Saturday, December 30, 2006

Jovens nos EUA aprendem em aulas a enfiar o punho no ânus ou na vagina de parceiros e prós e contras da ingestão de sêmen, além de sexo gay

Imagine a seguinte situação. Seu filho de 14 anos acaba de voltar da escola. Você pergunta como foi a aula. Ele diz que teve aula de educação sexual e aprendeu fisting. Você certamente não sabe o que é isso, muitos americanos também não e eu tive que ler e reler para acreditar no que significa isso.

Veja só. Fist significa "punho". Fisting denota ação. Como sou pecadora, a primeira coisa que pelo menos eu pensaria é que isso é alguma nova gíria para aquele hábito que alguns caras tem de, hm, aliviar a solidão. Em inglês tem handjob, strocking, spanking the monkey, beat the meat etc. Para coisas assim sobra a criatividade do povão. Mas nada disso. Fisting é uma prática sexual na qual o parceiro enfia o punho no ânus ou na vagina da parceira. Um treco desses eu só tinha ouvido falar no livro O Paraíso Sexual-Democrata, do Janer Cristaldo, onde ele conta como era a Suécia dos anos 70. Há gosto para tudo.

É isso aí. Seu filho de 14 anos teve aulas de fisting. Mas não é só isso, como diz o bordão do comercial de televendas. O seu filho diz que também aprendeu os prós e contras da ingestão de sêmen durante o sexo oral. Gerald Thomas disse, todo bobo, que também aprendeu coisa assim numa universidade holandesa. Mas Gerald Thomas é meio retardado. Quem quiser saber o que esse trouxa escreveu, leia aqui.

Resumindo. Estão ensinando a seu filho o lado bom e ruim de engolir esperma e a prática de literalmente meter o punho em alguém. E tem mais.

Nada disso é hipotético. Essas coisas e muitas outras eram ensinadas numa escola pública em Massachusetts. Para piorar tudo, ensinavam as belezas da vida gay. Não estou brincando. Além de tudo aquilo, os jovens eram incentivados a práticas homossexuais.

Vários workshops para jovens e sessões de treino para professores foram feitos com esse intuito. Tudo com o suporte da Gay, Lesbian and Straight Education Network. Não satisfeitos em fazer sacanagens entre si, talvez quiseram abrir vaga para outros desde criancinha. Só esqueceram de perguntar aos pais delas se topariam. Parece que não. Eles gravaram os workshops e dedaram )no sentido figurado, pois num assunto desses é bom especificar) todo mundo. Jogaram a merda no ventilador.

A educação no mundo já não está lá grandes coisas. Só que agora há o detalhe pitoresco. Além de você voltar mais burro, também volta gay e pervertido.

Por mim, se você quiser transar até com mosquito, vai fundo. Transar é bom e não estou nem aí. Só não arruma encrenca para quem não tem nada a ver, principalmente jovens. Isso é coisa de pedófilos. É crime (pelo menos até hoje, vamos ver até quando vai ser). Depois que alguém insinua ligação entre pedofilia e homossexualismo, começam com o chorôrô e a posar como vítimas.


A notícia é: Public employees teach kids 'gay' sex. Vem lá do ótimo World Net Daily. (Perceba como tudo é de uma malícia do cacete, a julgar pela cara de pau dos caras em querer processar os pais.)

Three HIV instructors in Massachusetts are at the center of a growing controversy after reportedly conducting sexually explicit workshops for teenagers and holding sessions to train teachers in the art of injecting positive homosexual themes into public school materials -- down to the elementary school level.

Two state employees in the HIV division of the Department of Education and an HIV consultant with the Department of Public Health led a March 25 "Teach Out" held at Tufts University. The event was sponsored by the Gay, Lesbian and Straight Education Network, or GLSEN.

Teachers who attended the conference received state development credits for their participation. The Massachusetts Department of Education provides funding to GLSEN through its "Safe Schools Program."

Scott Whiteman, with the Massachusetts-based Parents Rights Coalition, attended several of these workshops and secretly recorded them. GLSEN has since threatened him with legal action for doing so, claiming that all participants at the "Teach Out" had to agree to a policy of confidentiality.

According to Brian Camenker, president of the Parents Rights Coalition, the idea of any confidentiality requirement is a fabrication.

"There was nothing told either verbally or in print in any of the literature surrounding the event about not tape recording it. There was absolutely nothing about this -- and believe me, we've been through absolutely everything," Camenker stated.

To document the event, Whitehead and Camenker wrote a detailed and explicit article, "Kids Get Graphic Instruction In Homosexual Sex," in The Massachusetts News.

The Gay, Lesbian and Straight Education Network claims the conference was only for "registered" participants. Camenker says it was a public event, open to anyone who wanted to attend. Whiteman registered under his own name and paid his fee.

Whiteman says he was shocked to learn what state employees were teaching children. Two of the instructors, Margot Abels and Julie Netherland, are listed as HIV counselors, while Michael Gaucher is listed as an HIV consultant. These instructors travel to schools throughout Massachusetts conducting HIV workshops for teens.

According to Whiteman, in one "Teach Out" workshop entitled, "What They Didn't Tell You About Queer Sex & Sexuality in Health Class: A Workshop For Youth Only, Ages 14-21," the three instructors encouraged teens to openly discuss various homosexual sex acts in the most explicit manner.

Abels and Gaucher, according to Whiteman, both discussed the practice of "fisting" -- putting one's hand inside the anus or vagina of a sexual partner. Gaucher taught the children how to make a fist. He also discussed the pros and cons of ingesting male body fluid during oral sex.
Abels told the teens that "fisting" often gets a bad rap. She said that it was "an experience of letting somebody into your body that you want to be that close and intimate with."

According to Whiteman, the entire session ran 55 minutes before there was any mention of condoms or "safer sex." When condoms were discussed, the teachers pointed out that teens could make an "informed decision" not to use condoms.

Outside in the hallways, various organizations had set up tables to distribute male and female condoms and other sexual paraphernalia. The Sidney Borum Community Health Center, for example, was handing out "Pocket Sex" kits, which included two condoms, two antiseptic moist towelettes and six bandages. According to the teen who was handing out the sex kits, the bandages were for "when the sex got really rough."

In the workshop for teachers, Margot Abels reportedly told the audience that "sex is central to every single one of us, and particularly queer youth." Abels works on the Gay/Straight Alliance HIV Education Project -- an effort of the Massachusetts Department of Education. "GSAs" are being established in public schools throughout Massachusetts and the nation.
Whiteman says the conference also included workshops entitled:

· Ask the Transsexuals
· Early Childhood Educators: How to Decide Whether to Come Out or Not
· Lesbian Avengers: How to Promote Queer-Friendly Activism in Your Schools and in Your Lives
· Diesel Dykes and Lipstick Lesbians: Defining and Exploring Butch/Femme Identity
· The Religious Wrong: Dealing Effectively with Opposition in Your Community
· Starting a Gay/Straight Alliance in Your School

Parents Rights Coalition fights back

According to PRC's Camenker, "In the Boston press and elsewhere, GLSEN officials don't deny these things happened. They stand behind the conference. They're trying to say these kids were just asking questions and being told honest answers. This is a complete lie. The tapes prove that beyond a reasonable doubt."

Camenker added, "If the rest of the country wants to know where the homosexual movement is going, all they have to do is look at Massachusetts. Homosexuals claim that Massachusetts is their model for the rest of the country. They're very proud of the fact that they've been able to make so much progress and use this thing about 'safety' [for homosexual teens] as their entree into schools. It's all bogus."

On April 25, Whiteman attended a Massachusetts State Board of Education meeting and presented evidence of the instruction at the "Teach Out." According to Camenker, the board wasn't interested. Instead, it passed a statewide law forcing schools to accept a Gay/Straight Alliance if the state wants a school to have one.

On April 18, the Parents Rights Coalition sent a letter of concern to the Middlesex District Attorney's office, asking for an investigation of the "Teach Out."

In the PRC letter, Whiteman noted that the instructors at the "Teach Out" may have violated several state laws that criminalize the enticing of a person into prostitution or sexual intercourse; inducing a person under 18 to engage in sexual intercourse; and distributing materials harmful to minors. The PRC has not heard back from the district attorney, and Camenker tells WorldNetDaily that no one wants to talk about the "Teach Out" or to take any action against what was taught.

Education officials respond

WorldNetDaily's repeated calls to the Gay, Lesbian and Straight Education Network for comment were not returned. Michael Gaucher referred WorldNetDaily to a public health department PR spokesman who in turn referred WND to a person who is on vacation. Julie Netherland said she is forbidden by department policy from speaking directly to the press and referred WND to Darrell Pressley, the director of media relations in the Massachusetts Department of Education.

According to Pressley, the department is investigating what was said or not said at the "Teach Out" by Netherland, Gaucher and Abels. The Department of Education did not fund or sponsor the event, he said, and the HIV teachers volunteered their time for the "Teach Out."
Pressley agreed that it would be a violation of policy for HIV teachers to tell children about fisting, ingesting body fluids and anal intercourse. He also noted, however, that the Department of Education does have programs that discuss "safety" in schools for homosexuals and health issues for gays and lesbians.

WorldNetDaily also interviewed Alan Safran, deputy commissioner of education with the Massachusetts Department of Education. According to Safran, the department had no involvement in the "Teach Out," other than two employees presenting workshops.
"We didn't sponsor the conference. We didn't host the conference. We didn't design the conference. We didn't recruit, advertise, organize, register people for the conference," said Safran.

He could not confirm what the presenters said in the workshops until he reviews the tape made by Whiteman.

When asked if these presenters would be in violation of department policy for teaching about fisting or anal intercourse in a public school, Safran responded: "It wouldn't have happened in a public school setting. It's not what our people do in a public school setting. Sure, if this had been done by our people in a public school, it would have been outside of their parameters of what the job is."

Safran noted that "our people don't intend to have these workshops in the future." He said he wants to determine -- by listening to the tape -- what level of involvement his employees had in the conference.

"Let's see what our people did and said and the context -- if they were asking the questions or if they were responding to questions."

According to PRC's Camenker, the homosexual activist agenda is being promoted in the public schools through the Governor's Commission on Gay and Lesbian Youth and the Safe Schools Program -- two programs originated under former Republican Governor William Weld's administration. Weld's successor, current Republican Gov. Paul Celluci, has increased funding for the gay and lesbian youth commission.

Frank York is a contributing reporter to WorldNetDaily.

***

Como sabemos, ou pelo menos sei, vai chegando a hora em que qualquer tipo de crítica aos gays será uma questão de código penal. Aos pedófilos também será em breve. Está vindo o dia em que nem mesmo um texto como este aqui será permitido, sob a alegão de incitar ódio a determinado grupo. Se alguém de movimento gay ler isso aqui, não ficarei surpresa se resolver me processar. Se você for gay e estúpido, processa o World Net Daily e o Frank York em vez de me encher o saco.

Já me disseram que existem cidades aqui no Brasil que deram a largada para a venda da liberdade de expressão. Aqui no Rio me disseram que se você falar mal de "tribos alternativas" dá cana.

Quando falo que político é covarde, ninguém acredita.

Friday, December 29, 2006

Perseguição anticristã

Onde mesmo você leu sobre as prisões de católicos na China? E sobre cristãos espancados no Vietnã? E aquele cristão cubano que foi espancado sem que a polícia fizesse nada? Sabia que milhões de cristãos foram mortos da década de 50 para cá, e que nos países comunistas o número de cristãos mortos chegou a quase 1/3 do total das vítimas?

