos, por que logo você vai ser o babaca que se acha superior e vai negar? Pega a merda do ingresso e não enche o saco.

***

Todos que reclamam da religião ou da Igreja têm como pressuposto que são melhores. Mas olha só. Eu não sou nada, você também não. Então por que você é o gostosão do pedaço? Você vale mais que o inquisidor-mor? Vale mais que o monge-guerreiro, que estava pronto para meter a espada no peito do primeiro que perturbasse os fiéis peregrinos? Mais que toda a comunhão dos santos? Mais que o papa? Ora! Se você é tão bom, o que já fez de grandioso? Cadê seus estigmas, santinho do pau oco? Onde estão os órfãos que você salvou? Quantas pessoas você converteu para a saudável fé de Nosso Senhor Jesus Cristo? Quantos livros de teologia ou sobre a história do cristianismo você já publicou? Tem lambido muitas feridas por aí? Salvou a vida de quem? Se nunca fez pelo menos nada de mal, não fez mais que a sua obrigação. Isso até eu faço. Isso é moral passiva. Começa assim mesmo, e daqui a pouquinho você vai começar a achar legal fazer o mal porque vai parecer ativo. Se não fez mais nada de bom, então vá ser Napoleão ou santo lá no seu quintal ou na puta que pariu, e deixa quem realmente entende das coisas em paz, seu prego. Deixa os fiéis quietinhos.

1 comment:

Glauber Ataide said...

Tanja, muito legal o seu blog. Já naveguei por várias páginas e me identifiquei muito com o conteúdo.