Claro que você não sabia. A imprensa está mais preocupada com os padres pedófilos. Isso você sabia, não é mesmo? É mais grave abusar de várias crianças que matar milhões de cristãos, crianças inclusas, não é verdade?

Graças a Deus há quem se preocupe com essas coisas e tem ainda senso das proporções. Há um site cuja iniciativa é apenas juntar notícias a respeito de perseguições especificamente contra católicos. Se chama Observatório da Perseguição. É um blog feito por alguém que estava inconformado. Pode ser pequeno, pode não modificar o rumo das coisas, mas quem é que disse que Deus só gosta daquilo que chama a atenção das pessoas e que muda o mundo? Para mim, só aquele blog vale por toda a honra de todos os jornais do Brasil; todos insistem em se calar sobre isso, só soltando matérias aqui e acolá a respeito. Agora, quando é sobre pedofilia, Evangelho de Judas, Código da Vinci, supostos insultos aos muçulmanos...

Vale a pena lê-lo. Há outros a respeito que relatam perseguições anticristãs em geral, como The Voice of the Martyrs e o World Net Daily, embora este último contenha muitos outros tipos de notícias. Por sinal, Olavo de Carvalho juntou várias notícias desse site e fez um mostruário a respeito de perseguições anticristãs só nos EUA. Clique aqui e você baixará um arquivo zipado contendo uma cacetada de notícias a respeito.

***

Se você fica chocado com a onda de acusações de pedofilia contra padres porque você realmente é contra a pedofilia em vez de ser contra padres, então dirija sua indignação também contra professores. Até onde sei, para ser professor não é preciso celibato e mesmo assim chovem casos de professor com(endo) aluno. O negócio está tão feio que o WND chega a chamar de sexpidemic, mas com um detalhe. É que a quantidade de professoras envolvidas é coisa de louco. Dê só uma olhada nessa notícia aqui, por exemplo.

Não sei o motivo de algumas pessoas confiarem menos em padres que em professores, psicólogos e tal. Vai entender!

Notícias sobre isso não aparecem no Brasil. Sabe o motivo? Professor pode dar para ou comer menores. Padre não. Deve ser por questões de concorrência e reserva de mercado...

***

Amanhã vou comentar uma notícia, já antiga, sobre professores ensinando sexo a alunos nos EUA.

As pessoas têm medo de quem é independente

Infelizmente no Brasil você não tem o direito de ter opinião própria. Você é obrigado a ter a certeza que determinado grupo quer que você tenha. Caso contrário, seremos considerados loucos, burros ou dissimulados. A coisa é tão feia que até mesmo a expressão "ter opinião própria" acabou significando o seu oposto. O número de otários que repetem babaquices crentes que estão abafando é infinito.

Um bom exemplo disso é a respeito de religião. Uma pessoa considerada culta entre os medíocres é aquela que não gosta da Igreja. Tal pessoa é politicamente correta. Acha que a história da Igreja é uma farsa sanguinária. Mais de dois mil anos foram cobertos pelas piores atrocidades. "Padres? Um monte de mentirosos, hipócritas. Celibato? Só serve para destruir famílias e promover homossexualismo. Igreja? Coisa de Satanás/atentado ao homem." Não é de estranhar que gente tão aparentemente distinta como ateus, satanistas, nazistas, comunistas e testemunhas de Jeová compartilhe a mesmíssima opinião.

"Diga-me com quem andas que te direi quem és", já ensinava Jesus.

Para pessoas assim, se você disser um "ai!" a favor da Igreja você é semi-letrado, ingênuo ou malvado. O pacote tem que ser comprado por inteiro. Deve-se detestar a Igreja, essa coisa pérfida, nojenta, pecaminosa. Deve-se detestar tudo. O que não for detestável está na classe das exceções que confirmam a regra.

O outro lado da moeda são defensores da religião que se consideram mais puros que Maria. Qualquer tipo de discordância sobre qualquer coisa é considerado meio caminho para o inferno. Todos tem que dizer amém para tudo que qualquer autoridade eclesiástica disser. Mesmo numa conversa a respeito de coisas que nem mesmo a Igreja tem certeza, se a nossa opinião parecer destoante, a gente é visto como inimigo.

Sobre estes dois grupos, quero mais é que se dêem as mãos e se explodam.

Não é muito fácil haver um mínimo de inteligência quando as coisas chegam a esse ponto. As pessoas acabam se preocupando menos em conhecer e mais em fazer política. Mas política, nesse sentido, quer dizer apenas se preocupar com os meios.

Quem gosta de agir na base do consenso age que nem cachorro. Os cachorros se reconhecem pelo cheiro, os membros de cada grupo se reconhecem pelos chavões. Se você não souber quais os chavões, eles vão morder o seu traseiro. Mas sabe o que é mais triste? É que um montão de vezes o cara sinceramente acha que está pensando por si mesmo. É triste. Ele não percebeu que está sendo feito de palhaço, ou então mete logo o pé na jaca caso não seja tão ingênuo. É como Arnaldo Jabor elogiando Beleza Americana. O filme é escroto até não poder mais. Foi feito cheio de clichês tontos. Filme de garoto bobo que quer aparecer. Mas aí chega o Jabor elogiando...

Quer saber? Quem gosta de "raciocinar" assim é uma mistura de bobão com mentiroso, mais dois dedinhos de cinismo. Uma pessoa normal não consegue ser assim. Mas quem disse que o brasileiro medíocre é uma pessoa normal?

***

Esqueci de dizer um negócio. Ser iconoclasta é só uma expressão literária legal. Há ícones que a gente tem que defender. Nem tudo merece marretada. É como o riso. Nem tudo merece risada. Obrigar fiéis a comer excrementos em lugar de hóstia, como houve na Romênia, não é engraçado.

Esqueci de dizer mais uma coisa. É bom criticar alguém só se a gente tiver a possibilidade de fazer alguma coisa melhor. Senão é presunção.

Wednesday, December 27, 2006

Amor

O que é o amor? Quem ama não sabe dizer e quem sabe dizer parece que na prática não ama.

O que posso dizer? Apenas que eu amo quando o tempo parece sempre pequeno para tanto amor. E mais amaria, se para tanto coração não fosse tão curta a vida.

Monday, December 25, 2006

Vamos continuar a falar mal de petistas enquanto dá

Diogo Mainardi, a respeito dos petistas: "O único prazer que a gente tem é dar raiva a esta gente."

Sunday, December 24, 2006

As norueguesas são estupradas por muçulmanos mas, segundo professor, elas também são culpadas, e quase ninguém toca no assunto

Eu estava lendo The Brussels Journal quando, para variar, vi mais uma notícia sobre a ligação entre aumento dos casos de estupro e imigração muçulmana. Dessa vez é na Noruega, onde a taxa de estupro é seis vezes maior que em Nova Iorque. E o detalhe mais insólito é o comentário infeliz do professor universitário no final da notícia. Dá vontade de bater.

The number of rapes in the Norwegian capital Oslo is six times as high as in New York City. I’ve written about the issue of rape and Muslim immigration so many times that I am, quite frankly, a bit tired of the subject. But as we all know, problems don’t disappear just because you are tired of talking about them, so here goes.

There has been an explosive increase in the number of rape charges in the city of Oslo, but both the media and the authorities consistently refuse to tell us why. They did do so, however, in 2001, when two out of Norway's three largest newspapers, Aftenposten and Dagbladet, reported that most of these rape charges involve an immigrant perp, which again mostly means Muslims. Both newspapers have since then conveniently “forgotten” about this, and have never connected the issue to Muslim immigration although the number of rape charges has continued to rise to historic levels. They are thus at best guilty of extreme incompetence, since their former articles about this issue are still available online.

Norway’s Minister of Justice from 2001 to 2005, Odd Einar Dørum, mentioned the problem in 2001 but has later gone quiet about the issue. The reported number of rapes in Oslo is now six – 6! – times as high per capita as in New York City, yet the media keeps warning against Islamophobia.

According to Aftenposten, the clinic (voldtektsmottak) at the emergency hospital known as Legevakt has never had so many rape victims to treat. Its ability to care for them all is being severely tested. The number of reported rapes has skyrocketed this year.

Two out of three charged with rape in Norway’s capital are immigrants with a non-western background according to a police study. The number of rape cases is also rising steadily. Unni Wikan, a professor of social anthropology at the University of Oslo, in 2001 said that “Norwegian women must take their share of responsibility for these rapes” because Muslim men found their manner of dress provocative. The professor’s conclusion was not that Muslim men living in the West needed to adjust to Western norms, but the exact opposite: “Norwegian women must realize that we live in a Multicultural society and adapt themselves to it.”

O comentário do tal Unni Wikan deve ter ganho de lavada o troféu "Big Asshole 2001". Será que esse cara não tem mãe, filha, tia, prima, sobrinha, irmã, amiga? Além de atribuir parte da responsabilidade às vítimas, ele teve a cara de pau de dizer que quem deve se acostumar com a "Multicultural society" são as norueguesas, não os safados dos muçulmanos! Mas quem foi que lhe deu o direito de dizer o que convém ou não? E que porcaria de sociedade é essa onde as mulheres não podem viver tranqüilas? Quer dizer que um dia todas nós teremos de usar burka? Poxa, é como se um cara viesse aqui em casa, ficasse de gracinha com a minha filha, exigisse que eu modificasse toda a arrumação da casa, para no fim dizer que eu deveria ser responsabilizada por todas as grosserias dele. Palhaçada!

Saturday, December 23, 2006

Palavrão pode ser catártico

Um dos meus bordões é que palavrão, se bem empregado, funciona como catarse. Se você, com um mui belo palavrão, conseguir exprimir uma verdade sobre algo ou alguém, quem ouve de repente se sentirá purificado e sairá com moral superior da experiência.

Isso funciona ainda mais em ambiente de educação postiça. Nesse tipo de recinto (pode ser uma faculdade, um palanque, enfim), as pessoas consideram que não há modo mais básico de ser ou agir que a sofisticação. A verdade vem em segundo lugar, não raro como um treco feio e esquisito, quase um monstrengo que deve ser evitado na medida do possível. Choca mais ser deselegante que ser mentiroso. A pessoa inteligente sabe que a elegância é um atributo da inteligência, mas o tapado acha o contrário. Como a elegância é mais vistosa, vistosa até para o camarada mais burro, então ele toma a elegância como a própria inteligência. O efeito pernóstico desse ponto de vista é associar a verdade a uma coisa feia e a sofisticação a algo bonito.

É nesse ambiente cheio de pó de arroz, falsificado, que o palavrão é cartático. Se ele conseguir expressar como as coisas realmente são, o rei vai de repente surgir nuzinho da silva. É por isso que em determinadas discussões é mais válido dizer alguma coisa bem feia que "salvar as aparências", ainda mais quando o outro mente de propósito.

Agora umas palavras de Goethe. Um dos convivas, durante um jantar numa corte, teimava em aborrecer a todos na mesa com uma indiscrição horrenda. Ninguém sabia muito bem como lidar com a situação. Alguém pediu a palavra e falou tantos palavrões cabeludos e coisas tão horríveis que até o conviva mal-educado corou e se calou. Então todos voltaram a comer como antes, não sem rir e satisfeitos com a intervenção desse "alguém".

Friday, December 22, 2006

Nada melhor que a esperança

Nada melhor que sentir o ar fresco e nada melhor que ouvir uma bela música. Nada melhor que rir à toa e nada melhor que sentir carinho. Nada melhor que ter alguém ao lado e nada melhor que se doar. Nada melhor que sentir o frescor da chuva e nada melhor que olhar uma criança bonita. Nada melhor que dormir numa cama gostosa e nada melhor que ver o céu. Nada melhor...

É vivendo, vivendo bem, que podemos experimentar coisas cujo valor não há nada melhor. A vida, boa vida, é um belo poema. Ela é lírica e tem rima (a rima é amor). Não há nada melhor que estar viva e nada melhor que ter esperança.

Saturday, December 16, 2006

Napalm Death

Amigo, o texto a seguir não é para gente boazinha. Se você for, cai logo fora. Olha que avisei!

***

As pessoas foram tomadas da síndrome do bom-mocismo. Todo mundo quer ser racional, pacífico, analítico, multicolorido, complexo, tolerante. O séc. XX esteve cheio de neguinho assim. Conclusão? Foi o mais estúpido, anti-religioso, hipócrita e assassino de toda a história.

Não foi der Führer o mais nefasto do século, nem camarada Stálin. A figura do século foi o sr. Primeiro-Ministro Neville Chamberlain. Inglês, engomadinho, civilizado à moda dos anos 20, narizinho delicado e torcido quando ouvia falar em guerra, cara de quem era zoado pra cacete na escola. [Notinha: na Inglaterra havia e há realmente school, por conseguinte scholars, enquanto por aqui há na verdade clubes onde os pais deixam seus filhotes para que não encham o saco em casa durante uma parte do dia. Como a natureza é vingativa, eles retornam mais burros e revoltados, segundo o que ouviram do professor in de história, scholar às avessas. A raiz desses termos é a velha scolé, de onde veio a palavra escolástica. Brigadinha.] Este engraçado senhor inglês conseguiu a proeza de apertar a mão do Führer e balançar, num aeroporto já em terra britânica, um pedaço de papel com a assinatura do alemão, achando que era a coisa mais bacaninha do mundo. Deve ter ido dormir todo pimpão. Tempos depois, Hitler o fez ainda mais de otário. Ele se arrependeu tarde da palermice. Só depois de seis anos e alguns milhões de mortos, Hitler virou churrasco, a Alemanha foi devastada. O Prime Minister nem viu direito essas coisas porque dormiu sossegadinho na cova quando a brincadeira mal havia começado.

Um pouco antes da guerra terminar, veio Mr. President F. D. Roosevelt, carismático, democrata, liberal, bom de papo, combinar com o camarada Stálin como seria o mundo depois da guerra. Deve ter achado tudo okeydokey em Yalta. Conclusão? Cinqüenta anos de guerra fria. Também foi descansar em paz antes do fim da guerra. Outro cujo pacifismo levou os EUA a serem atacados pelo Japão e em seguida acossados pela URSS por décadas.

É sempre assim. Os mais posudos são os piores. Com delicadeza de bailarina pedem que você cale a boca porque diz uma verdade dolorida; do mesmo jeito, fingem que não ouvem quando você fala algo sobre cristãos morrendo como animais pelo mundo há décadas. São pessoas, essas de fino trato, capazes de chorar se vêem um passarinho fora do ninho ou se não acodem alguém com um arranhãozinho no joelho. Mas com toda a calma do mundo acham que dizer a verdade é deselegante, portanto passível de cadeia em tese. Just business, that's all. O engomadinho faz direitinho o seu trabalho de deixar o trem em perfeito estado para que alguns judeus sejam mandados para o campo de concentração.

Pessoas delicadas gostam muito da companhia de um bom fdp alegrinho, se ele pelo menos dançar nos conformes. Até filhadaputice tem suas regras, sabe-se. Como hoje é cool mandar cristão para a bosta, quando não para o céu antes do tempo, o fdp pode xingar à vontade e a pessoa delicada não vai ligar. Mas ai daquele que aparecer reclamando! Aí toda a delicadeza do mundo será posta à serviço da filhadaputice reinante. Quem virará antipático não será o fdp, mas quem se defende dele. São pessoas assim que deviam achar um porre aquele tal de João Batista, vestido todo errado e comedor de gafanhoto, berrando sobre Messias e não tendo vergonha de dizer certas coisas. Quê? Messias? Ah, esses judeus deselegantes... Tudo gentinha, com essas radicalidades, acreditando em Céu e Geena. Vamos rir, sem apelar aos radicalismos que eles tanto adoram. Melhor seria se calassem a boca deles.

***

Há gente que sente nojinho da religião. Há quem sinta nojinho da Igreja. Todo mundo é muito limpinho e puro, amigão. Dizia o bom cidadão 1995 circa: "Olha, gosto de Deus e tal, mas Igreja é outra coisa". Claro. Para você ser assim tão bonzinho hoje, usando a camisa verde pólo que custou R$79, as gentes mais hardcore da cristandade tiveram que aturar César, leão, Ário, germanos pancadões, mouros, canibais, Napoleão, Stálin, Hitler e o diabo a quatro. Depois dessa dança maligna, aí sim você pode ir lá na loja todo felizão e comprar a camisa verde. Quem sabe até ouvir depois alguém dizer um "vai com Deus" ou "Feliz Natal", depois mandar um cartãozinho ou telefonar pro amigo pra saber se ele está bem? Ou perdoá-lo se ele fez alguma coisa? Ou ser perdoado se você fez alguma coisa?

Cuspiram na cara de santos, esquartejaram outros tantos, mais alguns literalmente comeram pó... Outros lamberam as feridas de leprosos. Já você... Hm, você talvez tenha a sua marca preferida de perfume e vai ao cinema rir com seus amigos. Se tiver "um lado espiritual independente de religiões " (acho que li isso no Orkut), vai rezar um pouquinho. Lindo. Sempre olha os dois lados da questão, desde que, claro, isso não implique (como ser diz?) radicalismos. Vive como se estivesse com uma placa na cabeça dizendo: SAÍDA EM CASO DE FANATISMO.

Wow! Que mané subir degrau para cumprir promessa o quê! Fazer caminhada para Santiago de Compostela, pfui! "Esse negócio de pagar penitência é coisa de velha beata" (comentário seguido de sorriso superior).

Certa vez tiveram que colocar um osso da perna do Santo Inácio de Loyola no lugar. Sem anestesia. Ele agüentou sem dar um pio. Hoje, na primeira dorzinha de dente, a gente chora. Sim, você é mais limpinho.

Agora vem cá que o negócio é comigo, rapá, porque não sou grande mas compenso sendo faladora. Na dúvida, chego de bicuda na canela. A Igreja teve que se ferrar toda, seu manezão, para você hoje ter o bumbum limpo e cheirosinho. É muita sacanagem você querer empinar esse narizinho aí e bater no peito dizendo: "A Igreja está ERRADA". Errado é você, cara. Mas você não é sacana, é cordato. Não fala nada por mal. Essa parada de ser mal só é vero na novela das 8 ou outra coisa kitsch... (O público aliás admira.) Você, cara bonzinho, dá bom dia ao porteiro, dá presentes aos amigos, cumprimenta a todos, paga seus impostos, é boa praça. É contra a guerra, acha sacanagem proibir a opinião de alguém. Você não teria coragem de pisar na cabeça de um gatinho, não é mesmo? Quanto mais pisar na cabeça de um velhinho! Um absurdo, um absurdo... Mas quer saber de uma coisa? Você não faz nada disso porque há tempos atrás um sujeito hardcore fez questão de morrer para provar que isso é errado. E ele morreu (e ressuscitou). Pára com essa mania ridícula de ser a Professorinha Helena do mundo, toda boazinha e coitadinha. Se joga debaixo do tanque em Pequim. Dá tudo que tem na geladeira para o mendigo. Se mata de tanto ajudar o outro. Vá lamber as feridas dos mendigos. Seja santo mesmo, cacete! Só não vem com papo mole.

***

No fundo, a verdade é que todo mundo quer ser bonzinho. Bonzinho é o caralho. Quem é bonzinho com quem mata gente indefesa é um puto. Ser bom é se aproximar do bem e se afastar do mal. Esquece esse papo de dar a outra face, perdoar os inimigos. Você leu essa passagem mas não entendeu porra nenhuma. Esquece. Na prática, as pessoas boazinhas dão a face da própria mãe e em seguida perdoam quem enfia a mão na cara dela. Todos pagãos e ateus práticos.

***

Ninguém é limpinho, old boy. Limpinho só UM é, a VIRGEM MARIA, os ANJOS e TODOS OS SANTOS. A Igreja existe para ensinar a gente (bando de bobocas de cabelo penteado) a ser mais ou menos que nem todos eles. Na verdade, ensinar a ser como Jesus. Ah, mas na Igreja ninguém vale o que come... E você vale?

O problema é confiança. É mais ou menos como um cara que do nada arruma para você uns ingressos para o show do U2 esgotado. Você primeiro desconfia: "Esse cara quer alguma coisa..." Mas por que ele teria que ser necessariamente escroto? Tenha fé. Se o cara já fez isso com um monte de gente antes e sempre tudo foi bem em todos os sentidos, por que logo você vai ser o babaca que se acha superior e vai negar? Pega a merda do ingresso e não enche o saco.

***

Todos que reclamam da religião ou da Igreja têm como pressuposto que são melhores. Mas olha só. Eu não sou nada, você também não. Então por que você é o gostosão do pedaço? Você vale mais que o inquisidor-mor? Vale mais que o monge-guerreiro, que estava pronto para meter a espada no peito do primeiro que perturbasse os fiéis peregrinos? Mais que toda a comunhão dos santos? Mais que o papa? Ora! Se você é tão bom, o que já fez de grandioso? Cadê seus estigmas, santinho do pau oco? Onde estão os órfãos que você salvou? Quantas pessoas você converteu para a saudável fé de Nosso Senhor Jesus Cristo? Quantos livros de teologia ou sobre a história do cristianismo você já publicou? Tem lambido muitas feridas por aí? Salvou a vida de quem? Se nunca fez pelo menos nada de mal, não fez mais que a sua obrigação. Isso até eu faço. Isso é moral passiva. Começa assim mesmo, e daqui a pouquinho você vai começar a achar legal fazer o mal porque vai parecer ativo. Se não fez mais nada de bom, então vá ser Napoleão ou santo lá no seu quintal ou na puta que pariu, e deixa quem realmente entende das coisas em paz, seu prego. Deixa os fiéis quietinhos.

A Andaluzia é aqui

George Borrow foi um desses ingleses típicos do séc. XIX. Anglicano, escritor, viajante e observador dos países por onde passou. Adorava em especial os ciganos, da Rússia à Espanha. Aqui tivemos também os nossos andarilhos: von Martius, Debret, von Humboldt, conde de Gobineau, todos deixando uma ou outra observação a respeito da nossa terrinha.

As observações do inglês a respeito da Andaluzia são bastante interessantes. Menos para seus habitantes. Até porque eles não devem gostar nenhum pouco da fama de indolência que há tanto tempo os caracteriza. Borrow também deu fé a isso e a muito mais.

Indolência é a marca do brasileiro. Ele parece até gostar dessa qualidade. Todo mundo pensa que se de repente bater um pandeiro e tocar um cavaquinho o brasileiro começa a sambar, enquanto as mulheres rebolam sem parar. Aqui no Rio as pessoas fazem questão de confirmar essa idéia, que de preconceituosa não tem nada. Antes é uma observação acurada da realidade. Há mesmo um funk onde a cantora fica berrando: "rebola até o chão, rebola sem parar!" As "tchutchucas" rebolam mesmo! Quem não rebola acaba pagando o pato. E a fama de malandro? Outro dia eu conversava por telefone com alguém do Norte e me perguntaram... na verdade afirmaram que todo o carioca é malandro. Assim mesmo, uma proposição tão universal como "todo homem é mortal". Ora, se Tanja é carioca, então Tanja é malandra. Não me sinto envaidecida por ser considerada 171 por aí. Mas meus concidadãos pensam de outro jeito. Sem contar a folga na vestimenta. Não sei o que houve, mas os homens daqui resolveram andar sem camisa para tudo que é lado. No meu prédio escreveram até um aviso: "É proibido andar em trajes de banho ou sem camisa nas dependências". No metrô acho que tem aviso semelhante. Pedem até para que ninguém se manifeste "em altos brados", supondo, lógico, que há quem o faça.

Nem todo brasilero é carioca, alguém pode dizer. Ok. Mas o que há aqui é provável que haja em todo o país. Até porque, para o bem ou para o mal, e talvez mais para o mal, Rio de Janeiro, caidinho que está, é ainda uma das principais referências nacionais. A cidade é símbolo, querendo ou não. É das mais importantes do país. Então o que acontece por essas bandas se espalha como praga, ao mesmo tempo que aqui é uma espécie de termômetro da nação. Se eu fosse alemã do séc. XIX e adoradora de teorias filosóficas românticas, eu diria que o espírito da Nação (com N mesmo) é representado, ao menos em boa parte, aqui. (No fundo, se eu fosse alemã do séc. XIX, ia mais é ficar cantando bonito, para orgulho do meu pai, ou leria cartas de amor de pretendentes apaixonados.)

Dei muitos floreios para dizer apenas que o andaluz de Borrow é o carioca (e brasileiro, por extensão) que eu sempre topo. Se sou também carioca, e por conseguinte brasileira, então é claro que padeço da indolência e do espírito de oba-oba e do liberou geral. É verdade. Mas isso não me torna incapaz de observar o meu em torno com alguma objetividade.

Borrow diz por exemplo o seguinte a respeito da Andaluzia:

Viven bajo el sol más espléndido y el cielo más benigno de Europa y su país es de natural rico y fértil, a pesar de lo cual no hay provincia en España donde haya más mendicidad y miseria, puesto que la mayor parte de la tierra está sin cultivar y no produce más que espinos y malezas.

Parece com algum lugar bem familiar, né? Para o bem da verdade, nem tudo isso seria certo a nosso respeito. Se não fosse o campo, o Brasil nunca teria sido tão grande como é. Grande parte de nossa riqueza vem lá do interior. Então há quem produza. E produz muito, porque é gente pra burro que vive no país, sem contar o tanto que vai lá para fora e vira riqueza, que por sua vez também sustenta a população inteira. E há a figura do sertanejo, homem desbravador, que Zweig tanto louvou em seu livro Brasil, Um País do Futuro. (Esse livro me deixou otimista em relação ao Brasil por uns três ou quatro dias.) Mas todo mundo fica sempre admirado é com a nossa beleza natural. A gente mesmo sempre diz que o Brasil é lindérrimo. Zweig mesmo não escapou disso. Tem até aquela piada de Deus ter dado uma terra linda para um povinho bem titica. Só que existe uma coisa curiosa. É que um dos primeiros a escrever sobre a nossa terrinha, Pero Vaz de Caminha, fez uma observação diferente. Embora elogiasse a formosura da terra também, o que mais parece ter lhe chamado a atenção foi o potencial da gente que habitava nela. Segundo o escrivão, eles viviam em inocência, sem idolatria, prontos para abraçar a fé. Alguns podem achar essa opinião ingênua. Pode ser. Mas é preciso levar em consideração que se o sujeito ficou assim tão deslumbrado, foi porque tinha como pressuposto que é difícil encontrar gente assim no mundo. A experiência com certeza já havia lhe mostrado como existiam povos hostis à fé. Portugal mesmo tinha bastante experiência nas costas a esse respeito. Encontrar gente dócil como os índios que ele conheceu parecia promissor. Não acho que haja motivos para duvidar muito da sinceridade do Pero. Talvez a carta seja menos convencional que pareça. Enfim, a maior e mais preciosa das riquezas desta terra seriam as pessoas. Opinião bem cristã. É por isso que, já pelo fim da famosa carta, diz:

Até agora não pudemos saber se há ouro ou prata nela, ou outra coisa de metal, ou ferro; nem lha vimos. Contudo a terra em si é de muito bons ares frescos e temperados como os de Entre-Douro-e-Minho, porque neste tempo d'agora assim os achávamos como os de lá. Águas são muitas; infinitas. Em tal maneira é graciosa que, querendo-a aproveitar, dar-se-á nela tudo; por causa das águas que tem!

Contudo, o melhor fruto que dela se pode tirar parece-me que será salvar esta gente. E esta deve ser a principal semente que Vossa Alteza em ela deve lançar. E que não houvesse mais do que ter Vossa Alteza aqui esta pousada para essa navegação de Calicute bastava. Quanto mais, disposição para se nela cumprir e fazer o que Vossa Alteza tanto deseja, a saber, acrescentamento da nossa fé!
Concluindo, a intenção era ajudar ao próximo. Repito: pode parecer convencional. Não sei. Mas isso só poderia ter sido escrito por um cristão.

Os índios de ontem somos nós? Ou nada temos a ver com eles? Nem tanto nem tão pouco. Boa parte da nossa indolência era antigamente atribuída aos índios e aos pretos. Era também atribuída ao nosso estilo de vida. O modo de vida civilizado deveria acabar com tudo isso. Alguns escritos do José Bonifácio eram bem claros sobre isso. Eram contrários à escravidão e favoráveis ao ajuntamento dos índios à nação. Enquanto esses problemas não fossem resolvidos, continuaríamos sendo pouco civilizados. A escravidão seria um câncer de largas conseqüências. Ele a chamava de "cancro moral". Os índios por si apenas se arruinariam e o país nunca teria unidade. (É interessante comparar isso com o que escreveu von Martius, tempos depois, sobre os índios daqui. Havia uma teoria que dizia que os índios brasileiros eram os restos arruinados de uma outrora grande civilização.)

Seja como for, se devido à escravidão ou não, a malemolência permaneceu no espírito de todo mundo. Se houve um dia algum potencial de elevação, é bem provável que agora ele esteja bem corrompido, depois de tantos tombos. A indolência acaba deixando o espírito fechado e o joga ao desregramento. É conseqüência do amor-próprio.

Se a gente levar em consideração como as coisas andam hoje em dia, tudo parece já ter ido por água abaixo. Mesmo quem é jovem, quem deveria mostrar alguma esperança, parece já quase liquidado espiritualmente. O mais triste é que logo quem deveria dar exemplo é o primeiro a cuspir no prato. Claro que não estou fazendo alusão aos políticos. Político é em geral um baita puxa-saco e dissimulado, cujo objetivo é não ser ele mesmo. Ele quer ser quem as pessoas querem que ele seja, a fim de ter poder só pelo prazer pelo poder. Quando um deles foge dessa regra, chama até a atenção. Na Bíblia, o bom juiz (o bom líder do povo, o legislador) chega a ser comparado a um deus. Nada mais angélico ou demoníaco, portanto, que a política. São todos eles um mal necessário. Muito superiores aos políticos são os intelectuais. Eles são os verdadeiros guias espirituais do povo. Não é por acaso que antigamente "clérigo" era sinônimo de letrado, e "leigo" de iletrado. O francês conservou o uso antigo; o português só em parte. O que o "clérigo" considerar bom, o político vai também considerar, e por tabela o povão. Há também a classe dos endinheirados, o sustento dos políticos e uma das fontes da riqueza do povo, embora aqui no Brasil quase ninguém entenda mais isso.

O intelectual põe as coisas em movimento, o político mexe com os meios e o endinheirado cuida do suporte necessário. Qualquer um cuja ação tenha relevância na sociedade faz parte da elite, seja advogado, professor, diplomata, jornalista, empresário, escritor de novela e, last but not least, político. Só que o político faz as coisas mais aparentes. Eu, por exemplo, querendo ou não faço parte da elite, embora aquele retardado do Lula faça ainda mais. Não é que eu tenha dinheiro. Não tenho nada. Faço por causa da minha função: ver, refletir e escrever, mesmo tão amadora. Pois é a elite (e eu no meio dessa bagunça toda) que está porca até não poder mais. Quem tem estudo não faz por onde. Como vai ficar o resto do povão? As pessoas que acabam tendo algum estudo acabam se atendo a ninharias, falando besteiras cheias de uma pompa que em algumas épocas ou lugares valeriam um tremendo pé na bunda. Essa gente, por mais estranho que seja, não nasceu indolente. Essa gente se fez assim. Com orgulho. Acham superior esculhambar o que é nobre e colocar em seu lugar qualquer baixeza que lhes agrade. Agem assim porque são baixos. São adoradores de baixezas e personificam o verso de Hölderlin: "só agrada ao servo o violento". Foi isso que o Brasil se tornou.

Aí está o motivo de a gente estar cada vez mais longe da realidade. Por que agora chamar alguém de macaco ou viado causa tanta polêmica ao mesmo tempo que ninguém nem tem idéia dos 50 mil homicídios anuais? Não sei como foi que aos poucos ficamos assim. A situação é degradante demais para ser analisada com minúcia...

O sr. Borrow, inspiração do texto, parece até que escreveu pensando no Brasil de hoje. Coisa impressionante! Veja só:

Los andaluces de clase alta son, probablemente, los seres más necios y vanos de la especie humana, sin otros gustos que los goces sensuales, la ostentación en el vestir y las conversaciones obscenas. Su insolencia solo tiene igual en su bajeza y su prodigalidad en su avaricia. Las clases bajas son por lo general más corteses y, con seguridad, no más ignorantes.
A afirmação de Borrow estaria errada se fosse a nosso respeito? Se você liga a TV, feita pela zélite, uma novela por exemplo, que é que você vai ver? "Goces sensuales, la ostentación en el vestir y las conversaciones obscenas". Se perambular pelas ruas, com o que você vai se deparar? Com "su insolencia". Não sou nenhuma donzelinha frescurenta. Só que isso não me permite elevar a baixeza à oitava maravilha do mundo. E tem gente que pauta a vida nisso! Há um desfile de "los seres más necios y vanos de la especie humana" em todos os cantos, exigindo que você aceite suas babaquices como algo elevadíssimo. Chegam a querer elevá-las ao plano do direito, criminalizando quem pense contra. São os señoritos que o Ortega descreveu em A Rebelião das massas. E a zélite virou máquina de fazer señoritos. São eles os líderes dessa bagunça toda.

Será, meu pai do céu, que essa joça de país ainda vai ter salvação? Mesmo depois de tantos anos de liberou geral? É possível ter aquela animação do Pero Vaz de Caminha, típica dos pioneiros? Ou do fundador do nosso país, José Bonifácio? Mesmo depois de tanta gente ter feito questão de emporcalhar tudo? Será? A indolência que parece natural agora se tornou artigo manufaturado e até de luxo! Só consigo pensar que só Jesus Cristo salva!

Thursday, December 14, 2006

François Couperin

François Couperin, le Grand

A França sempre teve fama de lugar muito civilizado. Mas a Revolução Francesa é um belo exemplo do contrário. A queda foi tão feia que nunca mais La Fille Aînée de l’Église conseguiu se recuperar. Se vive bem, vive em função do sólido fundamento deixado por uma história milenar. (Isso prova como a revolução pode ser um mal, não poupando nem uma cultura aparentemente tão firme quanto o chão.)

A sensibilidade francesa de antes ainda pode ser percebida. Nada melhor que ouvirmos o velho François Couperin. Músico, e dos maiores, pertenceu a uma família de músicos mais ou menos do mesmo naipe da família Bach. Teve mais sorte em vida que o próprio J.S. Bach. Foi reconhecido por todos, admirado, protegido pelo rei Luís XIV. Deixou sua marca em todo um novo sistema de harmonia musical. E por falar em Bach, o alemão parece ter admirado muito o Couperin. O Concerto Italiano tem qualquer coisa de Couperin.

Foi um grande cravista francês. Sua obra máxima são as Pièces de Clavecin. Elas são um conjunto de suítes, cada uma evocando um état d'âme singular. São músicas inclusive ingênuas e poéticas, cujos títulos dão boa idéia do que são: L'ame-en-peine, La Regente ou la minerve, L'himen-Amour, Le Rossignol-Vainqueur... São a expressão máxima da chegada do rococó francês.

As músicas são belas e tenras, mas sem deixar de ter vigor. Há também bastante alegria. É música sofisticadíssima. Não é à toa. Couperin tocava para a fina flor da França de Luís XIV. Não tem nada de superficial. Em suas últimas Pièces (Couperin publicou quatro volumes distintos), o já idoso compositor chegou a criar uma obra de grande acuidade psicológica, algo parecido com o que Da Vinci fez em seus quadros. Elas têm qualquer coisa de introspectivas se comparadas com os outros volumes. Uma bela despedida.

O fundo de todas as Pièces é de alegria, através de danças e mais danças. Há também espaço para a melancolia. Mas, ainda assim, é algo meio sonhador. É um otimismo em relação à vida. Parece o meio musical para a expressão da idéia leibniziana de este ser o melhor dos mundos possíveis. A vida, no fundo, é boa. Couperin chegou a dizer que todos deveriam se ocupar apenas de música. Expressão mais feliz da obra que nos deixou.

Sunday, December 10, 2006

Ímpeto de escrever sobre nada

O problema de ser nova é que um monte de vezes falta assunto. O motivo é duplo. É que, por um lado, falta experiência, por outro falta devido estudo. Por essas e outras que nós jovens acabamos falando muito de nós mesmos, porém sem dizer muita coisa aprofundada. Como dizia o antigo Aristóteles, é mais fácil dizer algo sobre aquilo que está mais próximo de nós e portanto mais distante de si mesmo que o contrário. Esse é o motivo de Goethe alertar sobre o problema da experiência na poesia. Ele dizia que o jovem só percebe um lado da coisas. A complexidade de tudo vai surgindo com o passar dos anos. E como a gente, segundo ele, deve se ater àquilo que sabe (e isso para mim é até óbvio mas na prática não é tanto assim), acontece que o jovem ainda é imaturo para expressar muitíssimas coisas. Tudo é ainda mais complicado porque nós jovens somos meio impacientes. Se a gente juntar a isso o problemão da vontade de se expressar que alguns têm (como essa que vos fala), o negócio chega a ficar feio. E como se não bastasse toda essa desgraceira, no país que a gente mora todo mundo é falastrão e tem que tomar posição de tudo, sem antes ter pensado direito a respeito. Ô vida!

(Do parágrafo anterior (que talvez tivesse ficado melhor se dividido em dois), posso dizer que no Brasil há uma estranha mistura do que há de pior na juventude e na velhice. Essa união do pior dos dois mundos forma cada um de nós. Mas não quero escrever mais uma vez sobre o Brasil. Deixa assim.)

O jeito é tentar controlar o ímpeto de escrever. Só que é como se fosse um não-sei-quê a nos atormentar, atormentar, atormentar... É gozado. Por que raios eu teria esse ímpeto se tenho a dizer tão pouco?

Por falar em ímpeto, tenho a mania de me atirar nas leituras mais misturadas. Um dia quero ficar sossegada no meu canto. De repente, surge uma vontade louca de fazer não-sei-o-quê. É estranho.

Ha! Já estou falando de mim mesma, num assunto cujo problema é... nós jovens não termos assunto, mas muita vontade de dizer alguma coisa, e acabarmos girando em torno de nós mesmos! Quer saber de uma coisa? Ah, que se dane! O texto vai ficar do jeito que está, provando por si o que sou. Não é pelo fruto que vos conhecereis?

Friday, December 01, 2006

Chuva

Por que as pessoas têm o costume de dizer que quando chove, o tempo está feio? É um tempo como qualquer outro, não? Na verdade, até bonito. O cinza pode ser down, mas a água é boa e serve como purificação. Não é sagrada, mas parece batismo do céu. A chuva também serve, talvez, como limpeza. Alivia o calor e serve para refrescar as plantinhas. Não é ótima?

Tem chovido bastante na cidade nos dois últimos dias. Antes fez muito calor. O Rio é assim. Quando chega janeiro, então vem a temporada de chuvas. Quer dizer, no mesmo dia faz um calorão seguido de um pé d'agua. Às vezes nem é tão pé d'agua assim, chove rapidinho. Mas sempre chove. E já falei do calor, né? Que coisa!

Embora a cidade seja grande, se comporta nesses momentos como se fosse pequenininha. Qualquer chuva já deixa tudo bagunçado. Dá para notar pela reação das pessoas. Se chove, todo mundo fica com o pé atrás para sair de casa. Menos por causa da preguiça do que por razões de trânsito. Chega a ser chavão o fato de ter inundação. Ou é a Praça da Bandeira, ou a Av. Maracanã, ou outro lugar. Ano passado acho que até a Pres. Vargas, na altura da prefeitura, ficou debaixo de água. E eu também quase fiquei no Lgo. do Machado uma vez. Estava tudo tão doido que nem passava carro na rua, e a luz quase não havia. Os carros se espalhavam pela ruas de um jeito caótico. Eu me diverti, se bem que ao mesmo tempo ficava sentindo nojinho de água poluída até o joelho, e medo da possibilidade de cair em bueiro aberto. Sempre alguém cai.

Adoro chuva. Também o frio. Os dois. É tempo lindo. Só é mais lindo quando da chuva fina de dia surge o arco-íris.

Monday, November 27, 2006

A vida é boa (embora às vezes ela possa parecer um saco)

Ai, o Paraíso... Dizem que é muito bom. Como não sei como é por lá, digo que gosto deste mundinho aqui. É sério. Quando dizem que isso aqui é uma bosta, sou a primeira a dizer que não é bem assim, não. Coisas pequenininhas são maravilhosas. Sorvete. Andar na chuva. Rir. Conversar. Pintar o cabelo. Falar mal do calor de hoje (meu esporte preferido é falar mal do calor). Ouvir agorinha o Mozart. Bater perna.

A gente reclama de muitas coisas. Agora, se você pensar bem, não há tantos motivos assim pra reclamação. Quem sou eu para ter sorvete? Quem sou eu para ouvir uma piada e rir? Quem sou eu para receber o que há de bom? Viver é bom, embora às vezes a gente fique puta. Mas fica puta nem tanto com a vida, mas por causa das sacanagens que fazem com ela. Isso é de lascar. Não digo que a gente tem que ficar que nem hiponga deslumbrado com o pôr-do-sol. Lá em Ipanema tem gente que fica aplaudindo quando o sol se põe. Ieca! Digo que é só uma impressão sobre o que de bom acontece sem eu saber a razão de desfrutar de tanto.

Para quem agradeço? A quem eu posso dar um "valeu"? Já dá para imaginar a minha resposta, né?

A vida é estranha. Me sinto bem com ela (ou nela?), mas ao mesmo tempo meio que não sei se há motivo para tê-la. Não faço paradoxos. Não estou dizendo nas entrelinhas que no fundo tenho tendências suicidas. Sou boba demais para dizer alguma coisa nas entrelinhas. Prefiro dizer claro, no máximo em tom brincalhão. Mas para mim é fato. Agradeço, agradeço, mas no fundo tenho a sensação de que essas coisas boas no fundo não são minhas. De repente estou aqui (obrigado quem me colocou aqui!), brinco com tudo, mas nada é meu, embora eu goste. Mereço tanto? E ainda tem quem reclame de tudo! Wow! Como poderíamos querer mais, se não dá nem para saber se na verdade teríamos que ter o que temos? Como é que vou ficar querendo ter oito namorados, quando já é estranho que de repente apareça um que me ame?

Viver é bom. Mas as coisas ao nosso redor não são nossas. Nem dá para saber direito se a vida é nossa mesma. O meu filósofo de cabeceira dizia que a vida nos foi dada, mas não dada pronta. O como ela será fica por nossa própria conta e risco. E quanto risco! Quase às cegas, a gente projeta a nossa vida.

Pegando essa idéia, fico pensando no seguinte. E se na verdade a vida de cada um, como ela tem que ser, na verdade já estiver planejada na cuca de Deus, se é que Deus tem cuca? Ele podia pensar assim: Tanja será médica. Esse é o primeiro ponto. O segundo é a minha atitude. Embora Ele queira que eu seja médica, embora tudo em mim carregue uma médica em potencial, eu posso dizer outra coisa: não, não quero ser isso, vou ser manicure. Não serei o que eu deveria ser. Serei falsidade de mim mesma. Não estarei ouvindo a minha vocação. Só que há um terceiro ponto. É que Deus quer (eu acho) que sejamos algo não só no sentido profissional, mas pessoal. Tenho que ser uma pessoa bem desenvolvida. Ok, soa vago. Mas a vida é vaga, só dá para fazer aproximações. Tem mais. Não dá para saber até que ponto o que acontece comigo acontece com outro. A gente conhece tudo por analogias com o que se passa conosco. O que cada um tem que ser é problema entre cada um e Deus. Cada um paga a sua própria conta. Então há uma espécie de Tanja do mundo das idéias (by Platão) na mente divina (eu acho). E e eu aqui deveria me assemelhar na medida do possível a ela. As circunstâncias da vida podem ajudar ou atrapalhar. O que seremos no final das contas é o que deu mais ou menos para ser. Imagine um aluno tendo que fazer o dever de casa. Quando é aplicado, ele faz o dever direitinho. Quando é relaxado, faz tudo em cima das coxas. A nossa vida também tem um pouco disso. No dia do Juízo, (acho que) Deus, o Mestre acima de todos os mestres, irá pesar até que ponto fomos quem deveríamos ser, levando em consideração os prós e contras. Da mesma maneira que realmente às vezes o PC quebrou e não deu para imprimir nosso trabalho, Deus sabe bem das dificuldades e fraquezas de cada um. Se redimidos, lá no Paraíso a gente seria quem tinha que ser em toda a sua plenitude. Sem nada profissional. Não num sentido só formal. Só que aí eu já estaria falando de coisas que realmente nem imagino como seja.

Isso tudo dá um pouco de medo.

Ô digressão do cacete! E a confusão dessa minha cabecinha? Será que ficou claro o que estou dizendo? Digo o seguinte. A vida, se bem que boa, não é propriamente nossa. Isso não significa fazer tudo em cima das coxas. Acho errado mandar um foda-se para tudo. Também não é certo ficar enchendo o saco que nem velho rabugento. Talvez não fosse nem para a gente existir. mas o camarada de repente existe. Está vivo. É gente. Não sabe como nem por quê. E ainda fica se achando o rei da cocada preta? C'mon! Se existo, mesmo toda troncha, só por isso, por esse, hm, dado primário, tenho mais é que ser grata e achar tudo bom no final das coisas.

Conselho da Espectadora

Depois de ler tudo, dou uma dica. Esquece tudo o que está fazendo e vá ouvir o Concerto para Piano 23 do Mozart. Vai por mim, é o espírito desse texto.

Friday, November 24, 2006

Errata

No texto anterior, eu disse uma coisa errada. Comparei o ensimesmamento do Ortega ao fechamento da alma. O traseiro não tem nada a ver com os fundilhos.

Ensimesmar-se, segundo Ortega, é capacidade de todo homem de se instalar em seu mundo interior. O homem se livra das excitações do mundo e se coloca como que fora dele, entrando em contado com as idéias dentro de si mesmo. É o que faz o homem de saber, o poeta e todos os amigos da beleza e das idéias. Nós refletimos porque conseguimos, com muito esforço, recuar por um momento das circunstâncias ao nosso redor para pensar sobre elas. O bichinho, pelo contrário, não consegue. Ele está em constante excitação: tudo ao seu redor lhe toca, interfere em sua vida, não o deixa quieto. Quando nada lhe toca, dorme ou hiberna. Ele não tem vida interior, ou se tem é muito débil. Está em contante excitação por outra coisa que não a si mesmo. Como em latim outro é alter, Ortega diz que os bichinhos estão em permanente alteração, que é o contrário do ensimesmamento.

Antes que alguém pergunte, tudo isso está no primeiro capítulo do livro El hombre y la gente, capítulo este chamado... Ensimismamiento y Alteración. É muito, muito, muito legal. Acho que dá para encontrá-lo na net. Quando eu o achar, prometo que meto o link aqui no bloguinho.

Update, 01/01/2010: Ok, ok. Prometi um link para El hombre y la gente há anos. Demorei. Mas enfim cumpri! Ó pá!

Thursday, November 23, 2006

Inspiração

Weber dizia que as idéias de repente caem nas nossas cabeças, sem que tenhamos o menor controle sobre isso. Como a chuva que cai do céu, a inspiração é uma idéia que se desgarra de não sei onde e cai em nós, dando um alô. Podemos estar sentadinhos no sofá comendo Doritos, vendo algo idiota no Youtube,, e puft!, lá vem a idéia na cuca. Tem vezes que a gente quebra a cuca até não agüentar mais, e nada da preciosa dar o ar da graça. Não é por acaso que idéia é uma palavra feminina, porque todo mundo diz que somos caprichosas. A-ha!

O modo como as idéias se comportam é um negócio muito estranho. Como explicar a inspiração? Um dia você está passeando por aí e de repente PIMBA!, vem uma sacação danada. Lembra a paixão. Você anda por aí, vê a pessoa amada, e PIMBA!, toma a flechada do anjinho (a flecha do meu anjinho faz esse barulho).

Só sei de uma coisa. O espírito tem que estar aberto para captar a inspiração. Se o espírito estiver todo ensimesmado (by Ortega), não vai captar nada. Ouvi falar que Henri Bergson fazia uma distinção entre alma aberta e alma fechada parecidíssima com o que estou dizendo. Julián Marías dizia alguma coisa parecida também. Em nossas vidas, podemos ter duas posturas antagônicas diante das coisas: a de abertura e a de fechamento. Abertura: estarmos prontos para receber a própria realidade. Fechamento: estarmos encastelados em nós mesmos, fazendo da realidade palco de idéias preconcebidas. Marías dizia ainda que a escolha da postura tem reflexo na inteligência e na moral. Eu diria que o fundamental é amar a realidade e se deixar transportar por ela.

Se eu estiver mesmo certa, temos então de sempre agradecer quando surge uma inspiração. Ela não é criação nossa. Foi-nos dada como presente. Antes de escrever um tratado, os medievais e muçulmanos faziam uma prece em honra a Deus. Santo Anselmo, por exemplo, certa vez escreveu uma prece pedindo para que o Senhor o auxiliasse em suas investigações. Eles faziam isso porque sabiam que a inteligência deles era como a Lua e a inspiração enviada por Deus como raios do Sol. A Lua é um mundo frio e pálido que só adquire vida parcial quando iluminado pelo Sol, pois nem sempre ela está em posição de receber diretamente a luz dele. Sem a inspiração, parece que a mente pifa. Não é por acaso que quando não temos inspiração dizemos que não estamos num período fértil de idéias.

Nem sempre estamos prontos para receber a inspiração. Mas quando recebemos, que a gente sinta no fundo gratidão! Como eu poderia deixar de agradecer a Jesus Cristo por ter me dado inspiração para esse e outros textos? Ainda mais eu sendo tão troncha? Valeu, Cristo!

Update, 01/01/2010: Não deixa de ler a errata.

Wednesday, November 22, 2006

A burrice resolveu dar um tempo

Pois é: agora deram para trás na decisão de exigir diploma para quem quer ser jornalista. Ainda bem. No país onde todo mundo é dotô, todo mundo é iletrado.

Essa mania de exigir diploma de tudo aqui no Brasil provavelmente tem um tempero especial. Aqui há o culto ao formalismo, coisa oca e boba. As aparências contam muito. Se você andar com um livrão debaixo do braço, o pessoal vai achar você very smart. Se falar algum negócio em tom incisivo, tomarão o jeito pela verdade. Se tiver diploma, vira dotô. Para se fazer alguma coisa de útil para o país, tem de fundar partido e ser senador ou presidente. É tudo superficial pra cacete, tudo bobo.

Formalismo é falsidade. Prezar a aparência em detrimento do conteúdo é babaca demais. Pior é que quanto mais falso o camarada é, mais questão ele fará de impor contra si mesmo uma coisa que ele não é, desde que essa coisa impressione outro bobo. O adolescente inseguro vai externar atrevimento. O idiota vai vomitar sabedoria. Tudo o que fizer já virá condenado por sua própria boca. O erro, dizia Croce, não se condena pela boca do juiz, mas ex ore suo.

Voltando à exigência de diploma para jornalismo, a tentativa de limitá-lo a só quem seja formado certamente não cessará. É aquele tipo de ousadia que não aquieta até conseguir o que quer ou levar um bicão na bunda para nunca mais voltar a encher o saco. Sou favorável à segunda alternativa, porque só quando o pessoal que não tem diploma der umas senhoras cotoveladas nessa gente pomposa que adora abrir a boca para a questão do título universitário, tudo talvez acabe bem. Talvez alguém de fora cuspindo nesse povo seja até benéfico, já que deve ser mais difícil esperar mudança de atitude em que está já com o traseiro confortavelmente instalado na cátedra. Problemas de inércia, entende? Se algum sujeito der um belo pontapé no traseiro do catedrático, quem sabe as frescuras acabam?

Friday, November 17, 2006

Calor infernal mitigado pelo alemão inteligentão

Só aqui mesmo. Na mesma semana, um baita friozinho gostoso e um calor horrível de noite. Ou o maior tempo abafado. Para mim, isso é especialmente ruim, porque não agüento variações bruscas de temperatura. Fico logo mal. (*Iniciando contagem regressiva para o próximo resfriado...)

Nem tudo é drama. A cada dia tenho sido agraciada pela companhia de um alemão inteligentão. É da melhor estirpe. Venerável senhor e de humor fleumático (vide René Le Senne em Traité de caractérologie). Ele escrevia em latim e em francês galantes. Era diplomata e acostumado a ter contato com princesas. Estou falando de LEIBNIZ (Gottfried Wilhelm von).

Que cabeleira!, no melhor estilo séc. XVII.

Escrevi em caixa alta o nome do filósofo porque ele bem merecia o epíteto "o Grande", mesmo isso sendo coisa surrada. Não, não era grandão em tamanho, ou se era eu não sei, e ainda menos sei se o era em largura. Mas o era sem dúvida em inteligência. Se tornou principalmente célebre nas matemáticas (criou por exemplo o cálculo infinitesimal e os números binários) e em filosofia. Há quem diga até que foi um dos precursores da física indeterminista, já que não concordava nenhum pouco com a física mecanicista do contemporâneo Newton. Foi talvez o maior racionalista dos últimos 500 anos. O filósofo alemão se tornou conhecido em especial pelas considerações sobre a bondade e a perfeição da criação divina. (Curiosidade estilo rádio-relógio: os escolásticos distiguiam o criar, que era a "atualização" a partir do nada, ou seja, a obra por excelência de Deus, do fazer, que era a produção humana a partir da matéria.) O zé-ruela do Voltaire, não entendendo xongas do que Leibniz quis dizer a esse respeito, se inspirou nessa idéia em particular para criar seu Cândido, um sujeito que come o pão que o diabo amassou mas sempre acha que o mundo é uma coisa linda de morrer. Sobre Voltaire, já disse bem outro alemão ótimo, Goethe: "tem muita razão Madame Genlis quando protesta contra as liberdades e gracejos de Voltaire, pois, em boa verdade, por muito cheios de espírito que sejam, nenhuma melhoria trouxeram ao mundo e nada sobre tal fundamento se pode construir." Quem conhece não confia...

Ler Leibniz é enfrentar gente grande. Não é filosofia da pracinha ou para aparecer no palco. É coisa séria. Não é por exemplo que nem Nietzsche, que a gente lê no metrô e tem a impressão de já saber quase tudo o que ele disse, se bem que Leibniz escreveu muitas cartas em carruagens e talvez alguns dos escritos dele possam ser lidos na ida ao trabalho ou na fila do banco. Variação da explicação: você não precisa se elevar muito para entender Nietzsche. O máximo que precisa é ficar na pontinha do pé. Leibniz não. Você tem que realmente quebrar a cabeça. Não é que ele seja mal escritor. É que ele põe a gente para pensar. Parece até que ele diz assim: "Ja, ja, mein Freund. Se me ouvires, saberás coisas que nem imaginas. Mas tens de te esforçar. Verás então que eram coisas que te estavam na cara."

Esse filósofo é muito rigoroso. Tudo o que ele diz é desdobramento lógico, claro, concreto. Vai limpando terreno aos poucos. É técnico por vocação. Filosofia é coisa técnica mesmo. Essa vocação transparece também porque você pode perceber nas entrelinhas um papo com toda a tradição filosófica, sem excluir nem mesmo a escolástica (leia só Descartes e tente garimpar onde ele travou um papo com os medievais...). Os "modernos" - da época dele - são também alvo de discussão, afinal de contas o sábio, como dizia Aristóteles, parte sempre das opiniões em geral. Descartes, Newton, Hume, toda essa gente e mais um monte é colocada sob análise. Não é à toa que ele é dado às matemáticas. As matemáticas, o rigor técnico e a capacidade filosófica andavam juntinhas na cabeça de Leibniz. Não que ele fosse um pitagórico. É que a abstração metafísica podia ser exemplificada em algumas noções da matemática. Acho que Platão o convidaria para estudar na Academia sem o menor problema!

Nova methodus pro maximis et minimis, itemque tangentibus, quae nec fractas nec irrationales quantitates moratur, et singulare pro illis calculi genus. Primeira obra de Leibniz sobre cálculo diferencial (1604), todinho em latim.

Nenhum dos problemas clássicos da filosofia foram deixados de mão. A relação entre ente e essência, a formação do mundo, a imortalidade da alma, o bem e o mal, a liberdade, a existência, a contigência, a origem fundamental de todas as coisas... Temas eternos e que são sempre úteis. Um belo exemplo de capacidade de investigação foi o modo como encarou um dos problemas clássicos da filosofia, a conciliação entre a liberdade e a Providência, no pequeno texto Sobre a liberdade. Resolveu o problema de um jeito tão elegante quanto curto, o que faz lembrar uma dos lemas dele (que, a bem da verdade, não foi ele quem inventou): deve-se buscar o máximo efeito com o mínimo gasto. Parece um poema. Parece um lindo golpe. É a elegância aplicada à capacidade de investigação. Também escreveu sobre ética, política, religião... e por aí vai. Não escreveu nada em estilo corrido, em cima das coxas ou como mera sacação. Para dizer a verdade, todos os problemas fundamentais da filosofia tiveram alguma boa contribuição do velho sábio.

A Espectadora é leiga mas curiosa. (Se bem que o gatinho se deu mal por causa da curiosidade, tadinho.) Do que já foi lido, ela pode dizer uma coisa: é Aristóteles na Antigüidade, São Tomás na Idade Média e Leibniz na Idade Moderna. São altamente recomendáveis a Monadologia, Novos ensaios sobre o entendimento humano e Discurso de metafísica. Se um dia eu os ler direitinho, escreverei a respeito de cada um.

Leia o alemão. Você vai saber o que é mesmo filosofia e o que é encarar um filósofo de verdade mesmo, não esses zé-ruelas que estão na boca do povo. A briga é boa. Embora você vá apanhar, aprenderá mesmo.

Vai um selinho do Leibniz aí?

Dica: Há um site legal em português sobre Leibniz. É o Leibniz Brasil. Tem uma biografia e algumas das obras dele, além de links para diversas páginas a respeito.

Wednesday, November 15, 2006

A burrada ataca, contra-ataca e faz o diabo

Notícia: STJ: Jornalista deve ter diploma.

Justo. Num país onde há o maior número de professores per capita do mundo, onde se forma universitário a dar com pau, nada mais natural que outra profissão ser regulament... ops, profissionalizada. U-hu!

Que a justiça seja feita. Deve haver também faculdades de:

. Caixa (com especialização: de banco, de loja);
. Flanelinha;
. Barbearia;
. Garçom;
. Last, but not least, escrivinhador de blog;
. Etc.

Ooouutra coisa. Ninguém pára para pensar nas conseqüências de um jornalismo regulament... profissionalizado. Raciocina comigo, cambada: jornalista tem que ser formado em universidade; universidade pública é sempre considerada the most beautiful thing; ela é do governo. Então... Sem contar com o velhíssimo corporativismo bom de cada brasileiro e brasileira desse país grandão de meu Deus. Tacada dupla, né? Dois coelhos com uma cajadada. A profissão vai se tornando um feudo de certos senhores distintos sob o beneplácito do Estado-rei. E a galera vai ao delírio pensando em liberdade e em aperfeiçoamento da profissão, ó pá!

Confusão: trabalho e amadurecimento

Temos como uma das nossas características o querer. É a vontade. Buscamos os meios para que a gente se satisfaça. Os meios são os corpos, as coisas, que estão à nossa disposição. Sempre o querer é dirigido a um fim predeterminado, e a utilização dos meios à nossa disposição implica em esforço na realização do nosso objetivo. E, é claro, a gente precisa dirigir nossos esforços de modo positivo para conseguir o que quereremos. Então tudo isso que chamo de vontade pode ser reduzido a pelo menos quatro notas: a escolha, a intenção, a vontade mesma e o esforço de fato.

Quando a gente fica grande, vai se tornando cada vez mais independente. Não apenas dos nossos pais, mas de quem quer que seja, na medida do possível. A independência, no sentido de amadurecimento da pessoa, é a capacidade de satisfazer por si a vontade. Essa é a lógica da importância do trabalho. Você trabalha para adquirir, com suas próprias forças, aquilo que deseja.

Mas a capacidade de satisfazer a própria vontade não é, de jeito nenhum, a única etapa do amadurecimento pessoal. É um dos primeiros. É verdade e mentira que o trabalho transforma a pessoa de criança em adulto. Verdade: como já disse, ajuda na independência como amadurecimento pessoal. Mentira: é apenas parte do processo de formação.

Não acho muito complicado entender o que estou dizendo. Um cara pode trabalhar muito mas ser um babaca. Lá no trabalho, até que pode ser responsável, mas pode muito bem ser também irresponsável nas relações amorosas, nas opiniões dadas e tal.

As pessoas geralmente têm uma opinião parcial sobre o amadurecimento. Talvez porque o trabalho seja uma das manifestações mais visíveis da ação do sujeito. Talvez porque seja mais difícil do que parece haver uma pessoa realmente, integralmente madura.

É fácil perceber o problema do amadurecimento parcial. Muito cara crescido simplesmente se tornou uma criança grande. A diferença entre o adulto "mal formado" e a criança é que esta não tem como aquirir por si o que deseja, enquanto o adulto tem os meios. Isso chega a ser perigoso. Crescer também implica em saber dirigir a vontade conforme a verdade. De certa forma, é um controle do desejo para que seja possível se saciar na verdade. Vou dizer de outro jeito. A vontade disciplinada dá como recompensa o mergulho na verdade. Você abdica de certas desordens próprias da sua vida desordenada para ser ordenado pela realidade. Minha gatinha Petruschka é fofa, mas ela não apreende a realidade porque vive só de desejo em desejo. Eu, embora palerma, tenho a capacidade de apreendê-la. Eu posso dirigir a minha vida para a verdade, a Petruschka não. O adulto "mal formado" não consegue dirigir assim a própria vida porque é imaturo. Não consegue abandonar a si mesmo para querer a verdade. É um querer se dirige apenas para si mesmo. Todos os meios que estão à disposição servem para a satisfação mais imediata. Quem está no comando são as vontades mais imediatas. É o corpo quem manda! Vive que nem a minha gatinha, com a desvantagem de não ser fofa que nem ela. É mesmo uma criançona no mundo. O mundo é um enorme playground. Vive como neném mimado.

Dá para forçar um link entre o que estou dizendo e a educação. Um dos problemas da nossa educação é que ela dá meios de estudo para sujeitos que não estão nem estarão nunca amadurecidos para o ofício. O estudo vira só confirmação presunçosa de preconceitos e cacoetes juvenis (os ateus geralmente são mestres nesse tipo de puerícia!). Às vezes calha de o sujeito ter uma pletora de conhecimentos para só utilizá-los em objetivos mesquinhos. Contraditório, né? Mas é o que fazem todos os dias.

Só para concluir, eu diria que o trabalho e o estudo, desacompanhados da formação das outras partes da nossa personalidade, acabam trazendo mais mal que bem. Da mesma forma que o trabalho fornecerá os meios para que o sujeito satisfaça desejos pueris (e isso será conseguido várias vezes às custas das outras pessoas, que serão apenas "meios" para algum objetivo), o estudo fornecerá os meios para que ele satisfaça seus preconceitos juvenis e o amor-próprio, às custas da verdade, da realidade.

Tuesday, November 14, 2006

Brasileiro é aproveitador e dinheirista

Esse blog vai virar neste post um daqueles blogs onde a pessoa escreve sobre a vidinha dela. Mas é temporário. No final, a moral da história.

A CONVERSA

Tive um papo muito revelador com meu pai.

Quando estávamos para sair do escritório dele, ele me veio com essa:

- Filha, tô gostando de ver você...

- Por quê?

- Porque enfim você está tomando tenência.

Por um momento considerei o que ele disse como um elogio. Depois fiquei pensando: "Mas o que é que ele quer dizer com 'tomando tenência'"? Do elogio veio a dúvida, a pergunta, e eis a resposta:

- Porque estou vendo que você está crescendo mesmo, ficando madura, parando com aquelas bobagens de escrever e mudar o mundo.

Como assim?! Como assim?! Mudar o mundo? Escrever?

Por partes: é verdade que eu já pensei em mudar o mundo. Eu planejava entrar na faculdade e contribuir para a "destruição do sistema". Minhas atividades subversivas começariam no meio cultural. Eu seria uma agitadora cultural. No jargão, agitprop. Como sempre gostei de escrever, achava que poderia de algum jeito unir o útil ao agradável. Até uma vez escrevi a letra de uma música para uma banda de amigos meus cujo título era Ditadura de Veludo. Essa "ditadura" consistia em nos obrigar a ser burros e consumistas, enquanto neguinho cagava na nossa cabeça, lá de cima do poder. Um dia vou colocar aqui no blog a letra para apresentar o que eu (supostamente) pensava. Isso tudo, é claro, ficou na cabeça do meu pai. Ele devia me achar uma trouxa. Tinha razão. Tudo bobagem. Mas escrever... Isso aí já é sacanagem. Escrever não é uma bobagem. Pelo contrário. Fiquei ainda mais admirada pelo fato do meu pai ser advogado. Porra, como justamente ele poderia dizer uma coisa dessas? Foi aí que eu disse:

- Pai, concordo que só quem é um bebezão pensa em mudar o mundo, mas escrever não é uma bobagem. Eu gosto disso.

- Até faz bem ter um sonho, minha filha. Escrever pode ser bom. Mas como você vai ganhar dinheiro com isso?

- E eu lá sei? Eu nunca nem pensei em ganhar dinheiro com isso. O que achei esquisito foi você dizer que escrever é bobagem. Eu acho que é uma coisa séria.

- Ainda bem que você não pensa em ganhar dinheiro com isso. Fico preocupado com você porque você é cheia desses idealismos que não levam a lugar algum. Idealismo é bom se você tem dinheiro no bolso.

- Que idealismo?

- Essas histórias de não fazer faculdade para não se corromper, não querer emprego público... Isso é bobagem. Quando eu era novo eu também era cheio dessas coisas. Olha que sou do tempo da ditadura! Sei o que é lutar pela liberdade. (Um comentário sobre meu pai: ele é esquerdista chique, daqueles que dizem com orgulho que são de esquerda, embora a sua própria vida não tenha nada de esquerdista, se é que algum esquerdista viva mesmo conforme o que prega. Já cansei de dizer isso para ele, mas enfim.)

- Prefiro me ferrar toda...

- Você diz isso porque tem a mim e a sua mãe para bancar você. Agora é fácil dizer isso.

- Tenho porque realmente não posso me bancar. Não tenho agora como. Mas não é por isso. Quero fazer o que gosto sem ter que sacrificar minha vocação. Gosto de ajudar você no escritório e tal, mas para mim é mais uma distração. Eu não quero virar secretária mesmo. Se fosse para virar uma, só se fosse uma coisa temporária, que não me prendesse a algo que não tenha nada a ver comigo.

- Se você passasse num concurso público, você ia ter estabilidade e poderia depois pensar no que iria fazer. Não é melhor ter idealismo com dinheiro no bolso e sossegada?

- Qual a diferença? Se eu vou largar mesmo o emprego público para cair na tal instabilidade, por que vou perder meu tempo num negócio desses? Pai, conta outra, isso é isca. Eu sei que um monte de gente cai nisso, mas eu não. Para mim, isso é se iludir. O cara pensa que vai conseguir a tal estabilidade nesse emprego para depois partir para o que gosta. Duvido. Vai ficar ali mesmo. Se engana. Quem é que vai largar o bem-bom pela confusão? E depois que tiver família? Não que eu vá ter uma...

- Por que não?

- Só estou mencionando, não sei se terei. Mas então, vai que eu tenha uma justamente durante o bem-bom? E para eu me mandar, como vai ser? Não vai ter como. Vou ter que ficar nisso, vegetando. Agora eu tenho opção...

- Que opção? Você não se preparou para nada, não tem curso superior, tem 24 anos e nunca trabalhou. [Nota: aqui ele se refere a emprego com carteira assinada.] Já viu o tamanho das filas para procurar emprego? Você nem sabe o que quer...

- Eu sei o que não quero. É mais fácil saber o que não se quer.

- Isso é filosofia barata de quem não tem o que fazer. Eu estava achando que você finalmente havia mudado um pouco. Mas essa sua cabecinha dura não mudou nada. Sabe a razão de eu ter pedido para você me ajudar? Você acha que eu realmente preciso de ajuda? Não, eu posso me virar. Eu queria que você experimentasse um pouco a sensação do trabalho, sentir o gostinho de ganhar o seu dinheiro depois de um mês na labuta. Ser independente...

- Isso não é ser independente. Me desculpa, mas você finge que me paga salário e eu finjo que trabalho. Não sou mesmo a sua empregada, secretária...

- Que seja, que seja... Eu queria... Quero que você se acostume com a vida real, minha filha. Sei que você vai dizer que não é real isso que estou passando para você. Mas é um estágio. É que nem a mamãe-passarinho ensinando o filhote a voar, minha filha. Estou dando pra você o senso de responsabilidade para você partir para a luta.

- Mas não estou falando disso. Já disse que gosto desse esquema. Por mim, ok. O que estou dizendo é que você não leva a sério uma coisa séria só porque não dá dinheiro ou conforto. Não é só por isso que eu deveria fazer outra coisa.

- Você não está me entendendo. Eu não disse que não é sério...

- Me desculpa, mas você disse sim que escrever é uma bobagem.

- Mas não foi nesse sentido que você entendeu. Eu quis dizer que ganhar dinheiro com isso não é uma boa idéia. Como você vai se sustentar fazendo isso?

- Quem disse que eu quero trabalhar com isso?

- Ah, pelo que você está dizendo eu...

- O que estou dizendo é que pegar emprego para ter conforto e cagar para o resto eu não pego.

- Já disse que não é assim.

- Pai, deixa disso. É armadilha sim, nem vem. Prefiro me foder toda a ficar assim.

- Você tem noção de como trabalho para você ficar desse jeito? Enquanto me mato, você fica com esses devaneios. Diz isso porque não tem mesmo responsabilidade alguma.

- Ah, agora virei a irresponsável! Onde estava o orgulho por mim? É tudo conversa fiada! Você quer bancar o advogado para mim, cheio das suas argumentações e tal para levar a causa, mas sabendo que é tudo bullshit. [Nota: Meu pai DETESTA quando uso esse tom, mas a essa altura eu já estava ficando puta com a conversa-circular.]

- Olha aqui, garota, mais respeito porque ainda sou seu pai! Não admito esse tipo de postura para cima de mim! A única pessoa que tem a perder com essa postura agressiva é você!

- Você diz que o que eu realmente gosto é bobagem, que não vale nada, e eu que estou sendo agressiva? Ah, pára com isso...

- Chega desse assunto! Seu problema é que é muito mimada! Bem que a sua tia sempre me dizia que eu estava criando um bebezão. [Nota: Sempre quando discuto com meu pai e ele se sente ofendido, ele tira isso do baú, essa história da minha tia. Isso porque quando eu tinha uns 6 anos, ela achava que eu estava sendo muito mimada e quando crescesse iria virar um "bebezão".]

- Ah pai...

- "Ah pai, ah pai..." Já vi que vou ter que te carregar nas costas até você aprender o que é a vida.

- Tá bom...

- Isso, fique assim mesmo, cheia de sarcasmos. Aproveita enquanto há tempo. Agora chega desse assunto, estou cansado. Quero relaxar.

Essa conversa foi durante toda a volta para casa. Não trocamos um "ai" depois. Ambos quietos.

MORAL BEM GRANDONA DA HISTÓRIA

Por que resolvi "transcrever" a conversa? Porque achei típica. Não típica só do meu pai, mas das pessoas deste país em geral. As pessoas acham que vocação e talento são bobagens, que o que importa é ganhar dinheiro. Ganhar dinheiro sem muita possiblidade de ser demitido. Para mim, esse negócio de desemprego é só uma desculpa para as pessoas correrem para emprego público. Se não fosse o desemprego, seria outra coisa. Se não é emprego público, é alguma outra merda que pague bem. É tudo álibi, desculpa para a pequenez espiritual. Crescer para gente assim é sacrificar a vocação no altar do conforto. Crescer é virar um anão espiritual. O pior de tudo é que sentem orgulho disso. Lambem as bolas de quem quer que seja só pelo conforto. Olha o caso desse presidente imbecil que temos. As pessoas ao redor dele, sabendo que ele é um idiota, preferem puxar o saco dele. Gostam até de quando ele os xinga! Puta que pariu, é o fim do mundo! Ninguém nesse cacete tem a coragem de dizer que o rei está nu?

Em vez de haver um crescimento da personalidade do sujeito, o cara, nesse afã de dinheiro, se rebaixa. Chega a ser considerado honroso levar cusparada na cara de alguém considerado poderoso. Em todo emprego, talvez a pessoa tenha que engolir vez ou outra sapo, mas aqui as pessoas acham normal e até saudável se alimentar de sapo day by day. Sabe o resultado disso? É ter uma quantidade pavorosa de caras sem a menor vocação trabalhando em algo que no fundo eles não queriam. Conclusão: monte de gente trabalhando mal. Alguém tem vocação para, sei lá, fiscal do IBAMA? Claro que não. Quando trabalhar nisso, vai com má vontade. Todo mundo está careca de saber como os funcionários públicos tratam mal as pessoas. É principalmente por isso. Imagine então o que acontecerá naqueles empregos importantes, tipo oficial das Forças Armadas. É preciso que haja heróis no Exército. Mas acaba havendo um monte de oportunista barato. Na hora do "vamos ver", para onde essa gente vai? Vai para onde for mais cômodo. O mesmo no caso da medicina e da advocacia. Serão médicos oportunistas e advogados da ocasião, sem vocação.

Só que tem mais, ou, como diriam nesses comerciais de televendas, "e não é só isso". Um ambiente desse tipo está lotado de falsidade. Ninguém é realmente aquilo que se apresenta, ninguém realmente quer aquilo que faz. Tudo é forçado, tudo é aparência. Quando surge alguém para falar mal de tudo isso, as pessoas, com medo de serem desmascaradas, caçam o pobre diabo com fúria sem precedentes!

As pessoas fazem um pacto tácito aqui no Brasil para castrarem-se uns aos outros. Pior que ficam contentes!

Esse país é uma merda mesmo. É difícil sobreviver nisso aqui. E olha que nem estou falando da violência, porque dizem que mais de 50 mil pessoas são assassinadas por ano, o que dá quase duas Guerras do Iraque por ano. (A comparação é do Olavo, pegando as estatísticas do SUS.) O único modo de sobreviver é meter o cotovelo na fuça dos outros. Conforme a opinião geral, é bom se prostituir. É por isso que o que não falta é puta e puto. Nada contra quem realmente seja. Por mim, pode dar para e comer quem quiser. O que não pode é meter pau na própria consciência e na verdade. Pior, obrigando os outros a fazer a mesma coisa!

Sei que parece conversa de adolescente. Não é. Isso é sério.

Sunday, November 12, 2006

Friozinho gostoso o de hoje!

Fazendo frio aqui na cidade. O que me leva a pensar numa coisa. Na Europa neva. O pessoal acaba tendo que ficar trancafiado em casa. Mesmo quando não neva, geralmente faz um friozinho. Antigamente não havia TV. As cidades também não eram tão grandes. Será que essa é uma explicação acessória para os europeus terem se dedicado tanto aos estudos? Ok, a Sibéria então era para ser o paraíso dos brainy boys. A Rússia sempre foi considerada meio que o subúrbio da zoropa. Mas não consigo deixar de pensar nisso. Quanta distração a gente tem, nossa! E o calor atrapalha... Agora não é tão ruim, há ventilador e ar-condicionado. E antes? Beleza, o Egito também não devia ser friozinho e foi lá que a geometria começou a balbuciar. Atenas também não é nenhuma Londres.

Ainda assim, o clima deve ajudar. E falta de distração também.

Uma coisa é verdade. Tirando o clima e tal, onde houver naturalmente moleza de vida as coisas tendem a não ir para a frente. Quer dizer, onde houver uma preocupação com o simples conforto, não vai haver desenvolvimento profundo. A investigação filosófica começa sempre onde houver um problema grave. Quem é que vai querer se deparar com uma coisa dessas se apenas está a fim de sombra e água fresca?

Oh, crap... São pensamentos soltos de quem não tem o que fazer.

Saturday, November 04, 2006

Pucca é um desenho fofo

Vou falar rapidinho de um desenho que adoro. Se chama Pucca Funny Love.

Pucca é um desenho que passa no canal Jetrix. É um dos mais fofinhos que existem hoje em dia, tanto pelas histórias quanto pelo traço. Surgiu na Coréia. Mas uma coisa tão legal assim rapidinho teria de se espalhar pelo mundo. Foi o que aconteceu.

O traço é todo feito em computador em flash. É todo simplisinho, os personagens redondinhos, cabeça grande, lembrando meio que de longe South Park. Lembre-se: "de longe". Já a historinha é muito fofa. Pucca é uma menina de 10 anos e filha do dono do restaurante. Ajuda muito o pai. Mas prefere tascar beijos em Garu, sua paixão. Ele é um ninja de 12 anos e (quase sempre) não gosta nenhum pouco dela. Só quer saber de treinar ou de enfrentar inimigos, como Tobe, que lhe inveja e faz de tudo para atormentá-lo. Mas Pucca é uma menina que sabe-se lá como é muito mais habilidosa e forte que todos os personagens juntos. Tobe morre de medo dela. Quase sempre Garu também foge dela, mas ela no fim acaba o pegando e enchendo-o de beijos, deixando-o fulo da vida.

Às vezes aparecem outros personagens. Tem o Abiyo, que é amigo e ao mesmo tempo rival de Garu e que parece o Bruce Lee versão criança. Ele é meio esquentado. Quando vai lutar, várias vezes arranca a camisa. Ele tem uma admiradora, a Ching, amiga de Pucca e que tem uma galinha que sempre solta ovos quando toma susto. Existe ainda o Santa Claus. Yeah, ele mesmo. Ele é apenas um personagem cômico, quase um faz-tudo do desenho. Em um ele era um dj, em outro um locutor e por aí vai.

Os episódios são sempre curtinhos. Passam às 21h.